Sexo, Drogas e Super-Poderes

Algum tempo antes do lançamento do maravilhoso Hero High, eu resolvi mestrar um jogo de super-heróis adolescentes tendo como palco uma escola secundarista no estado da Califórnia, a Venture High (um dia ainda posto ela aqui). Infelizmente ele terminou prematuramente. Mas o tema, super-heróis adolescentes com vida acadêmica, ainda me interessa bastante.
Em função disso resolvi fazer uma pesquisa extensa (leia: usei o Google) e aliar isso às minhas experiências prévias para poder soltar algumas dicas para vocês, mestres de Mutantes & Malfeitores interessados numa campanha onde o palco principal será uma instituição de ensino secundarista. Espero que este post seja apenas o primeiro de uma série.

X-Men: Evolution, como se o X-Men normal já não tivesse drama o bastante...

X-Men: Evolution. X-Men + High School. Claaaaro! Porque X-Men já não tem drama o bastante...

Segundo Grau vs High School

A High School, tão explorada nos enlatados que tanto gostamos de assistir na TV – tá, poucos gostam dos enlatados, mas os filmes são legais! – é o equivalente dos EUA para os nossos colégios de Segundo Grau. Apesar de ter algumas semelhanças, como alunos, professores, paredes, portas e em alguns casos até mesmo janelas, ambas instituições promovem uma experiência de ensino bastante diferente: os horários são diferentes, as separações das séries, a forma de encarar as panelinhas, a preparação para a vida adulta. E tudo isso influi na forma como é possível abordar alguns temas (como panelinhas, trabalho fora do horário de aula, vida normal vs vida de super-herói) dentro de jogo.

Lá fora você é um herói dos grandes. Na escola você é só um grande panaca.

Lá fora você é um herói dos grandes. Na escola você é só um grande panaca.


Então, vamos primeiro dar uma olhada em algumas diferenças entre nossos colégios de segundo grau para as high schools e daí partir para a criação de um cenário de high school ficcional onde há protagonistas com poderes cursando a escola.

O Plano Quadrianual

Para chegar na High School o aluno precisa passar por oito séries escolares razoavelmente similares às nossas. Entretanto, quando ele alcança a 9ª série (o equivalente no nosso 1º ano do ensino médio), a coisa começa a mudar bastante.
O estudante, normalmente com o auxílio de um orientador, cria uma planilha elaborada com as aulas que ele terá pelos próximos quatro anos, e que será o foco de seus estudos neste período. Esta cartilha se chama Plano Quadrianual e é elaborada com base nas expectativas do estudante em relação à sua possível futura carreira e seus interesses para a vida pós ensino secundarista. A idéia é dar ao estudante uma noção do que ele precisará fazer para conseguir seguir para sua carreira desejada e ter certeza de que ele estará pronto para seguir seu caminho quando o período do High School terminar. Claro, esta cartilha pode ser alterada anualmente, de acordo com as mudanças de interesses do aluno.
Num jogo de Mutantes & Malfeitores isso pode ser um tema a ser explorado. Quão seguro está o personagem do trajeto que está sendo planejado para sua vida? Como seus super-poderes podem afetar este planejamento? Ele já tinha poderes quando fez o plano? Ou o surgimento súbito de super-poderes mudou suas possibilidades para a vida pós-High School? De repente seus poderes despertaram um talento para alguma carreira específica, ou alteraram seus interesses de forma a afetar bastante seu futuro. Ou quem sabe eles impedem que seu personagem alcance determinados objetivos.
E ainda há toda a parte da reação dos pais, que não é própria deste tópico, mas pode ser bastante influenciada caso os poderes comecem a afetar o plano quadrianual de seu querido filhinho.

E a Nona Série

No lugar de reiniciar a contagem, como acontece no Brasil, quando os estudantes passam da oitava série, eles simplesmente vão para a nona. Ela é um período de grandes mudanças. É o início do contato do jovem (normalmente com 14 ou 15 anos) com o ambiente hostil das High Schools. Ele será conhecido como freshman (novato), e muito da atitude que ele demonstrar neste ano definirá a reação de seus colegas com ele pelos próximos anos.
Isso gera muita estranheza, e é comum ver amigos mudando radicalmente de atitude para tentarem ser socialmente mais aceitos. A reputação é cara e exige manutenção dentro do mundinho da High School. É perfeitamente normal perder amigos nesta transição. Amigos que podem mais tarde aprontar para cima de você em troca de aprovação social por parte dos grupos aos quais ele quer agradar.

Não importa quantos bilhões o governo americano tem de gastar para conseguir desenvolver uma arma capaz de te machucar. Seus pais vão se preocupar quando você não chegar na hora.

Não importa quantos bilhões o governo americano tem de gastar para conseguir desenvolver uma arma capaz de te machucar. Seus pais vão se preocupar se você chegar tarde em casa.


Em função de seu plano quadrianual ele terá aulas diferentes de muitos de seus amigos de turma. Aliás, ele sequer terá uma “turma”, apenas colegas que fazem algumas das mesmas aulas nos mesmos horários que ele. Talvez por isso os alunos das High Schools prendam-se de maneira tão mais ferrenhas às suas panelinhas (vou tratar deste assunto noutra ocasião).
Num jogo de Mutantes & Malfeitores o período da nona série pode ser explorado por todo o anseio por novidade que toma o estudante que está para ingressar na High School. Este período marca uma mudança grande na vida de qualquer jovem, e se você ainda adiciona super-poderes no pacote, é possível ter muito material para lidar se você não liga de ter um pouco de drama adolescente em seu jogo (e assumo que não ligue, já que é parte bem ligada à proposta de super-heróis adolescentes no colégio). Uma receita já bem gasta é a de contrastar grandes êxitos na vida de super-herói com grandes decepções na vida acadêmica (e não falo apenas de notas, mas sim de toda a vida dentro da escola). Outra opção interessante é trabalhar com o personagem que é o único do grupo de amigos (ou até do colégio!) que não desenvolveu super-poderes até agora e por isso tem de enfrentar o preconceito de seus colegas – além de colocar seus amigos numa situação bem desconfortável, de terem de escolher entre andar com as pessoas populares ou com o mané sem poderes que sempre foi amigo deles.
Claro, há muitas outras possibilidades dentro deste cenário de introdução à High School. Como os abusos dos alunos mais velhos sobre os novatos. Ou até mesmo a sensação de alienação por ter mudado de escola (principalmente se o estudante veio de outra cidade). No geral, a minha recomendação é dar maior ênfase ao sentimento de mudança. E lembre-se: o personagem tem entre 14 e 15 anos, então pode estar passando por mudanças físicas bem desconsertantes, como mudanças de voz, surgimento de pêlos fora do topo da cabeça, crescimento súbito (tanto em estatura quanto de partes do corpo), início da menstruação. Explore isso!
Por enquanto é só. Me diga nos comentários o que quer que eu aborde no próximo post sobre o assunto.

Leitura Recomendada

  • Homem-Aranha Millenium – Publicado no Brasil pela Editora Panini
  • Invencível – Publicado no Brasil pelo Estúdio HQM

Referências

Você pode gostar...

13 Resultados

  1. Tek disse:

    Seria legal discutir como alguns estereótipos escolares se relacionam com os arquétipos de personagem.
    Tipo: o fortão jogador de futebol americano (que poderia ser o capanga de algum super-vilão), a atlética líder de torcida (que poderia ser do grupo dos “mocinhos”), o recluso primeiro lugar da turma (que poderia fornecer equipamento para os dois lados) etc.

  2. Gabriel disse:

    Mas sabe que isso não chega a ser um padrão, Tek? Uma série que foge legal nisso é Dynamo 5 da Image. Neles, o fortão jogador de futebol se descobre um telepata, e a guria gótica que é a powerhouse do grupo =D

  3. valberto disse:

    Eu gostaria de ver desenvolvido mais a questão de como os poderes afetam a sociedade. Num cenário como X-men Evo nem é tanto assim porque todo mundo é mutante, mas num Get Real High School como lidar com o preconceito de quem tem e de quem não poderes.
    Eu joguei uma vez uma mini-campanha com uma versão do Superboy sem todos os poderes. Mas a grande diferença é que não teve Marta e Jonh Kent para fazer o escoteiro azul. Negro, criado no trailer de um tio e com fama de esquisito, os poderes de Tyrell desenvolveram-se no nono ano, de onde ele passou de negrinho esquisito para estrela dos esportes.

  4. CF disse:

    @Tek: Calma que eu chego lá. Já mapeei as panelinhas clássicas. Mas antes quero terminar a parte de comparação dos colégios brasileiros com as high schools americanas.
    @Gabriel: Dynamo 5 ruleia. Pretendo ler assim que me atualizar com The Astonishing Wolfman, que por sua vez iniciarei quando terminar de ler os últimos oito números de Invencível.
    @Valberto: Pois é a próxima. Ia mover para a 10ª série e abordar questões de alunos com 16 anos (alguns largam a escola, outros tiram licença de aprendiz para dirigir). Mas vou deixar para mais para frente justamente por não ter abordado ainda esta parte da mudança de vida fora da esfera acadêmica (e explicar o simbolismo que torna a High School tão atraente para histórias de heróis jovens).

  5. Tek disse:

    Podia falar de Sky High.

  6. CF disse:

    Uma campanha estilo Sky High já é extensamente discutida no Hero High.

  7. Tek disse:

    Uma vez eu vi uma chamada de um desenho na Jetix/Nick/sei lá de uma escola “vertical”, tipo um prédio com vários andares.
    Acho que rolava supers, vou pesquisar.

  8. Agarie disse:

    relamente, acho interessante trabalhar com esse preconceito ocm relação a mutantes/não mutantes em artigos futuros, cabe aqui inclusive uma recomendação de série para leitura caso você não conheça…NYX(Nova York X) sobre um grupo de adolescentes e talz e como os poderes deles afetaram suas vidas, com enfase na personagem principal…Como um jovem com super poderes encara as coisas de maneira diferente dependendo de sua criação…bem…em todo caso é necessário olhar esse aspecto

  9. CF disse:

    Boa recomendação. Não conhecia esse NYX. Vou dar uma pesquisada a respeito.

  10. Agarie disse:

    é muito bacana e não é uma série grande pra se ler…fora que quando ele diz “você já dançou entre os pingos da chuva?”, vc pira”^^
    anyway, se você puder ler Runaways também acredito que seja uma boa…o mote é um grupo de adolescentes tbm mas o foco é um pouco diferente…de uma maneira bem resumida todos eles tem superpoderes/habilidaes/qlqr cois do tipo…só q seus pais são todos vilões e eles fogem de casa e meio que combatem os pais…é bacana pra dar uma antenada nesse universo…

  11. Agarie disse:

    boa fonte de inspiração também são os quadrinhos clássicos dos X-men e como cada um deles se encaixava na escola…A moça bonita que no fundo não é vazia e acaba ficando com o cara estranho, o atleta, o rejeitado, o cara comediante…

  12. d.darkangellus disse:

    Bem,aparentemente,já foi decidido o futuro artigo,por isso,vou ficar aguardando os demais.
    Abrçs e Bons Jogos.

  13. Heitor disse:

    Matéria bem legal. Aguardo a próxima.
    Mas fugindo do âmbito “supers+high school” e mudando só para o high school, esta matéria explica bem as alienações norte-americanas, assim como o motivo da passionalidade deles não chegar nem à metade da nossa (sem contar quando é nula). E passionalidade é algo que, eu acredito, não deveria ser trocada por nada, nem por uma puta chance de sucesso na vida.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: