[JB] Liga Narrativa (Mai – Heroi): O Cara

Publicado originalmente no Juca’s Blog em 19 de maio de 2010.
Liga Narrativa, Maio de 2010.
Membro: JJ Rangel, de Duque de Caxias – RJ, representando Juca’s Blog
Tema: Herói
Título: O Cara
Cássio deixou a repartição às 16 horas. A cada dia sentia-se mais desconfortável com sua vida: no emprego, fingia que trabalhava e em casa, fingia que amava a esposa. Ele tinha certo encanto por ela sim, mas sempre teve uma ponta de inveja de seu altruísmo. Cássio sempre quis ter mais atitude em relação ao mundo; queria mudá-lo o mínimo que fosse. Após caminhar por quinze minutos, se viu de pé em frente a própria casa, sem coragem para entrar. pensou consigo mesmo:
– Hoje não. Hoje será diferente!
Deu meia volta e tornou a andar. Mas o que faria? Aonde iria? Notou uma agitação numa avenida próxima dali. Foi até lá saber o que ocorria. Um cerco policial em frente a um banco era o motivo. Uma pequena multidão observava com uma curiosidade infantil e mórbida. Ainda sem entender exatamente o espetáculo, indagou a uma popular:
– Oi, boa tarde. Você sabe o que está acontecendo? É assalto? Tem refém ou coisa parecida?
A mulher lhe respondeu:
– Era um assalto mas virou sequestro também.
Agradeceu meio sem jeito. Admirou o esforço da Polícia em cumprir seu papel. Mas não achou suficiente em seu pensamento:
– Se eu pudesse, acabaria com toda a bandidagem!
Cansou de esperar e achou melhor saber o resultado pelo telejornal.
No dia seguinte, Cássio deixava a repartição às 16 horas. Todo dia era assim. Mas hoje, não deixou de pensar:
– Se eu pudesse…
Virou um mantra em sua mente. Parou num barzinho classe média e começou a arquitetar o que seria necessário para tornar-se um justiceiro. A única coisa ao seu alcance seria comprar uma arma; mas não sabia atirar. E se algum criminoso sobrevivesse, estaria em grande perigo. Ponderou que seria mais fácil ter superpoderes. Torceu o bigode por voltar à estaca zero. Como se faz para virar heroi? Eis sua nova questão.
Seguiu para casa e viu um menino com uma camiseta colorida, lendo um gibi. Imaginou que viraria o maior panaca do mundo mas partilhou sua dúvida:
– Ei, garoto, isso aí é de super-heroi?
Desconfiado, o menino respondeu:
– É sim. Qual o problema?
– Nenhum, nenhum. Eu só queria fazer uma pergunta a quem entende do assunto. Pode me ajudar?
Gastou toda a sua reserva de bom astral para parecer amistoso. Funcionou.
– Tudo bem.
– Como se faz para ser heroi?
– É só ajudar quem precisa, salvar quem tá em perigo, bater nos bandidos e prender o vilão.
– Isso eu já sabia! O que eu quero saber é como se consegue a vaga de heroi…
– Aí eu não sei. Acho que tem que entrar pra um grupo ou ser treinado por alguém.
– Isso é bem difícil… Toma esse trocado pela ajuda.
– Valeu, tio!
Cássio perdeu a esperança.
– Ô, tio! Quando um heroi se muda ou se aposenta, um novato fica no lugar.
– Bom saber!
Cássio foi para casa e cumpriu com sua rotina. A noite sonhou que era poderoso, amado pelo povo e temido por malfeitores. Acordou tão disposto que se aprontou para o trabalho na metade do tempo. Sua esposa o esperava à porta comum sorriso enigmático.
– Já vai com toda essa pressa meu heroi?
Heroi? jamais o chamara de algo assim ou parecido.
– Hoje as coisa vão mudar, querida. E para melhor! Tenho um plano.
– Certo, querido. A primeira coisa a mudar é essa cueca em cima da sua calça, Supercara!
***
 
Veja outros Joes e Sues trabalhando neste projeto:
Beholder não Tem Bunda! (Jacker):
Brainstorm (Allana Dilene): Sobre Fantasmas e heróis (07/mai)
Dois Contos (Elisa Gen): Outro dia de trabalho (21/mai)
Dois Contos (Dan Ramos): Reflexos (27/mai)
Juca’s Blog (Juca 999): O Cara (19/mai)
O Feudo .20 (!) (Mário Jagunço, traindo a Corrente, postando fora da bacia): Fazendo Contas (11/jul)
Rascunhos de uma Mente (Ítalo Anjos, novato): Justa vingança (05/mai)
Roleplayer (Marlon Armageddon): Heróico brado (22/mai)
RPG do Mestre (Erick Patrick): E se? (16/mai)
RPG do Mestre (Erick Patrick): A morte de um herói (23/mai)
Taverna do Goblin (Goblin):

Jaime Rangel

Jaime "JJ" Rangel é um cara de Duque de Caxias (RJ), franco, tranquilo e desmemoriado. Gosta de levar inquietação às mentes alheias. Prefere 10 inimigos sinceros a 1 amigo indeciso. Cuidado ao perguntar algo, ele responderá a verdade. E a verdade é sempre mais divertida (pra ele). Escreve/traduz/joga RPG e afins.

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Lucas disse:

    haha que triste. O fim é como um tapa na cara dado pela vida.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: