Wizards vence disputa jurídica contra piratas

De acordo com notícia do Seatlle Times reproduzida no EN World, dois dos oito processo que a Wizards of the Coast movia contra responsáveis por piratear seus livros na internet terminaram em acordos. Thomas Patrick Nolan e Arthur Le aceitaram em pagar multas de 125 e 100 mil dólares para a gigante do RPG, respectivamente. Há ainda um terceiro acordo sendo costurado no valor de quase 50 mil dólares, entre multa e taxas legais, com o réu Mike Becker.
Todos os três processos têm relação com cópias digitais piratas do Player’s Handbook 2 colocadas pelos réus em sites de compartilhamento de arquivos em abril. Outros cinco processos continuam em tramitação, incluindo dois contra réus residentes em outros países, um contra o Filipino Stefan Osmena e outro contra o Polonês Krysztof Radzikowski. A identidade de outros três réus continua desconhecida.
Me surpreendi um pouco com a velocidade da disputa legal, que durou poucos meses, já que no Brasil, além de um processo do tipo poder se arrastar por mais de dez anos, ainda não há legislação referente a crimes digitais. Mas me causou mais surpresa a presença de dois estrangeiros entre os réus, não sei se há algum tipo de acordo entre os três países em questões legais do tipo, mas parece mais que a Wizards quer azucrinar a vida dos dois impedindo sua entrada nos Estados Unidos no futuro sob pena de prisão.

Nume Finório

Você sabe quem eu sou.

Você pode gostar...

13 Resultados

  1. Vill disse:

    Tente falar o nome do polonês dez vezes bem rápido 🙂

  2. Shido disse:

    Ah, a sempre simpática Wizards, cada vez mais parecida com a moribunda indústria fonográfica em querer usar seu músculo financeiro para obrigar o mundo a se comportar como se não existisse internet…

  3. Guilherme disse:

    O erro da indústria fonográfica foi não ter conseguido tornar seu produto mais atrativo do que o dos piratas. Mas isso não muda o fato de que piratear é errado. E ponto final! Isso é indiscutível.
    Concordo que várias atitudes da Wizards pós-Hasbro foram ridículas (como ter fechado alguns sites de fãs), mas processar pirateiros é direito deles.

    • Heath disse:

      O problema maior é que isso dificilmente vai adiantar em quaquer coisa. Atualmente é possivel encontrar qualquer coisa na intenet e processar os pirateiros não mudará isso.
      Enquanto eu concordo que piratear é errado e que a Wizard esta em seu direito, a solução claramente não é essa.

      • Jagunço disse:

        Ou, pelo menos, não a "solução" não é composta apenas por isso. E acho que adianta sim, SE esse tipo de disputa/ação se popularizar a ponto de criar uma cultura. Lá fora as leis costumam ter esse poder…

        • Jagunço disse:

          Corrigindo: "Ou, pelo menos, a "solução" não é composta apenas por isso. E acho que adianta sim, SE esse tipo de disputa/ação se popularizar a ponto de criar uma cultura. Lá fora as leis costumam ter esse poder…"

  4. Eu apoio, independente se for a wizard ou qualquer outra empresa. Aliás, isso até pode não ser a melhor das soluções, mas já é um começo.

  5. Urathander disse:

    De fato o direito deles é indiscutível, mas para ser sincero se foi foi acordo, não foi vitória, especialmente se olharmos os valores envolvidos, é muito para mim, deve ser muito para os dois réus (?), mas para a Wizards não acredito que seja algo relevante, talvez pague os honorários dos advogados, acredito que a intenção era tentar dar um susto talvez. Ou o alvo era a forma de distribuição desses livros, li em outro blog (Red Ninja, Ninja Press ou algo assim, aqui do Brasil mesmo) que um dos réus permitia a consulta on-line do livro em seu site… se for verdade aí sim seria cara-de-pau demais.

  6. athos.pendrael disse:

    Não defendo a pirataria, mas me surpreende que em um mundo com diversos softwares de compartilhamento de arquivos (e-mule, dreamule, kazaa, etc) tenha gente que vacile a tal ponto.

  7. Spartanus disse:

    Na verdade, isso é violação de direito autoral.
    Existem leis brasileirar que garantem o direito autoral sim.
    A lei nº 9.279/96 (Lei da Propriedade Industrial)
    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9279.h
    A Lei nº 9.609/98 (Lei de propriedade intelectual de programas de coputador)
    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9609.h
    W a Lei nº 9.610/98:
    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9610.h
    Ao menos são as que me lembro.
    Abraço.

  8. Pablo Urpia disse:

    "Thomas Patrick Nolan e Arthur Le aceitaram em pagar multas de 125 e 100 mil dólares para a gigante do RPG"
    Eu não aceitaria não rsrsrs.
    Brincadeira à parte, piratear não é correto, mas isso aí não ameniza a pirataria, que está longe de extinção.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: