Os mandamentos do Código da Cavalaria

Durante minhas andanças pela internet, por acaso, acabei caindo em um site que falava sobre o “código dos cavaleiros”.
Mudei um montão de coisas do que encontrei, e dei uma “destilada” nos itens que encontrei depois. Os mandamentos ficam como dicas para você inserir no seu Paladino.
Caso você tenha mais algumas sugestão (que não possa ser inserida no que já está aí) basta comentar, ok?

  1. Acreditarás em tudo que a Igreja ensinar, e deverás observar todas as tuas instruções.
  2. Tu defenderás a Igreja como o seu campeão.
  3. Respeitarás todos os fracos, e deverás se intitular o seu defensor.
  4. Amarás o reino no qual nasceste.
  5. Nunca fugirás do teu inimigo.
  6. Tu levarás a Guerra contra todos os Infiéis sem descanso, e sem misericórdia.
  7. Lutarás com honra e nunca levantarás tua mão contra um inimigo incapaz de se defender.
  8. Deverás honrar teus deveres feudais, se eles permanecerem fiéis às leis de Deus.
  9. Nunca mentirás, e permanecerás fiel a tua palavra, aos teus companheiros e a cavalaria.
  10. Serás generoso, e doarás vastas somas a qualquer um que necessitar.
  11. Tu deverás estar em todos os lugares, como o campeão da Verdade e do Bem contra a Injustiça e o Mal.
  12. Demonstrarás auto-controle e coragem, em tuas palavras e em teus atos.
  13. Exibirás boas maneiras. Serás polido e atencioso.
  14. Demonstrarás respeito por teu anfitrião, pelas mulheres e pela cavalaria.
  15. Viverás uma vida digna de respeito e honra.
  16. Serás leal ao teu código, e aqueles que colocam sua confiança em ti.

Pelo que continuei lendo em outros lugares (desculpem, perdi os links durante a navegação), parece que na Idade Média não existia realmente algo como “um código” de cavaleiros. Que isso seria algo criado durante a Renascença, e constantemente alterado durante as épocas seguintes.
Na Idade Média bastava você ter armas, uma armadura e um cavalo. Se você aparecesse em um lugar dizendo “sou cavaleiro”, já estava valendo. É claro que existiam as cerimônias especiais de sagração, mas isso não seria a regra.
Faz sentido. Já que ninguém sabia ler, imagino que registros fossem difíceis de serem mantidos. E aliás, convenhamos, pelo que sabemos de História, os cavaleiros eram capazes de atos bárbaros e animalescos… afinal, eram nada mais que soldados treinados para a guerra. Nada daquela honra e coragem toda da Távola Redonda.

Você pode gostar...

6 Resultados

  1. Túlio d Bard disse:

    Eu costumo orientar meus paladinos com o Código do Coração de Dragão (com algumas adições). Funciona bem.

  2. Aiken Frost disse:

    Tùlio, posta teu código aí. pode ser uma alternativa legal também.

  3. Túlio d Bard disse:

    O código é do filme Coração de Dragão. Na Wikipedia em inglês ele tem um pedaço a mais só q em todo lugar você só encontra o seguinte em pt:
    “Um cavaleiro jura bravura.
    Seu coração só tem virtudes.
    Sua espada defende o oprimido.
    Seu poder apoia os fracos.
    Sua palavra só fala a verdade.
    Sua fúria destrói a maldade.”
    O original em inglês é:
    “A knight is sworn to valor, his heart knows only virtue, his blade defends the helpless, his might upholds the weak, his word speaks only truth, his wrath undoes the wicked.
    The right can never die, if a man still remembers him. Words are not forgotten, if a voice pronounce them clearly, The Code always shines, if a heart preserves it brightly…”
    Como já deve ter uma tradução oficial pra isso, não é legal ficar fazendo minhas próprias traduções, mas o finalzinho é mais ou menos isso:
    O certo nunca pode morrer,
    se um homem ainda lembrá-lo.
    Palavras não são esquecidas,
    se uma voz pronunciá-las claramente.
    O Código sempre brilha,
    se um coração preservá-lo ‘brilhantemente’.
    A trilha sonora dele tbm é muito legal.

  4. Edward disse:

    Quero apenas falar uma coisa.
    No novo grupo de RPG no qual me encontro (quem leu um certo post sabe do que falo), temos um paladino de um certo deus, e os paladinos normalmente (até onde eu saiba seguem as “coisas” ditas pelo deus). E o personagem segue a um Deus digamos maligno então isto não servira para ele:
    3.”Respeitarás todos os fracos, e deverás se intitular o seu defensor”
    Pois para o seguidor de um Deus maligno isso não faz sentido. Não sei em qual sentido (ou sistema) você se referiu, mas no meu estilo de jogo, e de alguns amigos, nós usamos diferente.
    No mais gostei muito deste post, acho que ajuda muito e assim incrementa certas coisas no RPG.

  5. Alexandre disse:

    @ Edward: Essa é uma dica geral, mais focada em interpretação de um PC bondosque em sistema específico. Você está certo, no caso de um paladino maligno, esse item não se aplica assim.
    Aliás, vários itens precisam ser adaptados no caso de um PC maligno…

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: