Surpresos ou Indefesos?

Em uma das antigas Receitas Caseiras, em que falávamos sobre como utilizar de um recurso que, na minha opinião, torna o combate bastante dinâmico — o contra-ataque. E no meio do desenvolvimento do texto, me veio uma dúvida em mente. Quais dos dois fatores, Alvo Surpreso ou Alvo Indefeso, é pior? Como estava sem manual, um dos nossos fiéis leitores nos sinalizou que, de acordo com o sistema, ambos tem o mesmo efeito mecânico. Resolvi então dar uma “mexida” com isso, e você pode conferir clicando para prosseguir e ver mais uma de nossas receitas caseiras.

Para começar demos uma olhada em como o manual descreve as condições:

Alvo Indefeso

Às vezes um personagem não tem como se defender ativamente: por exemplo, se estiver amarrado, paralisado, pendurado à beira de um penhasco, dormindo, desmaiado, ou apenas surpreso. Nestes casos ele será considerado indefeso. Sua Habilidade não é levada em conta para calcular a FD, e ele também não pode rolar 1d; sua única FD será apenas pela Armadura.

Alvo Surpreso

Uma das formas mais eficientes (e menos honradas) de atacar alguém é fazendo uso do elemento surpresa. Um oponente surpreso é considerado indefeso, podendo usar apenas a Armadura em sua FD.

Vou apoiar o meu cajado aqui e...

 

Notaram a diferença? A primeira desconsidera a Armadura, a segunda considera somente a mesma Armadura. Da primeira vez em que li, interpretei da seguinte forma:

Alvo Indefeso: FD = 1d + H; FD = A;

Alvo Surpreso: FD = A; FD = 1d + H;

Um personagem indefeso surpreso não poderia usar a sua defesa natural (armaduras, pele, escudos), afinal, ele está incapacitado de se defender, portanto, somente considera-se a Habilidade, mais um dado de sorte, né? Vai que passa de raspão?!

Outrora um personagem surpreso indefeso, como diz no próprio texto do manual, vítima de uma emboscada, ou de um ataque de covardia, somente teria a sua própria Armadura natural para se defender. Sem esquivas ou recursos de habilidade. Sem sorte.

Em minha concepção enquanto lia o manual (desde a época do Revisado, Ampliado e Turbinado), era assim a forma certa de se interpretar. O jogo fluiu bem aplicando as regras desta forma. Os jogadores tornaram-se cada vez mais cuidadosos em florestas escuras, ou em desfiladeiros, onde poderiam ser alvos de uma emboscada, ou ainda em cidades com uma população muito grande, com medo de uma punhalada pelas costas (eles não eram tão queridos assim…).

Sem contar que, o personagem tem um trabalho um tanto trabalhoso para chegar até o alvo, passando por testes por furtividade e tentando escapar da percepção do inimigo, que, percebendo o perigo se espreitando, não hesitará em fazer um grande alarde por conta da situação. Esta regra caseira acaba de vez com essa “quase injustiça” por conta das regras normais do sistema.

Mas regras caseiras, são regras caseiras, e você não precisa as seguir. Este é o propósito da coluna Receita Caseira. Comentem o que acharam da regrinha, e se em suas mesas já passaram por esse esquema, ou mesmo a forma como interpretam normalmente.

Não deixe também de enviar sua Receita, para [email protected]. Vai que sua regra caseira se torna referência para muitos mestres do Brasil? Até a próxima!

Imagens por: Ralph Horsley, Mzag

Você pode gostar...

4 Resultados

  1. Eu acho que seria exatamente o contrário. Cito a última frase da descrição de Alvo Indefeso que tu colocou aqui: “Sua Habilidade não é levada em conta para calcular a FD, e ele também não pode rolar 1d; sua única FD será apenas pela Armadura.”
    Se a Habilidade não é levada em conta, e nem se rola 1d, então sua FD (que é composta de H + A + 1d) fica reduzida apenas a Armadura. O que é racional: alguém indefeso não pode agir e já não tem sorte por estar sendo atacado em tal situação. Então a Habilidade representaria a sua capacidade de agir defensivamente e o Dado sua sorte.
    E como estar Surpreso é uma condição menos grave que estar indefeso, acho mais sensato considerar a FD apenas como FD=A+1d: Armadura representando as defesas naturais, que não há como ignorar normalmente; e o 1d representando a sorte no momento do ataque, seja pelo inimigo errando o ataque ou atingindo o ponto menos vúlneravel de sua armadura.

    • Lipe disse:

      Bem lembrado Rodrigo, eu havia trocado as bolas, mas já consertei.
      Quanto a questão do alvo surpreso com FD = 1d + A, eu particulamente considero apenas o reflexo + a sorte do defensor. Em uma emboscada o atacante sabe o ponto certo de onde atacar seu oponente, e citando um exemplo, um ataque pelas costas… só teria o reflexo para defendê-lo.
      Pensando melhor, poderia ficar a cargo do mestre, dependendo da situação. Ou rola 1d + H (uma avalanche surpresa) ou 1d + A (uma punhalada pelas costas). OU ainda somente 1d (uma punhalada pelas costas após uma avalanche surpresa), quem sabe…

  2. Kuro disse:

    Eu sempre considerei Indefeso=A, e Supreso=A+1d, sempre achei muito sem noção Indefeso e Supreso usar a mesma regra no 3D&T…

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: