Iniciativa TRPG: Igreja e dogmas de Tanna-Toh

A Iniciativa Tormenta RPG está de volta! Para quem não conhece, é uma proposta entre os usuários do Fórum Jambô para criar mais material para o mundo de Tormenta RPG. O […]

A Iniciativa Tormenta RPG está de volta! Para quem não conhece, é uma proposta entre os usuários do Fórum Jambô para criar mais material para o mundo de Tormenta RPG. O tema deste período é “Igrejas e Dogmas”. E resolvi revisitar uma série de textos que escrevi há muitos anos sobre várias igrejas e religiões do mundo de Arton. O resultado vai aparecer aqui em doses homeopáticas; o primeiro falou sobre igrejas relacionadas a Khalmyr, o Deus da Justiça; o segundo tratou dos clérigos e da ordem de Valkaria, Deusa da Humanidade; e este terceiro artigo vai falar sobre as ordens e clérigos de Tanna-Toh, a Deusa do Conhecimento.

Conhecimento é poder

Tanna-Toh sempre foi cultuada por toda a civilização humana desde a dádiva da escrita. Mesmo após a Grande Batalha e o subsequente exílio dos derrotados para Arton-norte, o culto à deusa se manteve forte entre os membros da caravana.
Assim, não foi surpresa a fundação de uma nova ordem da deusa após o início da colonização de Arton. O apoio da Ordem foi essencial em muitas localidades, e graças à sua influência foi possível manter o nível de alfabetização do Reinado em níveis tão altos. Um dos maiores exemplos disto é o reino de Wynnla, onde praticamente todos os habitantes sabem ler e escrever.
Outra influência inegável da Ordem foi a envolvida na popularização do Valkar, que começou a ser utilizado e ensinado amplamente pela Ordem em todos os locais por onde esta passava, desse modo popularizando o idioma muito mais rapidamente do que apenas deixar o idioma fluir lentamente pelo Reinado.

História da Ordem da Sabedoria de Tanna-Toh

A Ordem da Sabedoria de Tanna-Toh foi fundada no mesmo ano da fundação de Valkaria (1020). Um templo foi erigido por seus fiéis e uma nova ordem, adequada às novas terras, foi fundada: a Ordem da Sabedoria de Tanna-Toh. Seu objetivo principal seria trazer a civilização aos povos bárbaros do continente e preservar todo o conhecimento já existente.
Alguns anos depois, com a Ordem já plenamente estabelecida, o sumo-sacerdote Worn Desander (que era apenas um noviço na época da Grande Batalha) deparou-se com um problema insolúvel: como armazenar toda a informação e conhecimentos já existentes de uma maneira acessível? A resposta lhe veio através da própria deusa, que o guiou através de uma estranha luz até uma caverna. Lá dentro, havia apenas um globo transparente sobre um pedestal – mas antes que ele pudesse se perguntar sobre a finalidade do objeto, o conhecimento surgiu em sua mente como um raio.
O globo era nada mais nada menos do que o Helladarion, um objeto mágico criado pela deusa Tanna-Toh para armazenar todo o conhecimento acumulado por seus clérigos e pensadores. A caverna ficou conhecida como Caverna do Saber, e embora posteriormente viesse a se tornar parte do reino de Yuden, o Helladarion nunca deixou de divulgar o conhecimento como bem quis. Isso pois o artefato tem consciência própria, sendo desde 1037 o sumo-sacerdote da deusa!
A Ordem da Sabedoria de Tanna-Toh é composta por clérigos, paladinos e leigos, sendo estes últimos os mais comuns. Os clérigos e paladinos estudam por vários e vários anos antes de serem considerados prontos para seus deveres; o mesmo ocorre com os leigos, mas o tempo de estudo destes é consideravelmente menor.
Entre os ritos mais comuns da Ordem de Tanna-Toh, temos o sermão diário nos templos, onde um clérigo mais velho transmite lições de sabedoria, paciência e outras para os devotos; e o debate semanal, no qual todos são sempre bem vindos, e discute-se todo tipo de assunto, desde receitas culinárias a questões filosóficas. A Ordem de Tanna-Toh, de modo geral, não se envolve com assuntos mundanos como casamentos, enterros e batismos; “que isso fique para aqueles que têm tempo para gastar – nós preferimos estudar!” é um dos lemas da Ordem.
A organização da Ordem é simples e direta. Os clérigos e paladinos mais velhos comandam templos, ensinando novos clérigos e paladinos, e expandindo o culto para os membros leigos. Estes últimos costumam fundar escolas, bibliotecas, museus, ou servirem como instrutores, completando o ciclo.

Professores, Clérigos e Paladinos da Mãe da Palavra

Os servos mais comuns de Tanna-Toh são membros leigos da Ordem da Sabedoria. Em geral, eles são professores, escribas e bardos. Todos estudam nas instalações da Ordem, por uma módica quantia, destinada à subsistência de todos os membros. Os estudos dos leigos podem ser iniciados em qualquer idade: o conhecimento pode ser adquirido a qualquer hora! Os estudos duram de um a quatro anos, dependendo dos conhecimentos que se pretende adquirir. Membros leigos não são obrigados a seguirem os votos dos clérigos e paladinos de Tanna-Toh, embora muitos o façam por amor à deusa. Com os estudos completos, um membro leigo pode conseguir excelentes empregos, ou mesmo abrir seu próprio negócio, como uma escola.
Para se tornar um clérigo ou paladino, as coisas não são tão simples. Todos os anos, nas escolas, os membros leigos da Ordem indicam os melhores e mais aplicados alunos aos clérigos do templo mais próximo. Estes clérigos visitam a casa dos possíveis candidatos, onde conversam com os pais das crianças, e com as próprias, geralmente utilizando-se de seu dons para conhecer a verdade e saber se a sinceridade já habita o coração da criança. Em caso positivo, sugerem aos pais que a criança pode servir à deusa do Conhecimento. A maioria dos pais aprova a ideia se a criança realmente tiver interesse, já que os clérigos de Tanna-Toh são extremamente respeitados.
As crianças que se decidem por seguir a deusa são levadas ao templo e educadas em todos os caminhos da deusa: estudos linguísticos, científicos e artísticos. Depois de um ou dois anos, já se sabe se o jovem seguirá a carreira de clérigo ou paladino; em geral, o próprio jovem faz a escolha.
A cerimônia de conclusão do treinamento geralmente é feita quando os noviços completam 18 anos e atingem a maioridade; eles recebem seu símbolo sagrado e devem cumprir uma primeira jornada sagrada em busca de algum conhecimento ainda obscuro.

Embora tenha-se falado apenas em clérigos e paladinos, a deusa Tanna-Toh tem um número bastante igualitário de mulheres e homens em suas fileiras, sendo bastante progressista nesse sentido.

 

A imagem de capa é uma foto de autoria de Jessie Roth.

About Álvaro "Jamil" Freitas

Jamil, o único kender de Arton (druida 11, Neutro), descobriu que tinha um alter ego humano em outro plano de existência, chamado Álvaro Freitas (ranger 3/ladino 4/bardo 5, Neutro e Bom). Eles volta e meia aparecem como convidados especiais em crossovers.