Iniciativa #23: Torog, o Rei Rastejante

Hoje é segunda-feira, dia do primeiro artigo da Iniciativa 4e de 2010! Onde você encontrar o selo ao lado, esteja certo que encontrará material escrito e revisado para a 4ª edição do D&D, com posts conjuntos, temáticos, a cada quinzena.
A proposta de hoje é Dungeons. E para manter a vibe dos artigos recentes aqui no Covil, resolvi dar uma olhada melhor no deus que mais representa as dungeons em minha opinião: Torog, o deus do subterrâneo, carcereiros e tortura. Vamos ver o que podemos fazer para tornar ele um pouco mais bonzinho e passível de ser usado por personagens jogadores, que tal?

Torog, o Rei Rastejante

Conhecido como o Rei Rastejante ou o Carcereiro Cruel, Torog é o deus patrono dos subterrâneos, carcereiros e torturadores. Enquanto Bahamut procura trazer a justiça para aqueles que trazem o sofrimento, o Rei Rastejante é aquele deus que suja de fato as mãos para manter os transgressores dentro de seu castigo e arranca-lhes os segredos de suas traições contra os deuses através da tortura.

Não é Torog, mas podia ser. Retirado do site da Wizards of the Coast.


Há quem diga que Torog nem sempre foi assim. Na antigüidade, antes mesmo da guerra entre os deuses e os primordiais, o Rei Rastejante era o guardião dos segredos do subterrâneo, aquele que oferecia refúgio para os banidos e escondia os perseguidos do olhar vigilante de Pelor.
Entretanto, durante os tempos mais sombrios da guerra pelo mundo material, Torog foi ludibriado por Vecna para acreditar que Bahamut queria que ele prendesse em seus domínios subterrâneos todas as aberrações utilizadas pelos primordiais. Enquanto o deus dos subterrâneos encarregava-se dos serviços de carcereiro, Vecna invadiu o subterrâneo e desvendou os segredos que escondiam-se sob o solo.
Este logro enlouqueceu Torog. Desconfiado da traição, mas convencido de que Vecna não agiu sozinho, o Rei Rastejante começou a torturar as aberrações aprisionadas até que estas revelassem os comparsas do deus dos segredos. Até hoje Torog torna miseráveis as vidas das aberrações que têm no subterrâneo seu lar, como represália por não saberem dizer quem o traiu.
Entretanto, Bane vislumbrou na obsessão de Torog uma oportunidade para conhecer mais sobre os inimigos dos deuses. Usando sua influência de general das tropas celestiais, Bane ordenou que Torog arrancasse de seus prisioneiros todas as informações possíveis a respeito das maquinações dos primordiais durante a guerra pela Criação. Esta aliança provou-se extremamente eficaz, e permitiu que os deuses pudessem empurrar os primordiais de volta para o Caos Elemental, solidificando seu controle sobre a Criação, o mundo material.
Ao término da guerra pela Criação Bane ordenou que Torog destruísse de uma vez por todas os primordiais e as aberrações encerrados no subterrâneo. Entretanto, o Rei Rastejante negou-se. Terminados os tempos de guerra também dissipara-se a autoridade de Bane. Além disso, os demais deuses insistiam para que Torog libertasse seus prisioneiros no Caos Elemental. E ele sabia bem que tomar qualquer uma destas decisões seria atrair a inimizade de Bane ou dos demais deuses.
Determinado a não ser um joguete na mão de ninguém, Torog decidiu manter os primordiais e aberrações presos como estavam. E até hoje muitos dos primordiais presos durante a guerra vivem no subterrâneo, presos porém protegidos. Com esta decisão o Rei Rastejante cortou relações com todos os deuses.
Após esta decisão Torog só reencontrou os outros deuses quando auxiliou-os a subjugar o lunático Tharizdun e confeccionou a prisão sem paredes que o confina até os dias de hoje. Claro, este episódio, como tudo que é relacionado ao Deus Acorrentado, não é falado e poucos são aqueles que sequer sabem sobre ele.
Atualmente Torog ocupa-se administrando o subterrâneo, para garantir que os males que ele confina não saiam e destruam a Criação, o mundo pelo qual ele tanto lutou. Amargo e sádico graças ao seu serviço, o Rei Rastejante aprendeu que muitas vezes é necessário um pouco de mal para poder manter aquilo que você ama a salvo. E dada sua natureza de salvador, ele decidiu ser este mal necessário.

PCs Seguidores de Torog

O mais comum é os seguidores de Torog serem os vilões da história, e não os heróis. É compreensível, já que os métodos empregados por Torog são declaradamente cruéis. Tortura não é algo que combine bem com o estilo de aventura heróica esperado de um jogo de Dungeons & Dragons. De fato, Torog foi criado para ser uma divindade maligna – tanto que ele está melhor descrito na parte de deuses malignos do Guia do Mestre (pág. 163).
Entretanto, isso não significa que precisa ser assim. Como pode ver, Torog é um deus que caracteriza-se por fazer o que é necessário para manter o mundo a salvo – o que é uma motivação bastante interessante para um anti-herói ou até mesmo para um grupo mais interessado em resultados do que nos métodos empregados quando tenta salvar o mundo – e por sua disposição de ficar no subterrâneo para garantir isso.
O ponto-chave aqui é focar-se em criar um personagem concentrado no aspecto de Torog de protetor do mundo, percorredor dos subterrâneos e aquele que oferece santuário, no lugar de ser o mal necessário para o funcionamento do mundo. Isso evitará grandes conflitos ideológicos com o resto do grupo e é uma boa forma de manter seu personagem ainda no lado dos bonzinhos.
Se for fazer um personagem de uma classe divina que tem Torog como divindade principal, ele deverá ser Imparcial – já que Torog ainda é uma divindade maligna, o que impossibilita seguidores bons ou leais e bons. Entretanto, é possível fazer um seguidor de Torog de uma classe não-divina de qualquer tendência.

Os Ensinamentos de Torog

As motivações de um seguidor de Torog são orientadas pelos três grandes ensinamentos deste deus:
• Buscar e reverenciar os locais mais profundos da terra. É no subterrâneo que Torog vive e mantém seus prisioneiros, e foi lá que ele conseguiu informações vitais para a conquista dos deuses sobre a Criação. O respeito dos seguidores de Torog pelo subterrâneo é uma reverência aos sacrifícios que o deus teve de fazer para salvar o mundo do domínio dos primordiais. Além do quê: o subterrâneo é o lar de Torog, e os seguidores dele consideram também o seu lar.
• Apreciar o ato de infligir dor e considerar toda a dor que lhe for infligida como um tributo a Torog. O Rei Rastejante já infligiu muita dor para coletar informações vitais sobre os primordiais, bem como passou por muito sofrimento pelas escolhas que fez e que lhe foram impostas. Mas no lugar de desistir, Torog perseverou. Este ensinamento não se trata de sadismo, mas sim de reconhecer este mundo como um mundo de dor, e não se deixar intimidar pelo sofrimento que existe nele. Seus seguidores devem apreciar o ato de infligir dor porque eles devem fazer isso para salvar vidas. Bem como eles devem saber que quando sentem dor estão fazendo um pequeno sacrifício por um bem maior, de forma similar, apesar de incrivelmente menor, que Torog fez.
• Aprisionar o que estiver em seu encargo e reprimir os que estiverem vagando livres. Este ensinamento trás duas lições. O Carcereiro Cruel adotou esta função para proteger o mundo que ama e garantir a vitória das tropas celestiais. Ser encarregado de manter algo sob seu domínio, seja um objeto ou uma pessoa, e falhar é uma grande ofensa a Torog. Quando lhe confiam algo é esperado que você faça seu trabalho com perfeição.
A outra parte é que aqueles que não respondem a alguém ou algum propósito maior trazem o caos, e com ele vem a loucura que gerou o Abismo. Mantenha a ordem e evitará que este mundo seja maculado pela enfermidade que gerou a grande ferida do Caos Elemental.

Novo Talento

Prisão de Torog [Canalizar Divindade]
Pré-requisito: Canalizar divindade, deve seguir Torog
Benefício: Você pode invocar o poder de sua divindade para usar Prisão de Torog

Prisão de Torog [Canalizar Divindade] Poder de Talento
O Rei Rastejante atende suas preces e dificulta a fuga de seu inimigo.
Encontro Divino
Ação Mínima Pessoal
Efeito: Caso acerte o alvo, seu próximo ataque neste turno imobilizará o alvo até o final de seu próximo turno.
Especial: Você deve selecionar o talento Prisão de Torog para usar este poder.

Trilha Exemplar: Custódio Tenaz

“Você não pode fugir.”
Pré-requisito: Qualquer defensor, deve seguir Torog
Você tornou-se tudo aquilo que Torog espera de um de seus seguidores: alguém que vive para salvar aqueles de quem é encarregado e garantir que aqueles sob sua custódia não irão para lugar algum. Em troca você recebe poderes de Torog que o auxiliarão a manter um poderoso domínio sobre a liberdade daqueles que deseja prender.
Independente da origem dos poderes de sua classe, os poderes desta trilha são todos considerados orações divinas.

Características da Trilha Custódio Tenaz

Dor Bem-Vinda (11º nível): Sempre que você for alvo de algum efeito com a palavra-chave Dor, ganhe uma quantidade de pontos de vida temporários iguais ao seu modificador de Sabedoria.
Dificultar a Fuga (11º nível): Sempre que você gastar um ponto de ação para fazer uma ação adicional, seus inimigos tratam todos os quadrados adjacentes de você como terreno difícil até o final de seu próximo turno.
Marca do Grilhão (16º nível): Qualquer alvo marcado por você também estará lento enquanto a marca persistir.

Orações do Custódio Tenaz

Grilhão Tenaz Ataque de Custódio Tenaz 11
O favor de Torog flui através de seu ataque e ajuda-o a manter seu oponente dentro de seu alcance.
Encontro Arma, Divino
Ação Padrão Arma corpo-a-corpo
Alvo: Uma criatura
Ataque: Força vs CA
Sucesso: 2[A] de dano, e o alvo ficará marcado até o final de seu próximo turno.
Especial: Caso o alvo já esteja marcado (inclusive se for marcado em virtude do ataque desencadeado por este poder), ele estará também lento até o final de seu próximo turno.
Tortura Atroz Ataque de Custódio Tenaz 12
Seu ataque inflige uma dor persistente que apenas um seguidor do deus da tortura é capaz de infligir.
Encontro Arma, Divino
Ação Padrão Arma corpo-a-corpo
Alvo: Uma criatura
Ataque: Força vs CA
Sucesso: 2[A] de dano, 5 + modificador de Sabedoria de dano contínuo e o alvo fica lento (TR encerra ambos).
Especial: Caso o seu alvo já esteja com a condição lento, este poder deixará ele enfraquecido no lugar de lento.
Cárcere Subterrâneo Ataque de Custódio Tenaz 20
O chão se abre para recepcionar seu oponente, que é condenado a uma prisão subterrânea.
Diário Divino, Implemento, Necrótico
Ação Padrão Rajada 5
Alvo: Todos os oponentes dentro da área
Ataque: Sabedoria vs Reflexos
Sucesso: 4[A] de dano necrótico, e o alvo ficará fora de combate e recebendo 5 + modificador de Sabedoria de dano necrótico [TR encerra ambos]. Qualquer alvo que passe no teste de resistência para voltar ao combate reaparecerá caído no quadrado que estava quando foi atingido pelo poder.
Falha: Metade do dano, sem dano contínuo e o alvo ficará apenas imobilizado até o final de seu próximo turno.
Especial: Sempre que um oponente tiver seus pontos de vida reduzidos para 0 ou menos em função deste poder, aumente em 2 o dano contínuo necrótico causado nos demais alvos.

Outros Artigos da Iniciativa 4e #23: Dungeons

Você pode gostar...

5 Resultados

  1. Heitor disse:

    Parece que vai sair a ficha de Torog no suplemento Underdark

  2. Tek disse:

    Semana que vem o tema é Dragons? 😛

  3. Daniel Anand disse:

    Muito 10 CF! Mandou bem no resumo da história do Torog.
    Dúvidas e sugestões “técnicas”:
    Não ficou muito fraco o Prisão de Torog? Eu colocaria como não só imobilizar o oponente, mas restringi-lo. Porque você tem que acertar dois golpes, certo? Ou se o primeiro golpe entrar, o segundo imobiliza como efeito?
    Em relação à trilha exemplar, o Dor Bem Vinda fala da keyword Dor. Onde ela aparece?
    Curti a Marca do Grilhão. Boa, e combina com o tema!
    Abs!

  4. Sharp Walker disse:

    Olá! Curti a história, mas tenho uma dúvida: esse texto tem relação direta com o material de Torog que vai acompanhar o “Underdark”? Ou é criação 100% Covil?

  5. alvaro disse:

    gostei um bom personagesn para usar em campanhas onde o bem e mal tem masi tons de cinza

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: