Os agentes da liberdade chegam antes

A estratégia comercial da Jambô Editora para o Mutantes & Malfeitores começa a ficar mais evidente com o próximo título a ser lançado: Agents of Freedom. Depois de uma pequena polêmina no fórum da editora sobre o livro precisar ou não do cenário Freedom City para funcionar, Guilherme Dei Svaldi fez alguns comentários concisos por e-mail (destaquei o que achei mais interessante em negrito).

A moral, muito resumidamente, é que:
1) Agents of Freedom NÃO precisa de Freedom City, assim como a Trilogia do Fogo das Bruxas não precisa do Guia de Personagens dos Reinos de Ferro;
e
2) Nossa idéia com M&M é oferecer um jogo de RPG com regras versáteis e boas para qualquer estilo, cenário e gênero. Em outras palavras, a idéia é que M&M ocupe o nicho de GURPS, já que a Devir abandonou essa marca. Por isso vamos lançar suplementos de gênero, começando com Agents of Freedom, que serve para campanhas modernas de espionagem e ação.

Mais uma vez, a Jambô mostra que não dá laço sem nó, apesar da estranheza inicial dos fãs. Faz sentido, levando em conta a boa vendagem do livro básico de M&M, abrir o leque de prováveis compradores dos suplementos. Essa característica adaptável do sistema, aliás, me lembra o 3D&T. Assim como M&M, ele surgiu primeiramente para um gênero específico e acabou sofrendo adaptações e adições que o transfomaram em um sistema genérico em última análise.
Só que 3D&T nunca poderia assumir o nicho de GURPS como a Jambô agora aposta que M&M pode. E é bastante provável que possa mesmo. M&M divide muitas semelhanças com GURPS. Ambos são essencialmente simples mas com potencial para resolverem situações complexas, embora o primeiro tenha soluções mais arrojadas e modernas comparadas com a 3ª edição de GURPS publicada no Brasil. O que é de se esperar ao comparar um sistema publicado na década de oitenta lá fora com outro com poucos anos de vida.

Nume Finório

Você sabe quem eu sou.

Você pode gostar...

17 Resultados

  1. GJKnight disse:

    Eu quero! E estou esperando ansiosamente…

  2. tarmann disse:

    Eu quero! E estou esperando ansiosamente… [x2]

  3. Zohar disse:

    Ainda acho um tiro no pé. Sea proposta era lançar livros de cenário pq não começar pelo principal, q é o Freedom City.

  4. Arquimago disse:

    Como já disse, eu quero! [x3]

  5. Johnny disse:

    Huahuahuahuahua!

  6. Guilherme disse:

    Oi Zohar,
    A idéia não é livros "de cenário", mas sim livros de gênero. Agents of Freedom ajuda a criar campanhas de vários estilos dentro do gênero ação: desde uma campanha urbana de policial à lá filmes do Bruce Willis até campanhas de super-agentes como James Bond ou Jack Bauer. É um livro extremamente útil, ainda mais considerando que atualmente no Brasil não há muitas opções para esse tipo de jogo.

    • Shido disse:

      Tá aí uma boa idéia. O último título focado em ação de que me lembro é o (como já diz o nome) Ação!!! — salvo ele, só se tem títulos de fantasia para o sistema d20. Mesmo tendo sido o M&M concebido para rodar jogos de super-heróis, ele é suficientemente maleável para quaisquer outros gêneros (guardadas as limitações do d20). Tanto que, lá fora, já tem o Warriors & Warlocks (que usa níveis de poder mais baixos do M&M para se adequar a jogos de fantasia heróica) e, em breve, o Mecha & Manga.
      (Ainda que, por mais bacanas que sejam, não saberia dizer se esses títulos merecem prioridade, já que fantasia e animê — com o 3D&T, 4D&T, BESM d20… — possuem títulos em abundância.)

    • Zohar disse:

      Guilherme, tudo bem, sua opinião. Só acho q tem livros q a galera tem pedido muito e q não estão tendo a atenção merecida (Ultimate Power e Freedom City me vem à cabeça). Aliás, quem faz a seleção de qual livro vai ser traduzido? É uma pessoa só?
      Adoro a Jambô e com certeza comprarei o Agents of Freedom já q curto o sistema, mas em tempos de crise talvez a decisão mais acertada fosse jogar no time q está ganhando, ou seja, traduzir primeiro os suplementos mais populares e depois de acimentado o publico alvo, os suplementos menores.

    • Zohar disse:

      E só complementando Guilherme, NO PRÓPRIO LIVRO é dito q o Freedom City é necessário, conforme informa o trecho abaixo:
      "How to Use This Book
      Agents of Freedom requires the Mutants & Masterminds Second Edition rulebook, the FREEDOM CITY Second Edition sourcebook, a 20-sided die, and a cadre of enthusiastic players. Some sections of this book recommend
      options from the Mastermind’s Manual; however, it is possible to use this book without directly referencing that volume."
      Ou seja, o mestre de jogo vai er q adaptar TODAS as agências se quiser utilizar o livro sem o Freedom City.

      • Rafael disse:

        Oi Zohar,
        No forum da Jambô postei um texto um pouco longo sobre as razões pelas quais escolhemos o Agents of Freedom para agora. O texto é meio compridinho para colocar aqui, mas vai lá e confere em http://www.jamboeditora.com.br/forum/viewtopic.ph
        Quanto às agências, não há necessidade de muita adaptação. Essas agências são justamente exemplos de arquétipos muito comuns em espionagem. Embora os livros de gênero de M&M sempre tragam alguma referência a Freedom City, isso é feito na forma de usar esse material como exemplo de ícones do gênero (caso contrário, toda a linha de M&M estaria condicionada ao uso do livro de Freedom City, e isso não ocorre nos EUA).
        Abração!

  7. Moreau do Bode disse:

    Já eu acho uma opção acertada da Jambô. Depois de lançar dois "livros de peso", o bom seria mesmo lançar um livro mais light.

  8. Nameless disse:

    Por falar em Ação!!!…
    Nume, você não vai colocar o conto vencedor do Valberto?
    Foi mal estar insistindo nisso. É que o "Com amor, Emily" foi tão bacana e legal de ler que acabou criando uma expectativa de o outro ser tão bom quanto!

  9. Moreau do Bode disse:

    @Tek, eu te pago um toddynho quando for no EIRPG + Anime Friends

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: