Aprenda a jogar dados

Em 1969, o professor Ioseph Hastapopoullos, da Universidade de Cambridge, publicou um artigo interessantíssimo na International Roleplaying Society Magazine.

Nesse artigo, o professor demonstrava a descoberta de um modelo empírico capaz de descrever a melhor maneira para se jogar dados.

O modelo é descrito como uma função dependente de 8 variáveis, a seguir:

Manuseio

Ao se manusear um dado, é importante que o jogador o faça de forma que o dado toque na ponta dos cinco dedos da mão que o manuseia.
O professor conseguiu medir a dispersão da energia estática gerada pelo atrito nas faces do dado, e descobriu que ela ocorre de forma mais homogênia quando o manuseio ocorre dessa forma.

Alvo

O lugar onde os dados serão arremessados influi diretamente nos resultados. Para que os resultados do sorteio se aproximem mais do desejado, a superfície deve ser limpa e sem obstáculos. Não jogue os dados no tabuleiro, ou junto a miniaturas, o ideal é arremessá-los na sua frente, sobre a própria ficha do personagem.
Apenas jogando em uma superfície livre obstáculos é que você conseguirá usar as outras instruções de forma plena.

Números para baixo

A posição em que os dados se encontram em repouso é uma das variáveis mais importantes na determinação dos resultados do arremesso. Quando os números desejados encontram-se voltados para baixo, durante o repouso dos dados, a possibilidade de sorteá-los aumenta em cerca de 23%. Isto é, enquanto não estiver com os dados nas mãos, deixe os dados mostrando o pior resultado possível.

Distribuição na mesa

Os dados devem ficar em fila, alinhados, de forma paralela a borda da mesa. Caso esteja jogando em uma mesa redonda, trace uma tangente imaginária na borda da mesa, e distribua os dados de forma paralela a tangente.
Os dados não devem ficar na sua mão! O suor, como veremos a seguir, atrapalha a jogada dos dados. Mantenha os dados na mesa sempre!

Inscrição dos números

Outra variável de peso para jogadas de dados bem sucedidas é a forma como os números são descritos nas faces dos dados.
Números em “bolinha” possuem uma distribuição de massa mais homogênea (pois a soma da quantidade de bolinhas nas faces opostas é sempre 7) que outros tipos. Se você quer lançamentos favoráveis, evite dados que contenham a numeração arábica, rosas, ou caracteres élficos.

Ninguém toca no seu dado

O professor Hastapopoullos, por meio de sensores neuroeletrólitos, conseguiu provar que a energia cármica emanada por um colega jogador fica impregnada nos dados quando ele os toca. Da mesma forma, caso ele não manuseie os dados da forma correta (com os 5 dedos), a energia estática gerada pelo outro jogador desbalanceará seus dados.

Grupos de dados

Quando uma jogada necessitar de mais de um arremesso de dados (como um D100, que precisa de 2 dados de 10 faces), a probabilidade de sucesso aumenta quando você arremessa os dados juntos (ao invés de um de cada vez). O professor pôde detectar um aumento na ansiedade pelo resultado da jogada dos dados, que provocou um sensível aumento na surorese vestigial, presente nas palmas das mãos das cobaias, quando expostas a lançamentos de dados consecutivos (ao invés do lançamento em grupo).
A sudorese alterou o coeficiente de atrito entre os dados e a superfície, causando resultados desfavoráveis em 72% das jogadas.

Arremesso

O arremesso é a última variável presente no modelo. É importante que o jogador sacuda a mão, pelo menos, 4 vezes antes de executar o arremesso dos dados (a quinta vez é destinada ao arremesso em sí).
É importante que o arremesso não seja feito apenas com o antebraço, mas o punho do jogador deve fazer um leve balanço enquanto sacode os dados e executa o arremesso, como se acompanhasse o movimento e a inércia dos dados.
Evite usar copos, torres, ou qualquer outro objeto que auxilie no arremesso dos dados. Segundo o professor, é importante que a sua energia cármica esteja impregnada nos seus dados para atingir bons resultados.

***

Bem… se o meu testemunho serve para alguma coisa, eu posso dizer que utilizo o modelo M.A.N.D.I.N.G.A. e que ele funciona na maior parte do tempo. Vale a pena.

Você pode gostar...

12 Resultados

  1. Erick Patrick disse:

    Gostei muito desse post! Eu também sou adepto da M.A.N.D.I.N.G.A! Mas também posso garantir que o suor atrapalha mesmo, principalmente na hora do lançamento! Como eu já fui muuuito gordo e ainda nåo perdi o problema de suar demais (sim, sim, sudorese, mas não aquela doença que faz pingar da ponta dos dedos) os dados as vezes fogem da mão, não saem da maneira que queremos jogar… ETc etc!
    Traga mais posts assim! abraço!

  2. André disse:

    HÁ! Eu sabia que as minhas teorias encontrariam tinham fundamento! Meus jogadores me acham um maluco quando eu digo que existe técnica pra jogar dados.
    Aqui vai minha dica: se, ao jogar o seu d20, o resultado constantemente está sendo um nº par (não interessa se 2 ou 20) significa que sua técnica está apurada, e, portanto, deve ser mantida. Mas quando você tira um 19, 17 ou 15, não comemore muito sua façanha . Tome muito cuidado, pois o próximo resultado, caso você mantenha a mesma técnica de arremesso, pode ser aquele tão temido 1.

  3. odrysius disse:

    kkkkkkkkkkkkk
    Hilário!
    Muitas verdades, meu grupo também usa um bocado de técnicas e fatos científicos na influencia dos resultados, por fatores determinantes na realidade empírica, ontológica , coincidente , frente a entropia dinâmica caótica nas probabilidades dos dados… (kkkkk)
    Como:
    Jogar três vezes para testar a veracidade dos resultados.
    Se o dado tocar no dedo de alguém e parar invalida o resultado por contaminação de sorte em 1º grau.
    A distribuição do deslocamento do ar pode influenciar na aerodinâmica no aresto de resistência do dado (Esse foi hilário kkkkk).
    Fator Wendigo, não blasfemar contra esse grande espirito pois ele vira a mesa e resultados dos dados (kkkkkk).

  4. Alexandre disse:

    @ Erick: Suor nos dados é a pior coisa. Piora ainda mais quando você vira a noite jogando… Já reparou que o mundo inteiro parece melecado?
    @ André: Excelente dica! Tirar números pares é um bom indicador de desempenho para a qualidade do lançamento.
    Mas não esmoeça! Os verdadeiros gênios sempre tem suas teorias desacreditadas… Acho que é uma desvantagem da classe.
    @ odrysius: O Professor Hastapopoullos foi o primeiro cientista a pesquisar o arremesso de dados. Com certeza há espaço para novas descobertas nesse campo. Hahahahaha!
    Me amarrei no “deslocamento do ar”, hahahaha!

  5. Marcio B D A disse:

    Muito Legal o post, mas ele é tão “científico” quanto um baralho de tarot. Hehehe até dá pra acreditar em algumas coisas que ele fala, mas quando chega na energia carmica dói!
    Eu gosto de assombrar meus jogadores deixando meu d20 com o número 1 voltado pra cima perto deles. Falando que estou passando meu azar. hehehe

  6. Leisses disse:

    O Doutor Ioseph Hastapopoullos se esqueceu de um fator importante na hora da jogada dos dados em sua pesquisa. Fator esse comprovado por Australopitecus Australianus 12 anos após a pesquisa do Doutor Hastapopoullos ter sido apresentada.
    As ondas sonoras provocadas pela voz humana no momento do lançamento por parte daquele que joga os dados aumenta a intensidade da energia carmica provocada pelo contato dos dados com a mão do jogador. Através de técnicas de Visualização Do Som, Australianus descobriu que a palavra “Focus” é a mais adequada para melhorar o resultado no dado.

  7. Bruno disse:

    Muito bom esse post, eu já tinha mania de deixar o numero desejado para baixo (no caso o 20 uAIHuha) mesmo sem saber disso, mas não sei se cientificamente isso funciona mesmo, mas o suor e a massa dos números fazem bastante sentido para mim.

  8. Marcelo Dior disse:

    Texto muito, muito bom! Teria sido um ótimo texto de Primeiro de Abril.
    “Não jogue os dados no tabuleiro, ou junto a miniaturas…” além de estragar a técnica de arremesso, geralmente irrita bastante o DM!

  9. Alexandre disse:

    Hehehe! Salve, Marcelo!
    “Inexplicavelmente”, destruir a arrumação do tabuleiro, além de atrapalhar a jogada de dados, tem o efeito de causar redutores absurdos nas suas próximas jogadas, além de encontros com criaturas bizonhas e armadilhas impossíveis.
    Tem gente que diz que é coincidência. O professor Hastapopoullos diz que está tudo ligado.

  10. Nossa… Deslocamento de ar, energia cármica… hahaha
    Adorei o post xará…
    Meus jogadores tem a mania de balançar muito os dados com as mãos fechadas antes do arremesso. E tem um deles [o suicida] que finge estar sofrendo antes de cada rolagem, por ele ter conseguido um excepcional 3 quando precisava tirar 5, nessas mesmas circunstâncias…
    Cada um com sua macumbinha… haha

  11. DAMARYS disse:

    O GEITO DE TIRAR 6 NO DADO SEGURAR O NUMERO PRA CIMA E JOGAR PARAFRENTE DEVAGAR É BATATA.

  12. Jalin Habei disse:

    eu jogo o dado girando com o 20, 19, 18, 17 e 16 pra cima 😀

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: