Conflitos

Nem só os combates precisam ter a emoção de uma batalha!! Com essas regras, você poderá simular conflitos usando perícias em sua mesa de jogo. Regras similares à essas já foram vistos em e-books como o 3D&T Rock Band, porém aqui oferecemos uma versão genérica que pode ser usada sem nenhum problema em qualquer tipo de campanha.

Como funciona um Conflito?

Um conflito é quando dois personagens disputam usando perícias – usando Manipulação para conquistar uma garota ou argumentar em um tribunal, Arte para impressionar uma platéia, Esporte para vencer uma competição…

Assim como combates, conflitos também envolvem FA e FD, porém rolados de uma forma diferente. Em um conflito, a FA é calculada com H+1d e a FD com R+1d para testes mentais ou A+1d para testes físicos. Caso você possua a perícia necessária, recebe mais 1d de bônus tanto na FA quanto na FD; por exemplo, uma pessoa argumentando que possua Manipulação calcula sua FA rolando 2d+H, enquanto uma pessoa sem a perícia rola 1d+H. Um acerto crítico dobra a característica exigida (H para FA, R ou A para FD). Desse modo, o conflito é resolvido da mesma forma que um combate normal, com a diferença entre a FA e a FD sendo recebida como dano, porém não são causados ferimentos reais – quando você ficar sem PVs, você na verdade ficou sem argumentos, desapontou sua platéia, ficou muito cansado… Anote em uma área separada da ficha os PVs usados em um conflito.

Vantagens de combate nos Conflitos:

As vantagens de combate podem ser usadas normalmente em um conflito, existindo uma versão para conflitos de todas as vantagens de combate – ou seja, possuir a versão de combate de Ataque Especial não te dá o direito de usar a vantagem também em conflitos, por exemplo. O mestre deve adaptar a descrição de cada vantagem para a situação em que se dá o conflito; por exemplo, uma Reflexão (também conhecida como “OBJECTION!!”) seria uma capacidade de rebater um argumento tão bem que abalaria a moral de seu oponente.

Escalas nos conflitos:

As escalas também podem ser usadas sem problemas em um conflito. Nesse caso, elas poderiam indicar não apenas alguém muito difícil de derrotar, como também uma grande quantidade de pessoas. Por exemplo, a platéia que assiste uma banda famosa se apresentando em um show lotado seria um adversário Sugoi. Como pessoas difíceis de se derrotar em um conflito, um ótimo exemplo é Fujiwara no Sai de Hikaru no Go – os séculos de experiência teriam transformado o espírito em um jogador Sugoi de Go.

BECK: banda vs platéia

Você pode gostar...

17 Resultados

  1. Gostei de ver. Fez me lembrar muito os Skills Chalenges do D&D. É uma boa alternativa para aventuras sem muita troca de pancadaria!

  2. Tuxo disse:

    Muito bom. Parabéns! Esse artigo é uma otima solução de comu usar pericias nos jogos os deixando mais divertidos, pode ser usado para discussões e qualquer conflito (Afinal fazer o npc perder toda uma discussão baseada em um resultado pode ser bem ruim x_X)
    Apenas para dar uma idéia para o comentario não passar em branco xD
    Alguns modos de Adaptar Conflitos.:
    Bandas/Musica.: Tocar em uma banda é mais do que o talento individual, todos os membros devem ter uma otima sincronia para que suas melodias agradem o publico. Em termos de regras cada um dos membros rola sua FA como exemplificado no post, após os resultados o mestre soma toda as FAs e divide pelo número de membros resultando em uma FA final que ‘ataca’ a plateia(Portanto se um dos membros tirar um resultado baixo irá comprometer toda a banda). Os jogadores poderiam usar ataques especiais (Como por exemplo um solo ou uma manbobra no meio do palco). A plateia seria uma ficha npc com MUITOS pvse outros status variados xD
    Culinaria.: O mundo gastrônomico também é uma imensa batalha constante, padeiros, confeiteiros e cozinheiros se degladiam na cozinha para criar um prato melhor que o outro e se tornarem os melhores. Quando um jogador decidir cozinhar ele deve fazer um numero de ataques igual a resistência do prato que esta preparando (Sim! O prato que deseja preparar é seu inimigo), o prato por sua vez pode contra atacar com sua complexidade (1d6+Força:Complexidade). Um exemplo…
    Exemplo.:Lin Deseja cozinhar um pudim que tem (Força: 2 Resistencia 2 Armadura 1), portanto Lin tem direito a duas jogadas de ataque para zerar os Pvs do pudim e de fato conseguir fazer a sobremesa, se por algum motivo Lin ficar sem pvs ou então não conseguir zerar os Pvs do pudim a sobremesa acaba não saindo da maneira desejada
    Um valor acima dos pvs do pudim pode exemplificar uma maior qualidade. Lin poderia ter feito o pudim ficar com -4Pvs, o que exemplifica que ele não só fez o pudim como o fez melhor do que esperado!
    Bem é isso. Até o/

  3. Uchiha Dan disse:

    Bons exemplos de como usar os conflitos Tuxo =D
    E Llipe, muita gente já comentou sobre isso, então só repetindo: os conflitos são bem mais amplos que os Skill Charlenges, porque não são um desafio estático, já que seu adversário também ataca

  4. Dan, realmente não tinha notado essa característica. E realmente os Conflitos deixam o jogo mais dinâmico. Vou usar um pouco disso no “projeto secreto”.
    Um P.S.: Já tinha até esquecido que você é Editor. Tomei um susto quando vi o artigo novo! Risos.

  5. Filipi Cunha disse:

    Sensacional este artigo! 🙂

  6. BURP disse:

    Interessante, casualmente eu acabei de mandar um texto pro pessoal do Defensores que fala sobre conflitos genéricos em 3D&T =P Talvez saia essa semana ainda. Mas não acho que os dois se anulem, eles podem até se complementar em algum nível – esse teu sistema pode ser usado pra um conflito rápido em qualquer campanha, enquanto eu tentei adaptar o jogo todo pra campanhas onde o conflito principal é de um tipo diferente.
    Em todo caso, eu só não sei se a escolha de atributos foi a melhor, já que, se a idéia é se basear em perícias, geralmente a Habilidade acaba sendo levada mais em conta. E faltou também definir a diferença que faz ter uma perícia adequada ao conflito que tu tá disputando – tipo, faz bastante diferença tu debater usando Manipulação ou não… =P
    No mais, o artigo tá legal, e dá umas idéias boas.

    • Llipe Soares disse:

      Fala BURP. O artigo está bem resumido, como pode ver, passando somente um síntese básica. O Dan, autor do post, ficou na promessa de complementar o artigo, mas como está sem tempo pra nada, é bom até que vejamos lá no Defensores como vai sair. Fico no aguardo lá =p

  7. Uchiha Dan disse:

    Na verdade, a diferença entre ter a perícia ou não está no texto sim; lá no começo diz que quem possui a perícia rola 1d a mais no teste. Então, se você vai argumentar tem Manipulação, rola 2d+H ao invés de 1d+H.

  8. Rocket Rider disse:

    Bom artigo, Uchiha.
    Há um tempo atrás eu escrevi um artigo sobre combates sociais no Defensores:
    http://defensores.inominattus.com/2010/03/13/combate-social/
    Mas gostei do seu por permitir combates de qualquer tipo. É mais genérico e é bem simples, o que é bom.
    Parabéns!

  9. Uchiha Dan disse:

    Eu não fazia idéia que tinha um post de conflitos sociais no Defensores .___.
    Mas a intenção do artigo foi mesmo proporcinar qualquer tipo de conflito envolvendo as perícias, e sem nenhuma grande alteração mecânica.

  10. Vekariel disse:

    Entao passei aqui de sorte, so comentando, um sistema completo de resolução de conflitos que transforma o combate normal do jogo em combate para qualquer resolução que saiu a pouco foi o do Mecha e Manga suplemento do mutants and masterminds la nos estados unidos, ele é muito bom e caso alguem tenha oportunidade de uma olhada.
    Uchiha eu to tentando compilar um livrinho de regras opcionais para o 3dt e nele tem um sisteminha de conflitos, mas parto de outra ideia, eu tento de tudo para isolar e diminuir o uso dos atributos basicos ( força habilidade… etc) entao expandi as pericias um pouco nesta opcao.
    Em resumo é assim: tu paga um dois ou mais pontos em uma pericia ( a escolha é tua) e ganha o valor em experiencia destes pontos para distribuir entre as especializacoes, assim temos um numero para a pericia e outro para a especializacao qualquer teste de pericia ignora H ou outra caracteristica e é feito com P+E+1d fazendo uma força de ataque sendo P=pericia e E=especializacao, isto deixa um jogo um pouco mais complexo mas tira a importancia dada a H e permite ter alguem de 2 pontos com otimas pericias e profissoes mas que nao tem como lutar….=D

  11. Rocket Rider disse:

    Deixa eu jogar uma ideia aqui.
    Seria interessante se o bônus da perícia fosse fixo. Duas ideias:
    1) +6 em conflito realizando tarefas fáceis, +4 em médias e +2 em difíceis. Mas não sei, classificar o conflito como um teste de perícia soa meio estranho…
    2) +3 a cada nível da especialização. É uma interpretação que eu tenho das regras, que se possa recomprar especializações/perícias e ganhar mais bônus.
    É isso.
    Mas to pensando em outras coisas aqui. Quero ver o post do Burp também…
    Talvez eu escreva algo nesse sentindo, complementando as ideias com algo aqui.. haha
    Até

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: