Novo Aeon – Os Elfos de Nova Gaia

E aê pessoal! Fiquei devendo um artigo como este já tem um bom tempo, mas foi por nobres razões. O Guia dos Aventureiros de Nova Gaia está em produção, e junto com a carga de trabalho que peguei, outras prioridades acabaram surgindo. Mas chega de desculpas, vamos ao que interessa. O artigo sobre Novo Aeon hoje fala sobre os elfos de Nova Gaia, suas peculiaridades e outros fatores para tornar as aventuras com os “orelhudos” mais interessantes para sua mesa de jogo. E não pense que serão somente grupos e outros elementos narrativos. No fim da matéia, um kit de personagem inédito representa o a?ice da capacidade élfica, mostrando os maiores representantes da raça. Conheça um pouco mais dos elfos de Nova Gaia.
“Dentre todas as raças semi-humanas, os elfos foram os que ficaram mais chocados com o estado do planeta quando voltaram do exílio. Florestas sendo desmatadas, céus cheios de fumaça e mares poluídos. Vários perceberam que tais atitudes poderiam causar o fim de Nova Gaia e fizeram algo bastante incomum para uma raça longeva: agiram. Intimamente ligados natureza, alguns grupos élficos se espalharam pelo globo com o bjetivo de salvar o meio-ambiente de seu maior inimigo, a raça humana. Muitos se juntaram ao Greenpeace e outras ONGs ambientais, e há quem diga que alguns elfos se tornaram tão íntimos natureza, que podem controla-lá ao seu favor, se tornando os famosos e lendários druidas. (…) Ainda nesta questão ambientalista, existem grupos eco terroristas liderados pelos elfos, causando prejuízos a humanos e outros povos. Seguindo em outras direções, alguns elfos se tornaram professores, ensinando os humanos a conviver com a natureza sem destruí-la. Outros pesquisaram sobre a magia e a tecnologia para criar novas fontes de energia, sendo bem sucedidos em suas pesquisas e observações. (…) Embora ainda haja muito a se fazer, a natureza não está mais a beira do colapso como no inicio dos novos tempos. Não é necessário dizer que várias organizações poderosas vêem os elfos como empecilhos. Atualmente, os elfos vivem igualmente nas cidades e nas florestas. Embora muitos utilizem de tecnologia e armas de fogo em seus propósitos, alguns ainda usam espadas e arcos, como tradição. As maiores escolas de esgrima e arquearia do mundo muitas vezes possuem um elfo ou dois como professores ou mesmo fundadores. Porém, nem sempre estas tradições podem ser consideradas de boa índole, especialmente quando usadas por assassinos e foras-da-lei.”
– Novo Aeon – Guia Básico, Página 49
 
 

A História dos Elfos

 
Os Elfos foram uma raça discreta na Primeira Era. Habitantes da região Escandinava, muitas vezes eram confundidos com as fadas em aparência, e com os leprechauns prussianos em nome (naquela época, os asquerosos duendes-bruxos também eram chamados de elfos). Reclusos nas florestas, os elfos eram modestos, rústicos, criando uma cultura fechada e enigmática. Muitos acreditam que esse isolamento se deve a um certo orgulho: por viverem por séculos, algumas tribos antigas dos “orelhudos” se consideravam acima das pessoas normais, ainda que anões, halflings e até mesmo os humanos em tempos remotos possuissem a mesma longevidade. Outros já acreditam que sua reclusão se deve ao fato dos elfos serem super-protetores da natureza, e uma vez que seus poderes naquela época vinham principalmente das florestas e dos meios onde viviam, faziam questão de não mostrar os seus segredos para ninguém. Uma destas práticas gerou o grupo dos druidas, que na Segunda Era teve alguns humanos como representantes.
 
Cerca de dois séculos antes do grande exílio dos Semi-humanos, algumas tribos élficas decidiriam explorar o mundo, partindo em pequenas expedições para mostrar a glória de seus membros para outros povos. Talvez a mais marcante destas expedições tenham sido no antigo continente formado de matas densas que viriam ser a América na Segunda Era. Familiarizados e bem tratados pelos humanos de cultura bem diferente dos povos antigos, a expedição decidiu ficar permanentemente no continente, gerando as lendárias tribos dos Kavailens, os elfos indígenas. Outros conheceram os confins do impéio chinês e a sofisticação greco-romana, onde permaneceram até o Concílio das Raças.
 
Falando sobre a grande reunião dos povos para decidir o rumo da civilização de gaia, os elfos foram um dos que se manifestaram contra o exilo. Uma vez que eram sábios e longevos, eles se proclamavam os grandes escolhidos para a funções de guardiões do planeta. Contudo, seus membros não eram numerosos, e a ameaça crescente dos alaris, e dos lemurianos que vinham de terras distantes, mergulhariam o planeta em eterna escuridão, sem heróis o suficiente para defendê-lo. Os humanos, mais numerosos e capazes de fácil adaptação, foram escolhidos como os protetores, e os elfos, reconhecendo a minoria e o isolamento da raça com relação as outras no concílio, concordaram com a decisão, ainda que estivessem receosos de deixar seus lares nas terras frias do norte. Sem saída, a raça nobre, junto com todas as demais, foram para Dimensão do Exílio. Todas, com exceção dos Kavailens, que seguiram firmes, fortes e esquecidos pelos povos pelos séculos seguintes.
 
Na Segunda Era, os elfos encararam a dura realidade de formar alianças com as demais raças para se manterem vivos na estranha dimensão, que até hoje permanece um mistério sua origem para os seres excluídos em tempos passados. Seu principal inimigo, além do próprio orgulho, foram seus primos de pele escura, os Drows, que declararam guerra a todos os semi-humanos em busca do poder supremo. Conforme os séculos passavam, e as batalhas da aliança dos povos e os drows eram vencidas pelos primeiros, os elfos aos poucos deixavam seu orgulho de lado, tornando-se mais abertos sem esquecerem sua cultura e suas tradições, agora mais sofisticadas e voltadas para as artes, pouco valorizadas pelos nórdicos mas admirada pelos gregos, em quem se inspiraram quando parte de seus membros estavam no antigo mundo.
 
Com a vitória da aliança, e a peculiar redenção dos elfos negros, os elfos tradicionais ansiaram em voltar para Gaia. Alguns, ainda mais ansiosos, seguiram pelas outras dimensões, desbravando seus perigos em busca de novas artes e mistérios para adicionar sua cultura. Alguns acabaram sumindo, mudando para sempre sua fisionomia, e ganhando novos poderes (veja em Grupos Élficos). Outros preferiram criar novas artes dentro da dimensão do exílio, dentre elas destacando a arte da Esgrima Escalarte e os Ambientalistas, curandeiros que retiram energia do próprio lugar onde pisam. Com tudo tão avançado, já era hora de voltar Nova Gaia, e se espantarem com as mudanças tão repentinas que ocorreram a sua terra natal. Hoje, os elfos dividiram-se entre os que procuram se adaptar aos novos tempos, misturando sua cultura às novas artes tecnologicas e arcanas dos humanos; e os que preferem a antiga exclusão, voltando para as terras outrora escandinavas e agora outros lugares mais propícios, como o continente de MU e algumas florestas na Franaç e Itália, formando todo tipo de grupos (veja um pouco mais na descrição dos elfos no inicio deste post).
 

Terras dos Elfos

 
Assim como quase todas as outras raças semi-humanas, os Elfos perderam seus antigos lares, agora ocupados pelos humanos. Depois do estabelecimento de leis para todos os novos povos, a raça longeva permaneceu nos antigos territórios onde as antigas expedições na Primeira Era permitiram alcançar, a saber: noroeste da China, Grécia, França, Irlanda, Inglaterra e Alemanha. Como a expedição que foi para a América permaneceu por lá, formando os Kavailens, os elfos atuais ainda não fizeram contatos com o grupo, o que pode ser uma surpresa muito interessante. Nos países e regiões nas quais foram, os elfos espalharam-se em comunidades, misturando-se aos humanos locais, exceto os que voltaram para as florestas, onde em alguns lugares eles declararam seu território, acarretando em problemas diplomáticos.
 
Como maneira de representar os elfos perante as nações, em regiões onde haja uma população relevante do povo silvestre, é eleito um representante, denominado Arlam (homem justo entre os elfos), para tratar de assuntos diplomáticos, atuando como um embaixador de sua raça. Outros povos possuem maneiras mais hierárquicas de resolver assuntos políticos, mas os elfos foram os que resolveram esta parte de maneira mais simples, deixando a hierarquia interna como nos tempos de exílio, com os chefes de família no topo do poder, seguidos por um patriarca geral, chamado de Varshe (Pai do Tempo em élfico). Curiosamente, os Kavailens possuem uma organização parecida, mas sem longas tradições familiares, preferindo organizar-se em grupos e tribos, como os outros índios. Como os elfos estão espalhados principalmente pela europa, não uma “nação élfica”, e seus membros parecem estar satisfeitos com esta condição. Os Arlans costumam se reunir duas vezes por ano para discutir assuntos relevantes para o povo élfico, mas até agora nada que realmente possa prejudicar o equilíbrio politico, exceto pelas ações da Fúria Verde (veja em Grupos Élficos).
 

Os Grupos Élficos

 
Os elfos dividiram-se em vários grupos ao longo dos anos que se seguiram a Terceira Era, trazendo o conhecimento e aprendizado adquiridos durante o exílio. Dentre estes, alguns se destacam pelas suas características únicas, seja por habilidades naturais, traços culturais ou mesmo peculiaridades interessantes. Estes grupos élficos são apresentados a seguir:
 

Esgrimistas Escarlates

 
Criada pouco antes do regresso Nova Gaia, e aprimorada nas escolas de esgrima francesa, a Esgrima Escarlate é uma das escolas mais conhecidas de combate com sabre do mundo. Criada pelo elfo Avelky Riviere, um elfo de grande coragem e talentoso no uso dos sabres, a Esgrima Escarlate consiste em golpes ferozes com as espadas de fio fino, focando os pontos onde a circulação sanguínea é mais veloz, como nas pernas, coxas, e pescoço. Não costumam lutar com algum tipo de proteção. usando um rígido jogo de pés e movimentos fluidos para se esquivar de ataques. Apesar de ser considerada uma carnificina por alguns, a modalidade é admirada por muitos, principalmente os aventureiros que usam para encarar monstros e humanoides. Por incrível que pareça, há poucos elfos entre seus praticantes: uma vez que tira um pouco da graciosidade da esgrima ao atacar em pontos vitais, alguns abominam a modalidade, procurando maneiras mais sofisticadas e menos sangrentas de vencer. Os poucos elfos que praticam a Esgrima Escarlate são membros mais rebeldes, indignados com a situação de Nova Gaia, usando a técnica secular para enfrentar os perigos do planeta, e outras raças se for necessário;
 
 

Ambientalistas: a natureza em forma física


Abientalistas

Os elfos são muito ligados à natureza sua volta, usando seus poderes das mais variadas formas. Os druidas são os mais conhecidos, mas existe um grupo especial deles que não são versáteis como os clérigos da mãe natureza, mas usam seus poderes de uma maneira especial. Este grupo de curandeiros, elfos ou não, são conhecidos como Ambientalistas. Eles são conhecidos como curandeiros por usarem seus poderes de cura e proteção enquanto estão em ambientes naturais como florestas, vales, montanhas, pradarias e quaisquer outros onde não haja interferência urbana. Chegam a ser menos reclusos e ariscos do que os druidas, mas são andarilhos naturais, não fazendo prolongadas amizades e preferindo aproveitar o ar da liberdade. Elfos ambientalistas são bem simpáticos, lembrando os antigos bardos humanos da Segunda Era, mas qualquer agressão a natureza motivo de fúria para os mesmos, não tolerando uma desculpa até serem convencidos do contrário. Simpatizantes de movimentos contra a destruição da natureza são queridos pelos elfos deste grupo, podendo até permanecer em cidades pelo tempo necessário;
 

Fúria Verde

Este grupo de ecoterroristas é uma das maiores ameaças do mundo civilizado. Formado em sua maioria por elfos extremistas com a situação em que o planeta chegou, dominado por máquinas arcanas e aparatos tecnológicos. Decidindo fazer algo contra o mundo opressor que os humanos criaram, este grupo usa táticas de guerrilha e misteriosos poderes vindos da floresta para destruir usinas de energia elétrica, grandes geradores de energia arcana (por mais que tenham capacidades mágicas inatas, estes elfos também a condenam do mesmo modo) e quaisquer outros que destruam a vida natural de Nova Gaia. Em casos extremos, até mesmo conseguem entrar em um estado de fúria incontrolável, não tendo misericórdia alguma de qualquer um a sua vista. A Fúria Verde fora formada por elfos, mas após um tempo centauros, alguns humanos e halflings, que integram as fileiras a organização, planejando trazer Nova Gaia às suas origens;
 

Novos Druidas

Os druidas são um grupo de conjuradores especiais, usando os poderes da natureza de diversas formas para realizar seus feitos incríveis. Criada pelos elfos na Primeira Era na antiga região celta e continuada pelos humanos na Segunda Era, os druidas eram reclusos, enigmáticos, sendo considerados bruxos pelos povos nativos da região. Com a dispersão da magia na Terceira Era, os druidas, assim como os magos, perderam seu caráter mítico e profano, apesar de ainda existirem os que usam a magia para maus fins. Para reverter esta reputação que os druidas antigos receberam, alguns elfos passaram a disseminar os pensamentos e práticas dos druidas, tornando-se mais abertos às demais raças e costumes. Estes Novos Druidas estão conquistando a simpatia de todos, sobretudo de raças mais voltadas para a tecnologia como os Anões, os Gnomos e os Minotauros. Contudo, as raças mais silvestres, bem como druidas mais tradicionalistas, temem que as ações destes novos druidas sejam usadas para condenar permanentemente o planeta. Sabendo destes perigos, os Novos Druidas são cautelosos ao revelar seus segredos para qualquer um, não deixando de ser simpáticos com quantas pessoas forem possíveis;
 

Kavailens

A antiga tribo dos elfos indígenas encontra-se viva e poderosa mesmo nos tempos modernos da Terceira Era! Sobreviventes dos massacres às vilas dos índios pelos europeus, os Kavaliens peregrinaram ocultos pelo continente americano mesmo depois do exílio dos povos, encontrando nas práticas xamânicas dos tribos de pele de bronze o meio para suportar um mundo sem magia. Os Kavailens são o ápice da arquearia entre os elfos, conhecendo táticas mortais com o arco-e-flecha, além de grandes conhecedores dos espíritos, que enfrentaram arduamente em suas peregrinações. São quase bárbaros, uma vez que seus costumes tradicionais perderam-se com os anos na terra, substituindo e adaptando para as tradições indígenas. Até mesmo seus traços físicos mudaram: os Kavailens são robustos, possuindo cabelos de cores quentes e pele bronzeada. A estatura e outros traços tradicionais como as orelhas pontudas e altura delgada se mantiveram, mas esta a única semelhante entre estes elfos e seus irmãos europeus.
 

Elfos Elementais

Alguns elfos, antes de ir voltar para Nova Gaia, decidiram explorar outras dimensões, em busca de novos conhecimentos e artes para aprimorar. Por sua natureza mágica, eles conseguiram se adaptar com mais facilidade às dimensões elementais, onde não só conseguiram sobreviver à ele, mas se misturar ao ambiente, tornando-se ainda mais poderosos. Os chamados Elfos Elementais estão entre os maiores magos elementalistas de Nova Gaia, por conseguirem transformar seus corpos totalmente no elemento no qual a dimensão que chamam agora de casa os acolheram. Combinadas com as habilidades já latentes, este grupo especial vêm causando ao mesmo tempo admiração e temor entre os magos e elfos, por não saberem o que aprenderam durante o tempo nas dimensões.
 

Relações dos Elfos

 
Os elfos atualmente possuem uma relação curiosa com os outros povos de Nova Gaia. Por terem reações variadas com o estado do planeta, e antes dele mudarem certos costumes na Dimensão do Exílio, os seres centenários acabaram com comportamentos variados dependendo da região onde se encontram, como os humanos. Podem ser amantes e simpatizantes das artes encontradas nas nações em que se estabeleceram; ou violentos e extremamente orgulhosos em regiões onde a natureza é menosprezada como alguns estados dos EUA e Canadá.
De maneira geral, os elfos possuem boas relações com os humanos (o que pode ser visto com o crescente número de meio-elfos), centauros, fadas, halflings e quaisquer outras raças de meios silvestres, que respeitam o meio ambiente. Raças mais voltadas para lugares urbanos, tais como Anões, Goblinoides, Gnomos, Minotauros, entre outras, trazem um pouco de antipatia, a menos que estes mostrem uma opinião contrária ou diferente do que acreditam. Elfos detestam com toda força possível os Lemurianos e os Meio-Dragões. Os primeiros pela profanação que estes causam ao ambiente, e os segundos pela arrogância excessiva, traços que em épocas passadas ambos compartilhavam.
 

Aventureiros Elfos

 
Elfos se aventuram pelo mundo por motivos variados como os de outros povos. Mas geralmente, a razão principal é para demonstrar o poder e a importância deles no mundo conhecido. Os tipos de aventureiros resumem-se em guerreiros leves, que combinem rapidez e ataques fatais, como os famosos espadachins e esgrimistas; arqueiros e atiradores, uma rara exceção onde existem elfos usuários de armas-de-fogo; e magos arcanos, variando entre encantores, ilusionistas, e os tradicionais druidas. Muitos também são caçadores, integrando as fileiras de mercenários e ecoterroristas. Seja qual for a profissão escolhida, elfos quase sempre serão reclusos ou galantes, trazendo um ar de beleza nobre entre outros aventureiros.
 

10 Ganchos para aventuras

 
. A filha de um grande político élfico francês foi raptada, o que pode afetar as relações dos elfos com a nação européia. Cabe aos heróis resolver os dois problemas antes que uma revolta exploda;
. A Fúria Verde decidiu atacar uma das maiores usinas de energia arcana de Atlântida, tentando causar uma segunda explosão que gerou as Áreas de Magia Instável. Será que os heróis conseguem pará-los a tempo?
. Um membro dos esgrimistas escarlates desafia o lutador do grupo de heróis para um duelo formal, como meio de difundir a escola de esgrima. Será preciso tempo para treinar para a grande disputa;
. Os Novos Druidas convocam a ajuda dos heróis para salvar uma floresta na Noruega de ser desmatada, pois segundo eles, um poderoso Ente adormecido poderia causar a destruição de parte do país caso despertado;
. A guerra declarada entre uma tribo dos Kavailens e uma divisão da Armada em plena floresta amazônica. Os heróis deverão investigar as causas do conflito e elaborar uma resolução efetiva;
. Um mensageiro do Val-Holl, a dimensão pessoal dos deuses nórdicos, entrega aos personagens uma mensagem de Odin, que pede ajuda no resgate de um de seus campeões, um poderoso Elfo desaparecido nas terras do norte;
. Quando os heróis passam por um grande centro ambiental, acabam encontrando uma linda elfa, próxima da morte. Ela pede ajuda aos heróis para que salvem seus amigos antes que seja tarde, mas não entrega maiores detalhes;
. O arcanorum convoca o conjurador do grupo para treinar um misterioso elfo com capacidades mágicas naturais, e mais amplas que a média. Por ser misterioso e agressivo, a escola teme pela segurança de outros alunos, não tendo alternativa não chamando um tutor particular, e aventureiro;
. Um estranho grupo de elfos vindos da dimensão elemental do fogo tomou controle de um vulcão ativo na Itália, e ameaça destruir toda a nação da bota se não entregarem o governo para eles. O que os personagens farão?
. O elfo do grupo foi escolhido como o mais novo líder de um estado élfico dentro da Inglaterra. Até mesmo uma esposa fora escolhida! Os personagens terão de entender o que estacontecendo, e o elfo talvez concorde com o título se lhe convir.
 

Novo Kit: O Elfo Eleito

Requisitos: H2; Elfo
Função: Atacante
 
Sempre haverão pessoas especiais dentro de seus povos, com capacidades que vão muito além dos limites mundanos. Os chamados eleitos conseguem ir tão longe quanto, sendo a elite da própria elite. Este ser único pode surgir entre qualquer ser senciente, dos incultos orcos aos “normais” humanos. E os elfos não estão fora desta lista. O Elfo Eleito é um ser que conseguiu ampliar suas capacidades inatas além do extremo que um elfo normal poderia chegar. Sua visão aguçada torna-se ainda mais longeva; as artes com o sabre e o arco são ainda mais mortíferas, e seus poderes arcanos são ainda mais poderosos. Quer seja um mago, caçador ou guerreiro, os Elfos Eleitos são o ápice dos aventureiros élficos, considerados lendas.
 
Magia Ampliada: Elfos eleitos possuem capacidades mágicas naturais, além de uma inclinação para um dos elementos da natureza. Elfos eleitos recebem Magia Elemental e Elementalista (escolha um dos elementos) gratuitamente.
 
Visão do Longínquo: A visão de um Elfo Eleito vai bem mais além do normal, enxergando mesmo em escuridão total. Além da Visão Aguçada (permitindo enxergar escuridão total), o Elfo Eleito triplica o alcance de sua visão (que além de outros benefícios, permite um bônus de +1 em testes para emboscar e evitar ser emboscado).
 
artes marciais élficas: para Elfos Eleitos, as artes da esgrima e da arqueria praticamente nascem com você. Sempre que estiver usando estas armas (dano personalizado por corte e perfuração, respectivamente), os ataques dos elfos são considerados um Ataque Especial Perigoso (conseguem um crítico com 5-6).
 
Imagens por: grayserg, GothicPrincessYaoi, hermes52
 
.
 

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: