Resenha – Superman: Identidade Secreta

Existe uma certa tendência em histórias de super-heróis nos últimos 30 ou mais anos, que é de tentar mostar como seriam esses super-heróis se eles realmente existissem no nosso mundo. Apesar de essa permissa já ter nos dado algumas histórias ótimas, como a belíssima Marvels, também assinada por Kurt Busiek, a verdade é que na maioria das vezes isso se resume a aumentar o grau de violência dos roteiros e incluir alguns temas “adultos”, como uso de drogas ou aborto, geralmente sem resultados muito interessantes. É raro encontrarmos uma história realmente adulta, que surpreenda e emocione pela sua sensibilidade, como é o caso de Superman: Identidade Secreta, de longe a melhor história do Super-Homem que já li.

A mini-série de quatro edições começa nos mostrando a vida do jovem Clark Kent, um adolescente comum do Kansas com muito pouco em comum com o seu xará mais famoso, e que na verdade sofre bastante com as piadas de familiares e colegas de escola devido ao nome. Tudo muda, no entanto, quando descobre que possui mais em comum com ele do que o nome, o que faz a sua vida tomar alguns rumos inesperados, enquanto segue tentando ter uma vida normal.

O roteiro de Busiek é muito bem desenvolvido e de uma sensibilidade impressionante. A forma episódica como a série é dividida é perfeita: cada edição trata de um tema específico (a juventude, a família, etc), em uma história com início, meio e fim, que se completa no quadro maior quando lemos todas juntas. Assim, por trás das super-façanhas e conspirações governamentais, podemos ver no sub-texto toda a vida de um indivíduo especial tentando viver em meio às pessoas comuns – e tenho certeza que todo mundo já se sentiu (ou ainda se sente) de forma semelhante em algum momento da vida. E o final é realmente emocionante, como poucas histórias em quadrinhos, ainda mais de super-heróis, conseguem ser.

A arte de Stuart Immonen também não decepeciona. Em geral prefiro estilos mais caricatos à estilos fotográficos como o usado, mas deve-se considerar que, para o tema proposto, não havia como ser diferente. A narrativa gráfica é ótima, mantendo bem o ritmo da história; só o constante uso de quadrinhos de página inteira pode parecer exagerado algumas vezes, embora não chegue a incomodar.

Enfim, Superman: Identidade Secreta é uma ótima história, que consegue ser sensível e adulta sem precisar apelar pra violência ou erotismo. É o tipo de história que nos lembra de toda mágica que sentíamos quando tínhamos 8 anos e pensávamos que, ao amarrar um lençol nas costas como uma capa, poderíamos sair voando pela janela.

Por Bruno BURP

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: