Kobolds ate my baby! – um jogo social

Alguns RPGs são considerados “jogatinista” (gamist), outros são considerados “simulacionistas” (simulacionist), e outros ainda, “narrativistas” (narrativist). Kobolds ate my baby! – KAMB – não parece se encaixar em nenhum dos exemplos citados.


Em KAMB, você é (advinha?) um kobold! feio, baixinho, burro e esfomeado! E se você pensa que nesse jogo você vai ver o lado bom de se ser um kobold, péééé! A vida de um kobold é uma droga! Ninguém gosta de você, além disso, você é novo no bando, e sempre que o Rei Torg (TODOS SAÚDEM O REI TORG!) decide que há uma festa, isso significa que é preciso de algo gostoso para comer. O que pode ser mais gostoso do que um bebê humano? Então é hora de você ir até a vila e pegar alguns bebês para o jantar, do contrário, Rei Torg (TODOS SAÚDEM O REI TORG!) irá servir a segunda coisa mais deliciosa do mundo: kobolds novatos (você!).

O livro é uma leitura muito divertida, e o mais interessante em KAMB é o “estilo cerveja e pretzels de jogo” (Beer and pretzels roleplay) que é uma forma de dizer: relaxe e se divirta com este jogo. Como eu disse na chamada, este jogo é diferente não por um sistema de regras diferenciado ou estilo de jogo arrojado. KAMB é digno de nota justamente por ser um jogo cujo objetivo é simplesmente se divertir.

Por isso, considero que KAMB não entra nas classificações padrão, creio que ele pode ser considerado um jogo do tipo “social”, pois seu principal objetivo não é que os jogadores superem desafios (gamist), ou que os jogadores através da interpretação adequada desenvolvam uma história interessante (narrativist) ou ainda, que consigam jogar um jogo de forma que tudo que acontece seja o mais verossímil possível (simulationist). O objetivo é reunir os amigos, e gerar situações interessantes através de uma série de eventos que aparecerão durante o jogo. É gerar uma série de situações engraçadas, independente de história, objetivos ou lógica.

Aqui vale uma comparação interessante: Munchkin (se você ainda não conhece, responde aí que eu faço uma review sobre ;D) pois munchkin, apesar de não ser RPG, é um jogo de piada, bom humor, em que a seriedade é altamente desnecessária. Coincidência ou não, John Kovalic fez ilustrações tanto para munchkin quanto para a edição “deluxx” de KAMB.

Kobolds ate my baby! traz toda uma história e mecânica que foram magistralmente projetadas para um jogo descontraído e descompromissado. Criado por Chris O’Neill  Dan Landis, publicados pela 9th Level Games em 2005 na sua versão “Deluxx”.

abraços a todos e bons dados!

Ps: com relação às classificações, pretendo escrever sobre em um outro post, aguardem ;D

Você pode gostar...

3 Resultados

  1. Armageddon disse:

    Idéia genial essa do jogo hein? Realmente não conhecia, nem mesmo o Rei Torg (TODOS SAÚDEM O REI TORG!) ehuehueh

  2. Olá!
    Mais um jogo com o selo “Leishmaniose” de bizarrice. XD
    Muito doido. Parece bem divertido. Hehehehe…
    Até and Bye…

  3. Ratman disse:

    Mas como são as regras? E a mecânica?

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: