RPGs, MMOs e Interpretação de Personagens!

Lendo um post do Toy, um colega conterrâneo meu, no blog Vila do RPG, de Fortaleza-CE, me veio à mente que minha resposta ficaria um pouco longa para se ler nos comentários do blog, então me dei o direito de escrever esse post em resposta do post do Toy.
Jogo RPG há 10 anos e me considero um novato ainda. Principalmente quando troco algumas palavras amigáveis com o Pop, Nitro ou amigos de outros blogs, porém acho que tenho algum conhecimento básico que me serve para entrar nas mais variadas discussões.
Assim como jogo um MMO [Massive Multiplayer Online] há três anos e me considero um bom jogador, sendo que há vários outros muito melhores que eu. E nesse quesito também me sinto no direito de dissertar sobre o assunto, quando se tem a ver com interpretação no MMO.
No post, o Toy fala sobre a “batalha” entre os dois tipos de jogos e fala muito bem em vários pontos, porém há coisas em que discordo, que foi o que me fez escrever esse post.
Concordo com ele quando diz que várias pessoas estão deixando o RPG de lado para passar mais tempo no MMO. O eletrônico traz várias vantagens que não deixam margem para que o RPG clássico possa competir, dentre elas, a beleza e detalhes das imagens visualizadas, a facilidade de se comprar moedas internas do jogo e se atualizar no MMO sem precisar gastar uma mini-fortuna para comprar um suplemento de setenta ou oitenta reais, ou atualizar o seu sistema predileto de tantos em tantos anos [não é obrigatório, mas geralmente é satisfatório], etc.
No entanto, acho que os novos jogadores da “geração MMO” são jogadores de RPG sim e que a visão deles de RPG não é distorcida. Temos jogadores de vários tipos e estilos dentre nós e um deles é exatamente o cara que curte um bom e velho hack & slash. Não precisa ser jogador de MMO para gostar desse tipo de “interpretação” de personagem. Na mesa onde eu jogo atualmente, de GURPS, temos um desses [alguém disse Wenderson?]. Podemos identificar facilmente esses tipos; basta botar um bom combate ou uma cena de ação intensa para rolar e ver a cara de felicidade deles.

Dois amigos curtindo a piscina em Ragnarok Online


E também acontece o inverso. Eu jogo Ragnarok Online já há três anos e não me lembro de pelo menos algumas horas por semana onde eu brinco de interpretar dentro do MMO. Sim, interpretando mesmo meu personagem. Tenho colegas que adoram fazer um roleplay dentro do jogo e isso me mantém cada vez mais animado com o clima. Participamos de aventuras em grupo, dividimos experiências e nos divertimos bastante, não só matando monstros para adquirir XP, mas simplesmente sentando para conversar, reunir o conselho do clã, aconselhar membros da nossa guilda, ajudar os menos experientes [às vezes sem ganhar nada em troca], estar presente quando eles alcançam momentos importantes dentro do jogo e o mais importante [pelo menos para mim] que é fazer amigos, independente do jogo.

O eletrônico traz mais uma grande vantagem. Você pode jogá-lo a qualquer momento, independente de quem está com você. Caso seu grupo esteja online, você conecta, se diverte como quiser e depois vai descansar tranqüilo. Se seu grupo não está online, existem milhares de outras pessoas com quem você pode socializar. No RPG as coisas exigem um pouco mais do jogador. Geralmente todos devem se deslocar para a casa de alguém, ou para um ponto estratégico bom para a maioria. Isso consome tempo, às vezes dinheiro, e geralmente têm-se que carregar peso, se não o grupo todo, mas pelo menos o mestre. Se for D&D, WoD ou GURPS então, que usam mais de um livrão?!

Não acho que exista uma ‘disputa’ entre o RPG e o MMO. Os dois fazem o mesmo serviço, divertem, trazem benefícios muito parecidos e têm suas porcentagem de ‘jogo viciante’.
Vi nos comentários do post do Toy alguns amigos falando sobre os colegas que deixam de jogar RPG por não poderem faltar no corujão do MMO, mas pergunte-se a você mesmo: nunca deixou de fazer algo por que iria jogar RPG?

No mais, abraço a todos e;
Jogue o que jogar. Jogue RPG!

Você pode gostar...

8 Resultados

  1. Grande Fnord!
    Primeiro, é muito saber que um tema gerado no nosso blog pôde gerar um novo post escrito por você, cara. Nossas parcerias em vários espaços estão indo de vento em popa!
    Segundo, e voltando ao assunto central do post, tanto o seu quanto do Toy lá no viladorpg.worpress.com, creio que MMORPGs e RPGs de mesa possuem atrativos diferentes. Porém, ambos válidos dentro do universo da interpretação. Meu irmão, por exemplo, joga Ragnarok e WoW interpretanto ou mesmo numa clássica sessão de hack & slash, mas quando joga comigo numa mesa de RPG “convencional” não se deixa levar pelas imagens cinematográficas que uma engine pode proporcionar.
    Enfim, concordo com alguns outros colegas, e discordando de outros mais, eu acredito que o RPG eletrônico trouxe ao nosso hobby outras formas de jogar. Porém, formas que nunca poderão substituir a boa e velha fórmula de sentar à mesa junto de seus amigos…
    E, te parefraseando… “Jogue o que jogar, mas jogue RPG!”
    Abração a todos!

  2. cassiano disse:

    O final foi especialmente arrebatador, parabéns!

  3. Allana disse:

    Pois então, eu joguei muito Ragnarok (tomei abuso e não quero ver nunca mais na minha frente, graças às benditas novas classes) e sabia da existência de servidores dedicados ao roleplay, à interpretação dos personagens. Não penso, também, que um compita com o o outro; ambos demandam tempo, é verdade. Mas os dois divertem e distraem, então, pra que a briga? 😛

  4. Fnord disse:

    @Allana A briga a que nos referimos, eu e Toy não é uma briga por uma disputa, e sim a briga saudável por espaço, por reconhecimento. Como se um time de futebol que anseia pelo apoio de sua torcida.
    Acho que existe a competição quando os dois estão no mesmo horário/espaço e recentemente o MMO sai ganhando, devido às vantagens, mas eles são passatempos para momentos diferentes e, em cada um na sua hora, são ótimas opções.
    @Dmitri Bom ter voce por aqui. Visite-nos sempre que quiser. Ver por outra sai alguma coisa interessante da minha cabeça doida.
    @Cassiano Valeu! Só relendo deu pra ver que ficou tão legal! Obrigado!

  5. JEY disse:

    Concordo em parte. Já tive amigos ue interpretavqm em RO, o que é no mínimo interessante.
    O que discordo é que não sejam concorrentes. Justamente por fazerem o “mesmo serviço”, embora o MMO na minha visão seja muito mais social, para quê se dar ao trabalho de pigar para todos os caras, tentar arranjar um horário bom p todos, local, rango, etc. Se vc ppde simplesmente sentar na frente do pc e se divertir por horas?
    Cada um tem a sua resposta. A minha é que no RPG o limite é a imaginação e nisso nenhum outro jogo ou mídia conseguiu se euiparar.
    Mas certamente é uma concorrencia, que pode estar minando o número de jogadres de RPG? Talvez. Joguei MMO por quatro anos e munca parei e jogar RPG. Às vezes vc uer tomar ma bohemia, as vezes, original, e as vezes você dá exclusovidade para umam vai do gosto. O ue quero dizer é: se p cara curte RPG, el vai jogar RPG, com ou sem MMO. O ue pode mudar é a frequência.
    Abraços

  6. O_DRUIDA, Saulo_Maia disse:

    Grande Fnord…
    Assim como vc jogo RPG a uhns 10 anos e a cada minuto aprendo alguma coisa nova, tinha uma visão fechada de o que era ou naum RPG, mas mudei com o tempo e experiencia, concordo com vc no sentido de que cada uhn seja MMO ou RPG, tem seu espaço e fazem o possivel pra agradar a todos.
    Atualmente jogo WOW, mas joguei muito ragnarok e tenho curtido bastante, aqui na cidade a galera do rpg ta desanimada, apesar das varias possibilidades de participar de eventos na região como o “Universo Nerd” que vc organiza, o “FAMS – Festival de Animes e Mangás Sobralence” e o “MASA – “Mini Amostra Sobralence de Animes” ou mesmo o pequeno “NerdPride” que rola aqui na cidade, tenho me mantido jogando o MMO, e curtido ao maximo a raras oportunidades nos eventos.
    Bem… como vc mesmo diz “Jogue o que jogar, jogue RPG!!!”, seja la qual for…
    Grande Abraço…
    O_DRUIDA, Saulo_Maia.

  7. Toy disse:

    Salve, Grande Fnord!
    Adorei seu post, e aquela introdução que fiz no vila foi justamente para puxar bons bate-papos assincronos que estão se formando acerca do assunto! e você entendeu bem a mensagem, mas muitas citações lá são as que eu escuto nos corredores dos eventos e outros tantos lugares.
    Inclusive por quê antes de mais nada, sou jogador de RPG tradicional e já alguns anos trabalhando diretamente e indiretamente com desenvolvimento de jogos digitais. O que motivou a criação do tópico. Inclusive por quê existe muitas opiniões exaltadas acerca do assunto e MUITAS delas são somente uma miopia involuntária. Inclusive por serem(tantos jogadores de RPG eletrônicos como tradicionais) são irmãos.
    Hei que desenvolverei o tema por mais alguns posts da coluna Narra-A-Ação.
    Justamente muitos pontos que ambos se assemelham e outros que divergem mas somam um ao outro.
    Abraços!

    • Fnord disse:

      Valeu pela visita Toy. Como disse no post, concordo com o seu post em quase todo o seu conteúdo e entendi bem que não é a sua opinião totalmente formada. Muitas das coisas que ouvimos são repassadas pela gente como você fez lá no seu post.
      Fico no aguardo dos próximos posts relacionados a esse tema. Acho uma coisa bacana para conversar sobre.
      Abraço.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: