Criação de Campanhas I: Cenário

Você finalmente arrumou um pessoal para jogar RPG com você, todos animados cheios de ideias, mas por onde começar?

Esse post dividido em 3 partes vai ajudar Mestres experientes oferecendo algumas dicas valiosas ou como um verdadeiro manual de como se criar uma Campanha para Mestres iniciantes e nessa primeira parte abordaremos o cenário.

A escolha do cenário será o pontapé inicial de toda a Campanha, alguns Mestres podem impor aos Jogadores o cenário onde vai rolar a história, porém assim ele corre o risco de ser odiado pelos colegas, ou enfrentar um grupo sem muita vontade, o ideal é que essa escolha seja conjunta, assim a chance de dar errado é menor.

Fantasia Medieval ou Espacial?

Durante a escolha do cenário sempre vai ter um pentelho que vai querer justamente o contrario do que foi combinado, mas o que fazer com esse mala?

Considere adaptar o mundo onde se passa a Campanha, o jogo vai ser Tormenta e um verminoso quer por que quer jogar Star Wars? Moleza: deixe ele criar um Jedi que acabou caindo em Arton devido a um teleportador com defeito, ele poderia ser trazido para o Deserto da Perdição, vive aparecendo gente de outros planos por lá!

Esse tipo de medida garante que não haverá no grupo um ou dois Jogadores que não gostam de seus Personagens, o que é um problema sério, trataremos disso na Parte II.

Cenário pronto ou melhor criar do meu jeito?

Outra questão que assusta principalmente Mestres iniciantes: será que eu tenho que ler uma pilha de livros antes de começar a jogar nesse cenário?

Sim e não, um Mestre que conhece bem o mundo onde se desenrola a história conta com um leque quase infinito de possibilidades, dificilmente será pego de surpresa, por outro lado um Mestre pode começar devagar e ir descobrindo o mundo junto com os Jogadores, o próprio cenário de Tormenta começou assim, conhecia-se apenas Valkaria, Triunphus e Malpetrin das páginas da Dragão Brasil, só depois o cenário ganhou proporções maiores, basta o Mestre ler um pouco sobre as principais cidades e personalidades e o resto vem com o tempo.

Uma dica legal para se começar uma Campanha onde os Jogadores são iniciantes ou não conhecem o cenário é usar como Personagens aquele guerreiro local que protege a vila e nunca saiu da proteção de seu lar, devido a alguma vontade maior (leia vontade do Mestre) ele é obrigado a sair da vila e explorar o mundo, tanto o Jogador e o Personagem descobrem a vida fora da vila juntos, isso justifica o fato do Personagem morar nesse mundo e não conhecer a capital do reino, por exemplo.

Já no caso de os Jogadores terem lido toneladas de livros sobre o cenário, assistirem todos os filmes a respeito, a táctica será outra, você deve surpreendê-los.

O personagem Babak-Ah vai para a academia Jedi procurar por Yoda, pois sabe que o tampinha é bonzinho e certamente ele irá ser aceito na academia, mas e se ao chegar lá ele descobrir que Fod-Ohdao é o novo líder da academia e Yoda agora é o fora da lei mais procurado da galáxia?

O Mestre não deve de maneira nenhuma se prender totalmente a história já contada, faça os Jogadores saberem que o mundo é dinâmico, que as coisas mudam e que eles não são o centro do mundo, isso trará um desafio extra aos veteranos e metidos à sabe-tudo.

Outra boa dica é escrever um descritivo básico dos principais NPCs da história, crie objetivos para suas ações e algumas inimizades entre eles, apresente isso aos Jogadores como sendo algo de conhecimento geral, coisas que seu Personagem já sabia, assim você mostra aos Jogadores que o mundo está vivo, os NPCs se relacionam entre si e não só em função dos Personagens.

Mas se eu quiser adaptar um anime/filme e quiser que seja o mais fiel possível?

Essa é outra possibilidade que acontece com frequência, afinal quem não gostaria de ser aquele seu herói preferido?

Ao se usar cenários de filmes, séries e afins enfrentamos um probleminha: tudo já foi feito, a história já tem um começo, meio e fim, ou seja, todos sabem como vai acabar, podemos então rolar a campanha basicamente de três maneiras, antes, durante ou depois dos acontecimentos mostrados e já conhecidos pelos Jogadores.

Rolar uma Campanha antes dos acontecimentos geralmente demanda um pouco mais de trabalho, pois na maioria das vezes o passado é apenas citado e envolto em mistérios.

O legal de se rolar uma Campanha antes da série/anime/seja-lá-o-que-for é que as ações tomadas ali podem e devem interferir na história tornando a Campanha totalmente nova.

Imagine uma Campanha de Fullmetal Alchemist rolada antes dos irmãos Elric tentarem realizar a transmutação humana, os Personagens poderiam ser Alquimistas Federais que estariam diretamente envolvidos em toda tensão pré-guerra contra Ishbal e depois atuando diretamente nessa guerra, para só depois caírem na trama principal, seus atos na guerra poderiam mudar toda a história, e se Roy Mustang fosse morto? Tudo seria diferente.

A Campanha que acontece durante os acontecimentos pode trazer uma vantagens sobre as outras: o mundo parecerá mais “vivo” aos olhos dos Jogadores, pois se eles nada fizerem de notável as coisas aconteceram da maneira que eles já sabem, ou seja, eles vão só assistir os acontecimentos.

Mesmo nesse caso o Mestre deve surpreender os Jogadores vez ou outra, quem sabe quando Vegeta caísse na Terra ele não viesse acompanhado apenas de Nappa, mas de mais três ou quatro Sayajin, aí as coisas iriam complicar um pouco…

Caso os Jogadores/Mestre ache que a história do modo que se conhece é um marco sagrado e que não deve jamais ser alterada pode-se optar por rolar a Campanha após os acontecimentos conhecidos.

Esse tipo de abordagem abre precedentes para que os Jogadores construam Personagens poderosos, afinal já passaram por muita coisa até chegar ali, novas tramas podem ser criadas e antigos inimigos podem retornar para atazanar a vida dos heróis.

No próximo post vamos bater um papo sobre a criação de Personagens, grupos coesos, além de um monte de desculpas para que o Mestre deixe você criar aquele Anão-Ninja-Marciano-Tatuado que você sempre sonhou!

Até lá!

Sobre Rodolfo "Nó-Cego" Willian