Iniciativa 4e: O Escorpião de Ébano

Hoje é sexta-feira, dia dos artigos da Iniciativa 4e! Onde você encontrar o selo ao lado, esteja certo que encontrará material escrito e revisado para a 4ª edição do D&D, com posts conjuntos, temáticos, a cada quinzena.
O tema dessa semana é Insetos. E para esse tema eu resolvi trazer para vocês uma ordem de assassinos servidores do príncipe-demônio dos escorpiões (e eu verifiquei: apesar de não serem insetos, aracnídeos, araneídeos e similares estão valendo).

Para muitos a palavra “escorpião” trás a imagem de um aracnídeo peçonhento, responsável por trazer dor e às vezes até a morte aos incautos que deparam-se com ele. Mas alguns poucos relacionam esta palavra a uma noção muito mais pavorosa: assassinos invisíveis e implacáveis que usam de venenos e poderes nefastos para dar cabo de suas vítimas. Estes poucos são aqueles que acreditam nas lendas que falam a respeito do Escorpião de Ébano, uma sociedade semi-secreta que aterroriza os sonhos de muitos nobres.
O fato mais aterrorizante a respeito desta ordem de assassinos é a capacidade de seus membros infiltrarem-se na sociedade e manterem-se acima de qualquer suspeita até o momento no qual são chamados para atuarem. Há inclusive uma lenda sobre um príncipe que sabia que estava marcado para a morte, e que portanto tomou diversas medidas para proteger-se. Ele morreu vitimado por sua própria mãe, que ele nunca desconfiou ser membro da ordem.

Origem

O Escorpião de Ébano tem sua origem na figura de Urlag Peçonhento, um implacável meio-orc assassino que servia um rei ganancioso do antigo Império de Bael Thurath. Certa vez Urlag aceitou o serviço de dar cabo de outro nobre poderoso, um feiticeiro conhecido por fazer pactos com diversas entidades diferentes. Urlag conseguiu conquistar a confiança do nobre, e ao longo dos anos o serviu fielmente, enquanto secretamente tentava assassiná-lo. Urlag fez uso de armadilhas, venenos e diversos outros artifícios, tentando matar o bruxo sem expor-se.
Atormentado por tantas falhas, Urlag resolveu despachar o nobre com suas próprias mãos. E morreu. Seu espírito foi oferecido a uma das entidades obscuras com quem o bruxo mantinha um acordo. O que provou ser o motivo da derrota do nobre feiticeiro.
Ubatzok, um dos príncipes demoníacos com quem o nobre possuía acordos e aquele a quem foi oferecida a alma de Urlag, estava determinado a sacrificar o bruxo para trazer prejuízos maiores aos outros príncipes infernais com quem ele possuía acordos. Ao recepcionar Urlag, o demônio ofereceu-lhe devolver a vida, em troca de que ele usasse esta vida para matar em seu nome. A começar pelo bruxo que o enviou.
E assim Urlag fez. E com o tempo Ubatzok selecionou outros para juntarem-se a Urlag. Esta é a origem do Escorpião de Ébano.

Situação Atual

Urlag morreu poucos anos após a queda de Bael Thurath, mas a ordem de assassinos de Ubatzok persiste até hoje. Com o passar do tempo sua organização foi tornando-se mais sofisticada, e ela desenvolveu métodos de ingresso ligeiramente menos brutais que o costume antigo de matar indiscriminadamente e deixar que Ubatzok escolha quem merece voltar.
Hoje em dia o Escorpião de Ébano opera com micro-células. Cada agente conhece apenas seu superior, que por sua vez conhece apenas o membro imediatamente acima na hierarquia, e assim vai até a liderança. Ninguém sabe quem é o atual líder da ordem, quais suas motivações reais ou tampouco quantos graus acima dos agentes ele está. Todas as mensagens vêm de cima para baixo e da forma mais sigilosa possível. Isso garante que a captura de um de seus agentes não comprometa o sigilo da organização.
Além disso, a admissão de novos membros agora é feita através de um ritual específico, no qual eles são mortos e depois trazidos de volta. Se antes os candidatos eram selecionados dentre os mortos por Ubatzok pessoalmente, agora a ordem seleciona candidatos e os mata, para depois serem trazidos de volta como agentes do Escorpião de Ébano.

Agente do Escorpião

Este modelo representa um humanóide membro da ordem do Escorpião de Ébano, um culto de assassinos que matam em nome de Ubatzok, o príncipe demônio dos escorpiões. Seus membros são mortos ritualisticamente e depois trazidos de volta. Este ritual lhes concede a bênção do Príncipe Escorpião, o que lhes permite acessar alguns poderes especiais para auxiliá-los em seus assassinatos.
Você pode aplicá-lo em qualquer criatura humanóide para cumprir com o papel do assassino que usa de poderes demoníacos. O ideal é aplicá-lo sobre humanos com a classe bruxo ou ladino. E ele funciona bem com drows, gnomos, shadar-kai e outros humanóides que sejam bons em esconderem-se.
Pré-Requisito: Humanóide

Agente do Escorpião Espreitador de Elite
Humanóide XP de Elite
Defesas: Reflexo +1, Vontade +1
Teste de Resistência: +2
Ponto de Ação: 1
Pontos de Vida: +8 por nível + valor de Constituição
PODERES
Estocar e Correr
O agente do escorpião de ébano fica invisível até o final de seu próximo turno e pode ajustar-se por até três quadrados sempre que seu ataque deixar um oponente sangrando ou reduzi-lo a 0 PV.
Mestre dos Venenos
O agente do escorpião de ébano pode converter qualquer poder de ataque que possua em veneno. Mude o tipo de energia do ataque para veneno, ou adicione este descritor para um ataque que normalmente não cause dano de energia.

Outros Artigos da Iniciativa 4e #12:

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: