Tormenta: o que está rolando nas Montanhas Uivantes?

Afinal de contas, o que está rolando nas Montanhas Uivantes? A pergunta tem uma resposta fácil: um monte de coisa. Apesar de não ter recebido uma atualização geral desde O […]
Ou talvez realmente tenha sido por ciúmes mesmo?

Ou talvez realmente tenha sido por ciúmes mesmo?

Afinal de contas, o que está rolando nas Montanhas Uivantes? A pergunta tem uma resposta fácil: um monte de coisa. Apesar de não ter recebido uma atualização geral desde O Reinado, muita coisa importante aconteceu no “reino” mais inclemente de Arton nos últimos anos. Primeiro, a morte de Belugah, “regente” e deusa menor das Uivantes, que aconteceu durante a saga em quadrinhos Holy Avenger, mais de uma década atrás. Então, tivemos as Guerras Táuricas, e descobrimos que parte do reino agora está sob domínio da chamada Legião do Inverno, antigamente conhecida como A Manada antes de se revelarem como agentes de Tapista. Os esquimós locais, liderados pelos Escolhidos de Belugah, lutam contra a Legião do Inverno usando táticas de guerrilha para expulsá-los do território gelado. Ao mesmo tempo, os Escolhidos estão em alguma espécie de corrida com dois dragões, um branco e outro azul, por artefatos pertencentes a falecida Belugah. Considerando que um novo dragão-rei branco ainda não foi descoberto desde a morte de Belugah, talvez tais artefatos sejam usados para transformar alguém no novo dragão-rei branco… ou talvez acordem o verdadeiro dragão-rei de seu sono.

Vamos lá: sabemos que existe algo na Montanha Invencível que impede qualquer um de chegar ao cume, há uma aura de antimagia na montanha, e ventos fortíssimos e constantes impedem que se chegue lá através de voo comum. O que é que poderia cancelar qualquer magia e controlar o clima constantemente? Esse é um nível de poder que só pode ser alcançado por um deus maior ou por artefatos maiores. Mas afinal de contas porque é tão importante evitar que alguém chegue ao topo da montanha? O que há lá que ninguém pode alcançar? E por qual razão os anões decidiram construir a Cidadela de Khalmyr nas entranhas dessa montanha em específico?

Além do que já comentei, sabemos que a Catedral de Gelo e as Minas de Gelo Eterno são remanescentes de uma civilização antiga e avançada, e que os anões da Cidadela já estavam aqui quando Belugah foi presa nas montanhas pelo julgamento de Khalmyr. Sabemos também, através de passagens da Trilogia da Tormenta, sabemos que a Catedral do Gelo é um lugar maligno onde é possível obter acesso para uma dimensão de bolso onde diabretes poderosos residem. É possível inferir, então, que essa civilização antiga possuía uma inclinação para realizar pactos demoníacos… mas espere, vamos pensar de novo. Nós temos uma civilização que usa Gelo Eterno em construções, retirando-o de uma mina presente na região, só que para minerar Gelo Eterno é preciso usar armas mágicas, um monte delas. E o que é que os diabretes da Catedral do Gelo fazem com as coisas que tomam nos seus pactos? Eles forjam uma arma mágica e entregam para a pessoa, como uma recordação daquilo que ela perdeu e nunca terá de volta. Agora imagine quão depravada essa civilização antiga devia ser, cheia de poder e magia, mas também de pessoas que perderam coisas como amor, juventude, coragem, futuro e outras coisas importantes em pactos com os diabretes.

Ok, agora que já imaginamos essa civilização depravada, voltemos a falar da Cidadela de Khalmyr. É fácil imaginar que uma sociedade tão conectada com pactos demoníacos chamaria a atenção de devotos do deus da justiça, correto? Talvez até mesmo do próprio deus. Então digamos que essa civilização foi destruída por uma cruzada de anões devotos de Khalmyr, que então se estabeleceram no que é hoje a Cidadela, talvez para evitar que aquela civilização maligna, ou seu líder, retornasse das cinzas. Talvez eles sejam os responsáveis pelo poder que evita qualquer um de alcançar o cume da Montanha Invencível. Talvez seja obra de Khalmyr. O deus da justiça, aliás, pode ter trazido Belugah para a região justamente pensando em criar um clima inclemente que impediria a colonização da região e o contato com as tendências demoníacas deixadas por essa antiga civilização.

Mas então, o quê ou quem estaria no topo da Montanha Invencível? Talvez os magos e feiticeiros mais poderosos dessa antiga civilização? O acesso para uma casta mais poderosa de demônios como os diabretes? Ou talvez… o rei dessa nação depravada? Que rei seria esse, que exigiria tanto dos seus súditos como trocarem seus sentimentos importantes por armas mágicas apenas para que ele pudesse construir palácios de gelo? Que fixação é essa com gelo? Até parece que ele era uma criatura do gelo… como um dragão-rei branco? Vamos dizer que sim, que essa civilização antiga e depravada era liderada por um dragão-rei branco e que foi destroçada pelos devotos de Khalmyr e o dragão preso no topo da Montanha Invencível. Quão incrível vocês acham que essa campanha pode rolar na mesa de vocês? Bastante, né? De nada, pessoal, até a próxima. 😉

Sobre Nume Finório

João Paulo Francisconi, entre outras enormes perdas de tempo, é blogueiro há dez anos, escreveu para a finada Dragon Slayer, publicou alguns livros de RPG e assistiu quatro episódios de Punho de Ferro.