Monsterhearts, da Kobold's Den, pode ser maior lançamento do ano

A loja mineira Kobold’s Den, que acaba de iniciar a pré-venda de Pulse e colocar o pé no mercado editorial, pode estar com o maior lançamento do ano em suas mãos. Isto é, em termos de vendas para o mercado brasileiro, mas não é de se ignorar.
O trunfo da agora editora tem nome: Monsterhearts. Trata-se de um hack do premiado Apocalipse World, como o é o último lançamento de outra mineira, a Secular Games, Dungeon World, mas com um tema muito mais popular do que a fantasia medieval ou o pós-apocalítico. Monsterhears é um jogo sobre monstros adolescentes e seus dilemas, romances e desafios, basicamente um jogo para rolar jogos baseados em Buffy, Crepúsculo, Meu Namorado é um Zumbi/Sangue Quente e outros grandes sucessos contemporâneos do gênero.
A maioria dos RPGistas mais tradicionais pode até fazer piada, mas considerando que a página do Facebook do jogo já conta com quase quatro mil assinantes faltando ainda dois meses para o lançamento em 12 de novembro é necessário, ao menos, fazer um esforço para tentar entender a magnitude do evento que este jogo significará para o mercado brasileiro.
Visualize o que irá acontecer: milhares e milhares de pessoa atraídas para a proposta de encenar suas histórias favoritas da literatura e cinema, sendo introduzidas ao RPG através de um sistema premiado e de alta qualidade. Milhares e milhares de novos jogadores de RPG. Monsterhearts pode ser para a década de 2010 o que Vampiro, a Máscara, foi para a década de 1990: uma enorme porta de entrada para dezenas de milhares de novos jogadores, que se espalhará aos poucos para outras partes do hobby.
Claro que posso estar contando com os ovos no fiofó da galinha, que curtidas no Facebook não necessariamente se traduzem em vendas, ou que ele pode atingir um mercado novo. Mas acredito que tenho razão, e que uma nova onda de novos jogadores pode estar a caminho, mas o que não sei é: o que o mercado fará a respeito? Se você é um editor ou autor, acho que vale a pena deixar um canto da sua mente pensando sobre o que pode fazer com relação a estes novos jogadores e como atraí-los para os seus próprios jogos.

Nume Finório

Você sabe quem eu sou.

Você pode gostar...

13 Resultados

  1. Pablo Parzanini disse:

    Hmmmmm, eu acho meio estranho isso, sei lá que costuma se interessar mais por jogos de rpg são garotos, ai ele chega na loja e vê isso e fica sabendo que é de “crepúsculo” e ve sei lá uma caixa de Dragon Age rpg ou de OD caixa básica, com guerreiros, dragões e etc…. Eu se tivesse meus 10 a 15 anos não teria duvida nenhuma…. E tem a outra face que o pessoal que jogava mais horror tá mais velho atualmente e não se interessa mto por este tipo de horror, se mantendo no WoD ou o Rastro de Cthulhu, o que pode mudar o cenário de horror nacional é o novo Trevas, mas também é só achismo né Nume…

    • Nume Finório disse:

      Mas meu querido, não se trata de atrair quem já é jogador de RPG, mas sim de quem NÃO É! E não só esse jogo vai atrair gente de fora do hobbie, como vai atrair uma boa quantidade de meninas, fãs destes romances recentes que são destinados justamente a elas.

      • Pablo Parzanini disse:

        então é algo que vai atrair mais meninas, pq se eu fosse novato, começando e me deparasse com ele ou uma caixa basica cheida de treco e de dragon age, que é jogo famoso de pc e tal, eu como iniciante optaria pelo dragon age ou algo assim, mas é achismo, e entendi seu ponto de vista….

  2. Bob Nerd disse:

    O negócio é esperar para ver a reação nas vendas. Pode ser que o lançamento seja realmente tudo isso, e se acontecer (mesmo não gostando dessa temática) será excelente para o hobby pois haverá uma renovação no público assim como um aumento do mesmo. Vai ser bom de todo jeito.

  3. Alexandre disse:

    Agora, meu medo é um só: que os jogadores de sempre comecem a reagir negativamente contra os jogadores de Monsterhearts.

    • Álvaro disse:

      É um medo válido e que eu já vou vendo que vai virar um festival de misoginia e homofobia (bem como costumava ser com os jogadores de Vampiro vs. jogadores de AD&D nos anos 90).

    • Dan Ramos disse:

      Também tenho esse medo. Tipo acharem que as pessoas que jogam isso não são “verdadeiros jogadores”. Agora mal sabem eles que tem muita gente que joga RPG meio que “sem saber”, em fóruns e tal, que fazem histórias de fã de seriados e tudo mais.

    • Nume Finório disse:

      Ah, sempre existe gente babaca, isso é quase certo. Mas é preciso lembrar que, além de ser um jogo que apela para os fãs de romances adolescentes, Monsterhearts também tem um sistema elogiado por si só dentro do meio (todas as resenhas que vi dele concordam nesse quesito) e que se destaca pelo horror pessoal de uma maneira que o próprio Vampiro nunca conseguiu.

  4. Dan Ramos disse:

    Esta é uma ótima notícia, mesmo que não venda o tanto que tem potencial pra vender. O mercado só tem a ganhar, porque a notoriedade do RPG vai ser bem maior.

  5. Demian disse:

    Eu vejo um futuro promissor em Monsterhearts. Penso nas crianças que já curtem monster high crescendo e encontrando este jogo. Também temo o repeteco do preconceito entre jogadores, mas tenho esperança este vire uma coisa de uma minoria rancosa e não influente. Tendo a supor que a geração que jogou ambientações baseadas em Anime, entre outras coisas, seja menos preconceituosa com os futuros jogadores de Monsterhearts.

  6. hackbarth disse:

    Infelizmente preconceito há, o público “esclarecido” de jogadores de RPG e fãs de fantasia medieval/quadrinhos/ficção científica é dos mais misóginos e chauvinistas que existem. Acho que nem a torcida do coríntians (olha, não sei nada de futebol, é só um exemplo.) fala para uma torcedora que ela não é torcedora “de verdade” só por que é mulher.
    Mas o caminho para eliminar o preconceito é a diversificação, Monsterhearts é um baita passo na direção certa, vamos divulgar e apoiar! Não é o meu jogo de RPG? Não, não é. Mas ele existindo e fazendo sucesso é que vai possibilitar que meu hobby obscuro continue existindo no futuro.

  7. Saoki disse:

    Super feliz que esse jogo vai sair em português e eu vou poder convencer pessoas a jogarem comigo (convencer com livro em inglês é mais complexo). Ele é super conceituado justamente por tratar da adolescência (e porque é todo sobre putaria ;P).
    E pra todo mundo que acha que não tem mulher jogando, bom, vou lá contatar o meu grupo só de mulheres sobre esse jogo. BEIJOS.

    • Álvaro disse:

      É infelizmente uma mentalidade bem limitada entre os Tetudos Tradicionalistas™, mas sei lá, pensando em evidência anedotal, todos os grupos de RPG que eu tenho ficam com ratio de 1 : 1 ou 1 : 2 na pior das hipóteses…

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: