Marcelo Cassaro e Erica Horita falam sobre Hero Party

Na semana passada, Marcelo Cassaro anunciou seu mais novo projeto em parceria com Erica Horita chamado Hero Party.  Para a viabilização do projeto os autores resolveram utilizar o Kickstarter, uma […]

Na semana passada, Marcelo Cassaro anunciou seu mais novo projeto em parceria com Erica Horita chamado Hero Party.  Para a viabilização do projeto os autores resolveram utilizar o Kickstarter, uma ferramenta de financiamento coletivo onde você pode colaborar e ser recompensado por isso. O total arrecadado será utilizado para impressão das revistas, premiações, frete e para o pagamento de taxas ao Kickstarter e a Amazon. As premiações vão desde ter o seu nome em uma página de agradecimentos até ter um personagem próprio aparecendo na história, tudo dependendo do valor de sua doação.

 

Faltam 21 dias para o fim das contribuções. Você pode conferir mais sobre o projeto em sua página no Kickstarter  e na página oficial da HQ.

 

Segue abaixo uma pequena entrevista que fizemos com os autores:

1. Como surgiu a ideia para o projeto?

Horita: Na realidade, eu estive afastada dos desenhos por mais de 6 anos. Agora que eu tenho um pouco mais de tempo livre, resolvi me dedicar ao Hero Party que foi um projeto originalmente feito para o Comiket (Comic Market) no Japão há alguns anos atrás. Não pude finalizar pois me mudei do Japão para os Estados Unidos e foi uma correria daquelas!

Cassaro: Inventei a história e escrevi o roteiro durante minha primeira viagem ao Japão (deve ter sido a inspiração de tantos mangás em volta, heh!). Tanto na narrativa quanto nos temas, foi pensado para aquele mercado — por isso acho que tem mais semelhança com mangá que qualquer outro trabalho meu.

 

2. Por que utilizar o Kickstarter?

Cassaro: Recorrer ao Kickstarter foi ideia da Horita. Eu conhecia vários crowdfunding bem-sucedidos ligados a RPG, mas nunca acompanhei nenhum de perto, nem pensei em adotar. Só agora estou ficando mais familiarizado.

Horita: Este é um projeto independente. O crowdfunding é uma maneira rápida e simples para arrecadar fundos para impressão e outros gastos. É uma excelente maneira de divulgar o projeto também.

 

3. O que vocês podem falar sobre a ambientação?

Horita: Acho que o Marcelo pode explicar melhor sobre a ambientação de Hero Party do que eu! 

Cassaro: Hero Party é sediado em um mundo de fantasia JRPG padrão, diferente de Tormenta. Tem as raças habituais, mas, como a ideia era ter personagens de aparência engraçada, as raças mais populosas são humanos e demônios, que vivem juntos — para sobreviver, eles se aliaram no passado contra um ataque de dragões. Os dragões se encheram de tentar livrar o mundo dessas pestes insistentes e resolveram dormir por alguns milênios, até que desapareçam.

Agora todo mundo tenta alcançar o covil dos dragões, atrás de seu tesouro fantástico. Muitos grupos despreparados acabam mortos. Para evitar mais perdas, as entradas das masmorras passaram a ser vigiadas. A coroa decretou que apenas equipes licenciadas — as Hero Parties — podem descer aos subterrâneos. E cada equipe deve ter pelo menos um membro de cada papel tradicional: Defender, Healer, Striker, Wizard.

 

4. Após a publicação do primeiro número, quais são os planos para o projeto (sem contar a “publicação da segunda edição”) ?

Cassaro: O único plano imediato é seguir com a série. Outros planos vão depender dos resultados.

Horita: Estaremos lançando oficialmente o primeiro número durante o New York Comic Con (NYCC). A intenção é divulgar mais o projeto e o website para aquisições de volumes futuros.

 

5. Muita gente achou curiosa a opção da série também ser publicada em inglês. Podem falar um pouco mais sobre isso?

Horita: A idéia era de lançar em um evento grande, como o NYCC. Estaríamos divulgando nosso trabalho não só entre os brasileiros, mas internacionalmente.

Cassaro: Com a distribuição digital, e a Erica disposta a participar de eventos nos EUA (como atuou no Brasil durante um bom tempo), parecia natural.

 

6. Quanto ao formato, teremos uma publicação digital também? Ou só no formato impresso? 

Cassaro: Esse título não deve estar em pontos de venda no Brasil, por isso não haverá versão impressa em português.

Horita: Teremos ambas, inglês e português, em formato digital. Apenas a versão em inglês será impressa.

 

7. Em pouco mais de 3 dias o projeto já ultrapassou a marca de 2mil dólares. Esperavam por um retorno tão rápido?

Horita: Eu realmente não esperava, estamos animados! Estamos torcendo para que possamos alcançar a meta em breve e quem sabe ultrapassar essa meta! Caso a meta venha a ser ultrapassada, iremos adicionar recompensas extras e quem sabe a impressão de um volume de luxo limitado!

Cassaro: Alguns projetos brasileiros de RPG alcançaram suas metas em pouco tempo. Mesmo assim, eu não sabia o que esperar. Até agora parece tudo bem.



8. Hero Party é um projeto exclusivo para o exterior? Qual a probabilidade de um lançamento nacional?

Horita: O Hero Party é um projeto independente, estamos lançando nos EUA pela facilidade de comercializar em eventos. Todos os brasileiros poderão adquirir a revista através do nosso website, todas as revistas impressas vão acompanhar um PDF em português. Sobre um lançamento nacional, ainda estamos estudando a possibilidade.

Cassaro: Ainda não falei com a Jambô ou outra editora a respeito. Mas, uma vez que tenhamos um bom número de páginas, acho bem provável o lançamento de versões encadernadas aqui.

 

Pergunta especial: Haverá Pôneis? 😀

Cassaro: Haveria cinco elfas em roupas coloridas com um robô gigante. Mas, já que insiste, faremos a substituição — e todos saberão que terá sido ideia sua!

 

Obrigado Cassaro e Horita pela disponibilidade e paciência para responder as perguntas.

 

 

About Moreau do Bode

João Paulo "Moreau do Bode" é um Nerdestino Paraibano. Conhecido entre seus amigos RPGistas por nunca terminar ou dar continuidade aos seus trabalhos/obrigações. Editor-chefe da e-Zine Pergaminhos de Tanna-Toh (A revisa bi-anual preferida dos internautas), O Cangaceiro da Tormenta espera não abandonar o trabalho dessa vez