Resenha: Monstronomicon

O Lich de Ferro em uma aparição sensacional na capa do livro


Este bestiário de criaturas é facilmente um dos melhores já publicados no Brasil. Não é a toa que venceu quatro ENnie’s nos Estados Unidos, o prêmio de maior prestígio do mundo do RPG, de melhor ilustração de capa a melhor suplemento de monstros. Publicado pela Jambô Editora no Brasil em 2008, forma a tríade dos livros básicos dos Reinos de Ferro, junto ao Guia dos Personagens e ao Guia do Mundo.
O Monstronomicon é um livro criativo, meio livro de contos, meio livro de criaturas. Teoricamente um livro de autoria do estudioso Viktor Pendrake, provavelmente o personagem mais icônico do cenário, cada monstro é apresentado por um pequeno relato de um encontro com o estudioso e professor de zoologia fantástica da universidade de Corvis. Também acompanham cada criatura suas estatísticas de jogo, informação de como lutam e descrições de seus poderes e um comparativo entre seu tamanho médio e um humano comum.
A parte mais bacana provavelmente fica para as Lendas & Fatos: informação que um personagem pode adquirir sobre a criatura com pesquisa e testes de perícia adequados (como da nova perícia Conhecimento de Criaturas). Cada monstro vem acompanhado de conhecimento Comum, Incomum, Raro e Obscuro, que podem servir de aviso a aventureiros sobre seus poderes ou mesmo suas origens.
As descrições em forma de relatos do professor Pendrake são muito gostosas de ler e servem perfeitamente bem ao seu propósito. O olhar acadêmico do professor é temperado por um humor sóbrio de quem já viveu e lutou muito, e às vezes você se pega gargalhando com alguma passagem mais cômica ou mesmo sérias, mas que fazem referência a casos clássicos de qualquer mesa de jogo. As ilustrações do livro são sóbrias e variando do mediano ao espetacular, todas cumprindo sua função com maestria, não foi por menos que levou o ENnie de melhor arte interna e melhor projeto gráfico.
As criaturas apresentadas algumas vezes são revisões de monstros clássicos como dos trolls, que nos Reinos de Ferro são subdivididos em quase uma dúzia de subraças, os dragões e os lich de ferro, enquanto outras são completamente típicas do cenário como o dilacerador espinhento (até o nome já dá dano!) e o velho do pântano.
Os dragões, aliás, mereceram a descrição mais completa do livro. São quase inexistentes nos Reinos de Ferro, mas cada exemplar é tremendamente poderoso, com níveis de desafio no mínimo acima de 30. Não, você não encontra a ficha de Lorde Toruk aqui, apenas de três de suas crias. Cada uma delas pode servir de tema para uma campanha épica inteira facilmente.
Depois das mais de uma centena de criaturas, há uma descrição breve de cosmologia do cenário e das ordens infernais existentes. Esta parte é realmente bem breve, combinando com o próprio desconhecimento dos immorenenses sobre o tema. Em seguida, somos apresentados ao próprio professor Viktor Pendrake, um dos poucos personagens com histórico e ficha completa nos livros do cenário.
O livro termina com três classes de prestígio para aventureiros de Immoren, o Estudioso Aventureiro, cujo maior ícone é o próprio professor Pendrake; o Moedor de Ossos, que utiliza ossos de criaturas que caça para aumentar seu poder arcano; e o Caçador de Monstros, bastante explicativo no título. Cada classe de prestígio tem o mesmo modelo de apresentação que se vê no Guia de Personagens. Uma apresentação mais geral, então outra destinada aos Reinos de Ferro, características da classe e então alguns personagens notáveis dos reinos que pertencem àquela classe.
O Montronomicon, ao contrário dos dois Guias, não é um livro realmente obrigatório para se jogar no cenário. Você pode muito bem usar apenas o Livro dos Monstros de D&D 3.5 no lugar. Mas se fizer isto irá perder uma parte importante do charme do cenário.
Monstronomicon (Jambô Editora).
240 páginas P&B, capa dura.
R$ 55,00 com frete grátis na Loja Jambô.

João Paulo Francisconi

Amante de literatura e boa comida, autor de Cosa Nostra, coautor do Bestiário de Arton e Só Aventuras Volume 3, autor desde 2008 aqui no RPGista. Algumas pessoas me conhecem como Nume.

Você pode gostar...

11 Resultados

  1. Shido disse:

    Uma coisa menor, mas que achei uma ótima sacada nesse livro — as "silhuetinhas" dos monstros ao lado de uma humana para fins de comparação. Não sei se algum outro bestiário faz isso, mas no Monstronomicon foi a primeira vez que vi. Está certo que o sistema de regras usado tem regras que diferenciam tamanho de seres, claro, mas ter a silhetinha ali, representando isso *graficamente* dá um entendimento muito mais direto. (E o melhor, é o tipo de coisa descritiva que independe de sistema, logo, facilita o uso do material em outros conjuntos de regras.)

    • Nume Finório disse:

      A silhueta dos monstros em comparação com a humana realmente é uma sacada bem bacana do livro. Acho até que este foi um dos fatores que fizeram ele ganhar o ENnie de melhor projeto gráfico.

    • Keldorl disse:

      Também acho essa idéia da silhueta fantástica!
      Peguei esse livro emprestado de um amigo e é realmente muito bom.
      Satixys e Infernal Curador são meus preferidos de todo livro.

      • Nume Finório disse:

        Opa,
        As Satyxis são muito legais mesmo, aquela história de escolher um parceiro amoroso por meio de um combate é bacanuda e ajuda qualquer mestre habilidoso (com a ajuda de um jogador voluntárioso) pode preparar uma campanha inteira em cima de uma delas.

  2. Filipi disse:

    Porra, por tua culpa vou gastar mais dinheiro! Seu puto! 🙂

    • Nume Finório disse:

      Ihhh, se a cada resenha que eu colocar aqui tu gastar grana, fodeu pra ti meu irmão! Essa semana estou planejando colocar pelo menos uma resenha por dia de livros que eu tenho aqui. Amanhã provavelmente sai a do Galrasia: Mundo Perdido. 🙂

      • Shido disse:

        Nume, eu reli o Galrasia faz pouco, se quiser eu posso ficar a cargo dela (até porque há uma discussão tangencial sobre design de raças baseada em soluções do livro que parece pertinente), de maneira que tu possa dispor do tempo para resenhar volumes do Sem Trégua. Ia ser legal saber mais sobre o que apareceu em cada um dos volumes já publicados, tópico por tópico.

        • Nume Finório disse:

          Opa,
          Até pode ser, só escrevi uns dois paragráfos da minha resenha por enquanto, nem perco nada. Vou partir para as Sem Trégua então (ou também Contra Arsenal, Trilogia Porto Livre e Quintessência do Guerreiro, tô com todos aqui na fila de resenhas).

  3. MalkavFelipe disse:

    Nossa… o dot20 ta bombando nesses ultimos dias hein… Que bom ^^
    Reinos de Ferros é um dos cenários que eu mais gosto. Muito bem feito e original…

  4. Arquimago disse:

    Realmente o MELHOR livro de monstros que já vi/li!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: