Ledd: agora sim!

Ledd, o personagem principal da série


Sim, foi 1º de abril a notícia anterior. Agora sim, temos novidades sobre Ledd, conforme vocês mesmos podem ver na entrevista (de verdade) que o JM Trevisan deu para o Maximum Cosmos. Vou seguir citando partes da entrevista que considerar importante e vou comentando.

A gente também divulgou os esboços de Drikka, uma outra personagem, mas não posso falar dela agora sem estragar a surpresa.

E a personagem feminina mostrada nos esboços finalmente ganhou um nome. A história, como vocês já devem saber, se passa inicialmente em Yuden. Será que ela seria yudeniana?

Quebrei muito a cabeça com isso junto com o Guilherme, nosso editor-chefe e um dos cabeças da Jambô, e acabamos nos decidindo por um formato que eu não sei se é inovador, mas pode pelo menos ser chamado de ousado, acho. Ledd será publicado mensalmente em um hotsite próprio — que está sendo elaborado pelo Fabio Fugikawa, antigo responsável pela diagramação e visual das revistas D20 SagaDragon Slayer — e depois encadernado em volumes a cada número X de episódios.

Tá, não é surpresa para mim, que o careca já tinha me falado isto em privado algumas semanas atrás. Mas agora posso comentar o que acho. O Tek deve discordar, mas acho que a pirataria dos produtos de Tormenta é inevitável, e duvido muito que ela afete as vendas de livros físicos. O Manual 3D&T Alpha, que teve uma versão em PDF liberada pela editora na data de lançamento, esgotou em pouco mais de um ano.

Se é assim, que ao menos o material chegue na rede pelas nossas mãos, com a qualidade que gostariamos e com a possibilidade de lucrarmos de algum modo (seja com anúncios, seja com pagamento voluntário no caso do cara que prefere ler online e só, mas ao mesmo tempo gostaria de recompensar o trabalho dos envolvidos — embora eu ainda não tenha conversado sobre isso com o Gui).

A ideia é oferecer um produto mais bem acabado no volume impresso. Além da capa colorida, provavelmente o primeiro caderno inteiro também será colorido (para o trabalho escalamos nosso amigo Rod Reis, colorista da DC). E teremos extras como esboços, notas de produção, talvez trechos de roteiros originais, tudo o que pudermos enfiar.

O formato é mais ousado que o do Manual 3D&T Alpha, em vez de lançamento web simultâneo ao do livro físico, baseado em anúncios e doações e com o passar do tempo com a venda dos volumes com material extra da série. É uma experiência bastante inovadora no Brasil, apesar de já existir nos EUA há tempos (lembra um pouco a tal idéia de crowdfounding), resta saber se vai funcionar.

No fim, Ledd acaba sendo uma mistura dessa minha visão, do que o Leonel fez e do que eu aprendi com o Cassaro. Embora tenha brincado na entrevista de primeiro de abril, eu realmente quero explorar essa possibilidade que o estilo mangá dá de misturar gêneros e climas sem prejudicar a história. Se o leitor conseguir rir e chorar em proporções iguais durante a série, sinal que a gente alcançou o objetivo. Mas tem muito chão pela frente.

Aqui vale comentar que isto, misturar gêneros e climas sem prejudicar a história, é justamente o que fez de Tormenta um cenário de sucesso.

João Paulo Francisconi

Amante de literatura e boa comida, autor de Cosa Nostra, coautor do Bestiário de Arton e Só Aventuras Volume 3, autor desde 2008 aqui no RPGista. Algumas pessoas me conhecem como Nume.

Você pode gostar...

6 Resultados

  1. Tek disse:

    1. Precisava avisar que a notícia anterior era primeiro de abril? Credo, as coisas estão cada vez piores… Eu culpo o BBB e Crepúsculo, que estão queimando os poucos neurônios que resta pro pessoal.
    2. Oba, discussão sobre pirataria. Isso vai longe.

  2. Gruingas disse:

    Gostei muito da idéia de publicação online seguida de encadernado em papel com extras!
    Estou ansioso para ler!

  3. Leo disse:

    Melhor exemplo de mistura de gêneros é o mangá One Piece, recorde de vendas a cada volume.
    Adorei a arte do Lobo Borges, congratulations guys

  4. @Al_Pride disse:

    Na minha sincera opinião é, que tem gente que gosta de ter coisas e não valorizar o artista por trás da obra. Não porque se tem de graça porque senão pode pagar por uma versão paga. Eu na época que começou a sair o Bleach eu li manga como scan, quando panini começou lançar eu comprei, idem o kickass

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: