#RPGaDay 2017, dia 1: Qual RPG publicado você gostaria de estar jogando agora?

Chegou o mês de Agosto, e com ele, a celebração anual do #RPGaDay, para comemorar todas as coisas legais e memoráveis sobre o nosso hobby.
A pergunta de hoje é:
What published RPG do you wish you were playing right now?
(Qual RPG publicado você gostaria de estar jogando agora?)
E vou apresentar duas respostas: uma com um RPG internacional e outra com um nacional, porque acho que assim eu ajudo a celebrar a parada de uma forma mais completa. Vou tentar manter esse padrão sempre que possível.

RPG Internacional: Dresden Files RPG

Dresden Files RPG


Sinto que estou numa ânsia por um jogo legal de fantasia urbana já tem um tempo. Humanos ou seres sobrenaturais disfarçados de humanos lutando contra catástrofes vindas de outro mundo ou apenas tentando retardar a sua queda – seja a danação de sua alma, a perda de sanidade ou qualquer outro desses fins piores que a morte comuns no gênero. E o Dresden Files oferece tanto o sistema (Fate) quanto o clima perfeitos para esse tipo de história – um pouco de ação, suspense, investigação e humor. Aliás, sinto a minha cópia do Summer Knight (quarto livro da série Dresden Files) me encarando da prateleira enquanto eu escrevo isso.
O Dresden Files RPG é um jogo bem foda, que descreve um mundo onde o sobrenatural existe e é, até certa medida, bem às claras. Mas a maioria das pessoas simplesmente não acredita nele. Numa pegada meio MiB, há até jornais que publicam a respeito de acontecimentos sobrenaturais, mas as pessoas não dão atenção a eles, julgando serem meros tablóides que inventam as coisas para ganharem público. O jogo se baseia na série de romances de mesmo nome, escrita por Jim Butcher, que acompanham Harry Dresden, um feiticeiro detetive particular que também atua como consultor especial para a polícia. Infelizmente, aparentemente, só o primeiro volume da série foi lançado no Brasil, sob o nome “Arquivos Dresden“, se não me engano. E o jogo, lançado pela Evil Hat, nunca foi publicado no Brasil.

RPG Nacional: Era do Caos

Era do Caos


Mantendo o clima de sobrenatural contemporâneo, o Era do Caos foi um jogo lançado nos anos 90 e com toda aquela pegada “fim dos tempos” comuns aos jogos de fantasia urbana lançados naquela época. Nele, o mundo estava alguns anos no futuro (ou no passado, se bem me lembro é nos primeiros anos deste século), sendo dominado pelos bastidores por um grupo denominado Elite, porém com muito mais pobreza, miséria e pessimismo, e sem as tecnologias avançadas que se espera de uma história de futuro próximo.
Lançado pela finada Akritó Editora, esse jogo tinha um clima bem legal e um sistema que eu não recordo muito bem, mas lembro que não curtia muito. Uma coisa bem legal dele é como os seres sobrenaturais eram bastante regionalizados. Havia, inclusive, um suplemento chamado “Lendas” que trazia para o jogo criaturas como o boto, homens jaguatirica, sacis e tantos outros, dando a eles todos o elemento da adaptação urbana que torna esse gênero tão legal.
E você? Tem algum RPG que gostaria de estar jogando? Talvez um jogo já velho e adorado. Ou quem sabe um jogo diferente, do qual apenas leu a respeito. Comente aí.
Eis a tabela das perguntas do #RPGaDay deste ano:

Nos vemos amanhã! 🙂

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Eu gostaria de poder ter jogado o RPG ” Kriptus : O Imperio da Magia ” da finada Mitsukai Editora que era para ter sido um cenario de fantasia medieval epico num mundo onde graças a um ritual profano realizado por um Elfo Negro , um Lorde do Caos e um Dragão Negro os Deuses perderam todo seu poder de influenciar o mundo , eles quando se manifestavam na forma de Avatares só podiam conservar uma fração infinitesimal de seus poderes e apesar de continuarem sendo tão poderosos quanto Arquimagos nem de longe se comparavam ao poder que tiveram . Pior . Eles não podiam mais conceder poderes a servos divinos então os Clérigos e Paladinos perderam todos os seus poderes , magias divinas e poderes garantidos o que permitiu a ” Triade Negra ” formada pelos tais Elfo Negro , Lorde do Caos e Dragão Negro dominarem o mundo. Kriptus era para ter sido um cênario de fantasia grandioso que colocaria o mundo de Eberron no chinelo com steamfantasy como navios voadores , carruagens a vapor , ” mechas medievais ” estilo os de ” The Vision of Escaflowne ” , ” trajes simbiontes pessoais ” no estilo da Unidade Guyver , Magia , Poderes Psiquicos e Poderes do Ki como as três grandes forças que dominavam aquele mundo , raças exoticas como Elfos do Fogo ( era para eles terem tido um Reino de Minotauros que reduziria Tapista a insignificancia que era para ter sido baseado na Grecia Antiga mais especificamente em Esparta que teria Minotauros tão fodões como Guerreiros quanto os Espartanos de ” 300 ” que constituiam a Guarda do Principe Leonidas que dariam o maior cacete nas Legiões Tauricas Tapistanas do mesmo modo que os Espartanos sentaram o sarrafo nos Persas com Minotauros Fêmeas tão duronas quanto os machos sem essa de ” Ah só existem Minotauros Machos ! Temos que escravisar os outros povos para garantirmos nossa sobrevivência com escravas humanas ou humanoides para nos reproduzirmos ! É essa a vontade do Deus que nos criou ! ” e onde os Minotauros acreditariam no mesmo conceito dos gregos antigos da ” Democracia ” ou ” Governo do Povo ” onde todo cidadão do mais alto nobre ao mais humilde servo teriam absolutamente os mesmos direitos e nesse reino de Minotauros a sua Divindade Regente era para ter sido uma Deusa equivalente a ” Pallas Athena ” a Deusa da Sabedoria e da Guerra dos Gregos Antigos só que obviamente numa ” versão Minotaura ” supondo que Pallas Athena pudesse ser imaginada como uma ” Divindade Minotauro Fêmea ” ) , armas de fogo magicas como pistolas , espingardas e canhões , Chakrams como armas para os aventureiros que poderiam inclusive jogar até mesmo com servos dos Dragões que naquele cênario eram as criaturas mais poderosas . Kriptus foi originalmente apresentado no livro ” Gênesis A Origem dos Dragões ” que chamava a atenção pela bela arte pintada de Claudio Muniz seu autor e trazia um sistema de RPG proprio chamado ” UTOPIA RPG ” que não me agradou muito por isso mesmo pensaram em refazer tudo e lançar pelo D20 System que na epoca com o D&D 3ª Edição estava monopolizando o mercado de RPGs aqui no Brasil porem o livro jamais chegou a ser lançado … Aconteceu um desentendimento serissimo entre a Manticora Editora que iria lançar o livro com Kriptus : O Imperio da Magia em versão impressa com arte de encher os olhos digna de um grande livro de D&D com o autor Claudio Muniz e o projeto naufragou e até hoje esta na lista dos grandes projetos de RPGs Brasileiros que jamais chegaram a se realizar . Uma pena eu realmente teria adorado ter esse livro porem não deu … E até hoje tem uma comunidade de pessoas no facebook que sustentam a esperança vã de que o livro seja lançado numa versão pdf gratuita para todos baixarem sendo que o próprio Claudio Muniz já desistiu a muito tempo de tentar lançar esse livro . Realmente triste mas nem tudo que a gente deseja acontece …

  2. Alexandre disse:

    Eu queria estar jogando D&D 5E mesmo.
    Agora, se você não curtia tanto o sistema do Era do Caos, por que selecioná-lo?

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: