Baú do Tesouro 01

Uma das coisas que eu acho particularmente engraçadas em jogos de RPG é a possibilidade de acumular tralhas das mais variadas origens e a forma como estas ganham um valor quase sentimental para nossos personagens. Mesmo o item mais desprovido de importância em nosso dia a dia (como uma colher, por exemplo, ou um calçado velho) recebem um status de “posse” nas fichas de nossos personagens.
Diabos, chegamos ao ponto de chamar estas velharias que encontramos em masmorras de tesouros!
Pensando nisso (e inspirado pelas ótimas ilustrações produzidas por Sam Bosma e traduzidos por Gabriel Barboza) vamos dar origem a uma “micro-série” de matérias sobre itens diversos com os quais você pode deixar as coisas mais divertidas em sua mesa de 3D&T Alpha, que é a minha prata da casa. A princípio, estes itens seguirão as regras para Equipamentos vistos no livro Mega City. Contudo, também mostrarão seu custo em PEs caso o mestre deseje usá-los como premiação final pela conclusão de alguma aventura (e, desta forma, não restringindo seu uso através de Munição Limitada).
Por motivos de pura conveniência as histórias dos artefatos foram ambientadas em Arton.
A Espada Bastarda +1

Contam os boatos de que há alguns anos viveu em Tollon um lenhador chamado Jhoan Rodahnel, capaz de derrubar qualquer árvore com apenas três golpes de seu grande machado, tamanha era sua força e habilidade com esta ferramenta. Durante as Guerras Táuricas, seu vilarejo foi sitiado pelos minotauros tapistanos. Jhoan lutou ativamente contra os invasores, mas acabou vencido e teve que assistir, impotente, aos escravagistas levarem sua mulher e filhas. Após recuperar-se dos ferimentos, Jhoan entregou seu machado ao ferreiro local e ordenou que seu aço fosse reforjado em forma de espada. Com ela, da mesma forma que no passado havia derrubado árvores, Rodahnel passou a ceifar minotauros através das florestas do Reino da Madeira. E fará isto até o dia em que puder reaver sua família, na vida ou na morte.

Equipamento: F2, Inimigo (Minotauros), Fortalecer* Custo: 5 Pontos de Equipamento.
Item Mágico: Arma+1, Anti-Inimigo. 20 PEs

Vantagem vista em Mega City, pág.43

Grimório

Este velho tomo de papel escurecido pelos anos e repleto de anotações quase ilegíveis (e em grande parte, completamente desprovidas de lógica) é um repositório de magias que pertenceu a bruxa Hangpharstyth, uma das mais antigas arquimagas que se tem notícia em Arton. Conta-se que seu poder era superior até mesmo ao poderoso Talude, o mestre máximo da magia. Verdade ou boato, de fato o Grimório confere alguns poderes estranhos aos seus possuidores. Àqueles que se aventuram a ler suas páginas se beneficiam de seus conhecimentos, mas também passam a caminhar no limiar da sanidade.

Equipamento: H5, Mentor e Assombrado (Hangpharstyth), Elementalista (Trevas)* Custo: 5 Pontos de Equipamento.
Item Mágico: Medalhão de Wynna – Trevas**; Garante acesso a novas 5 magias. Contudo, sempre que as utilizar uma destas, o mago deverá rolar 1d6. Um resultado 4,5 ou 6 anula  os benefícios do Medalhão até o final do combate (15 PEs).

*Não há a vantagem Elementalista para o caminho das trevas, a não ser através de kits de personagens do Manual do Aventureiro Alpha. Contudo, o Grimório “quebra” propositalmente esta regra, tal qual um kit faria.

** O Medalhão de Wynna “comum” apresentado no Manual Alpha confere a vantagem Elementalista para todos os seis caminhos. Por isso, custa pesados 6 pontos de personagem (ou 60 PEs). No caso do Grimório, o medalhão especificamente garante o mesmo benefício apenas para o caminho das Trevas, com 1/6 do custo normal.

Até o próximo domingo! =D

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: