Expectativas e teorias para RPG em 2020

Olá. Divido com você algumas de minhas expectativas e teorias sobre alguns títulos e empresas de RPG em 2020.

Apocalypse World e PbtA

Apocalypse World, o pai da grande família de jogos PbtA, chegou pela Secular Games em sua segunda edição e terá sua base de fãs aumentada exponencialmente em 2020. Finalmente temos a chance de comparar a visão do autor original com diversos hacks de terceiros. Recomendado aos entusiastas do design de jogos analógicos.

Aguardo pela chegada da versão em pt-BR de Worlds in Peril, um dos raros RPGs que conseguem passar a dinâmica das HQs ao invés de ser um gerador de personagens com superpoderes.

Cortex Prime

Cam Banks adquiriu a licença do sistema Cortex de Margaret Weiss e lançou uma campanha de financiamento coletivo bem-sucedida pra criar a versão modular definitiva do sistema, o Cortex Prime. Então a Fandom, responsável pelo D&D Beyond, comprou tais direitos e prometeu um grande futuro para o Cortex. Espero que o sistema fique aberto para torná-lo mais popular. Quando a licença da DC com a Green Ronin acabar, podemos ter um DC Heroic Roleplaying?

Fate

O Fate Básico (Core) trouxe a quarta versão do sistema em 2013. Acredito que será anunciado o desenvolvimento de uma quinta edição, mantendo o jogo enxuto mas sem aquela sensação de que faltou explicar melhor algo que os não adeptos do Fate gostariam de entender. Também recomendado aos entusiastas do design de jogos analógicos. E fique de olho no que a Pluma Press anda fazendo.

Karyu Densetsu

Thiago Rosa e Nina Bichara criaram um RPG que faltava no Brasil: um RPG de anime de artes marciais seinen. Desde o Street Fighter RPG da White Wolf não temos algo que possa emular os combates e tropos de animes e jogos de luta tão bem. Aguarde por resenha e personagens de exemplo.

Lampião Game Studio

Sempre vem coisa boa e inusitada do pessoal do Lampião.

Tenra Bansho Zero

Um RPG japonês dos anos 90 a frente de seu tempo. Recebeu uma localização em Inglês em meados de 2000. Um jogo de fantasia hiperasiática, que toda resenha (inclusive do RPGista) me faz querer pôr as mãos nessa belezinha. Uma das regras que me chamam a atenção é que se um personagem ficar poderoso demais, ele vira um personagem da narrativa, assim como Gouki em Street Figther. Segundo Thiago Rosa do RPG Notícias, uma editora brasileira adquiriu os direitos do jogo. É ficar na torcida. O Thiago será o tradutor?

The Witcher RPG

E a franquia do bruxeiro, digo… bruxo Geralt de Rivia ganhou um RPG pela R. Talsorian Games, famosa por Castle Falkenstein e Cyberpunk. A Devir anunciou a versão tupiniquim. Minha preocupação é que todas as resenhas e prévias que vi indicam que o sistema é dos anos 90 e, nesse caso, não é elogio.

Tormenta

Tormenta vai dominar o Brasil. Ponto.

E o Jaime?

Espero conseguir terminar algumas ideias que expus ao longo dos últimos anos, como o RPG para crianças UEPA e a revisão final da tradução do suplemento Four-Colour FAE para Fate. Além de novas postagens e todas as ideias e projetos que me “assombram”. Precisarei encontrar uma forma de financiamento para garantir que os produtos sejam gratuitos e, principalmente, que eu tenha tempo para produzir meus devaneios.

Até.


Crédito: Imagem de capa por Ian Gonzalez on Unsplash.

Jaime Rangel

Jaime "JJ" Rangel é um cara de Duque de Caxias (RJ), franco, tranquilo e desmemoriado. Gosta de levar inquietação às mentes alheias. Prefere 10 inimigos sinceros a 1 amigo indeciso. Cuidado ao perguntar algo, ele responderá a verdade. E a verdade é sempre mais divertida (pra ele). Escreve/traduz/joga RPG e afins.

Você pode gostar...

5 Resultados

  1. SASCHA LUCAS disse:

    “Tormenta vai dominar o Brasil. Ponto.” hahahaha acho que já dominou

  2. GT disse:

    Sobre o Fate, foi anunciado no kickstarter do Fate of Cthulhu o novo Fate Condensed que será um SRD ainda mais enxuto do Fate Core (mas ainda plenamente compatível) para que seu texto seja incorporado aos títulos. Eu não acredito numa “quinta” edição do sistema, mas acho que veremos títulos autossuficientes pela Evil Hat.

    Só espero que a Evil Hat mude um pouco sua postura e traga algo realmente interessante para o seu público que não adaptações genéricas de desenhos animados.

  3. Renan Becker disse:

    O concurso alphaversos foi abandonado?
    (nem todas as submissões foram postadas, nenhum resultado foi divulgado, nada mais foi dito a respeito…)

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: