Iniciativa #24: A Espada Prateada

Hoje é segunda-feira, dia de mais um artigo da Iniciativa 4e! Onde você encontrar o selo ao lado, esteja certo que encontrará material escrito e revisado para a 4ª edição do D&D, com posts conjuntos, temáticos, a cada quinzena.
O tema dessa semana é Dragões. E para esse tema eu resolvi apresentar a vocês um braço protetor de uma ordem de seguidores de Bahamut inclinados a livrar o mundo das maquinações de Tiamat.

A Espada Prateada

Uma organização extremamente recente dentro da Ordem de Bahamut, a Espada Prateada reune seguidores do dragão de platina que resolveram tomar uma atitude mais ativa na luta contra os males disseminados pelos deuses malignos sobre o mundo, sobretudo Tiamat, a mãe dos dragões cromáticos. Há muito a víbora dracônica tem tramado contra as ações de Bahamut e seu clero, entretanto, foi necessária a destruição de Tenéia, um importante centro de poder para os sacerdotes de Bahamut, para que os seguidores do dragão de platina assumissem uma postura mais ativamente oposta a Tiamat.
Diferente do resto do clero de Bahamut, os membros da Espada Prateada buscam fazer frente direta à Tiamat e tudo o que ela representa. Claro, eles ainda possuem compromisso com a disseminação do bem e confronto com as forças do mal de outras fontes. Mas quando o assunto é destruir dragões malignos, ninguém fará o trabalho com tanto prazer quanto um membro da Espada Prateada.

As Três Ordens Irmãs de Bahamut

Retirado do site da Wizards of the Coast

Retirado do site da Wizards of the Coast


Com a queda de Tenéia o clero de Bahamut teve de lidar com a difícil tarefa de organizar os sobreviventes e garantir que eles continuassem vivos. Para tal, aqueles capazes dividiram-se em dois grupos principais: aqueles que iriam coordenar os esforços de reconstrução e garantir a manutenção da ordem, e aqueles que iriam manterem-se prontos para defender o que restou de Tenéia de novos ataques e demais perigos. Com a construção da cidade-estado de Nova Tenéia foi apenas natural estes dois grupos evoluírem para duas ordens irmãs: a coroa dourada e o escudo bronzeado, uma encarregada de manter a ordem e a outra encarregada de defender o povo.
Entretanto, neste meio-tempo um impaciente draconato chamado de Hakaris Mão-de-Prata começou a reunir recursos e indivíduos para uma investida poderosa contra Tiamat. Ele pretendia singrar pelos planos até os domínios da rainha multifacetada e retribuir-lhe um pouco da dor que ela causou. Carismático, Hakaris conseguiu reunir algumas dezenas de soldados para sua missão suicida. Acompanhado, ele invadiu um antigo templo de Tiamat e começou uma enorme batalha. O conflito terminou com um forte facho de luz após a queda do grão-sacerdote da rainha-dragão. E foi a última vez que se ouviu falar de Hakaris Mão-de-Prata por uma década inteira.
Foi quando a cidade-estado estava pronta Hakaris Mão-de-Prata, aquele que muitos julgavam morto, regressou. Mais maduro e claramente marcado por anos de batalhas, o draconato alegou ter retornado para recuperar-se de seus ferimentos e deixar um legado mais duradouro que mero ferimento na couraça de Tiamat. Foi quando ele fundou a Espada Prateada, a mais nova das três ordens de Bahamut que têm em Nova Tenéia o centro de seu poder. Uma ordem totalmente dedicada a ser o flagelo de Bahamut sobre todo o mal, em especial aquele que vem de Tiamat.

Tamanho e Recursos

A Espada Prateada não é uma ordem grande, e por isso mesmo ela aceita membros de todas as raças e origens. Basta ter fervor por administrar a justiça de Bahamut, mesmo que seja à força. Vingadores (Livro do Jogador II) e Paladinos são as classes mais comuns de saírem desta ordem, mas seus ensinamentos podem ser aproveitados por membros de quaisquer classes divinas.
Infelizmente, dado o tamanho da Espada Prateada, a influência da ordem não vai muito além das redondezas de Nova Tenéia. Entretanto, nada impede os personagens de encontrarem um membro vagando bem além deste limite, ou quem sabe alguém que já foi auxiliado pela ordem e não ligaria de retribuir o favor prestando auxílio a um membro desta ordem.
Em termos de jogo, é possível para a ordem mobilizar aliados para fazerem serviços num montante equivalente a até 500 P.O. por semana, desde que os recursos gastos sejam investimentos para o cumprimento de missões pela ordem.

Liderança

Hakaris quase nunca é visto pelos membros da ordem. Há quem diga que ele passa boa parte de seu tempo explorando os planos, em busca de mais recursos que possa angariar para a ordem e eventualmente usar contra as hordas controladas por Tiamat.
Entretanto, os tutores encarregados por ele de ensinarem os membros da ordem estão sempre acessíveis e comumente são prestativos quando o assunto é fazer frente ao mal. De fato, o mais comum é que os personagens envolvidos com a ordem sejam orientados e recebam missões diretamente de um destes encarregados. São eles que realmente administram todos os recursos da ordem, restando a Hakaris apenas servir de figura representativa.

Uso em Jogo

A Espada Prateada é fácil de ser usada em qualquer campanha, especialmente se houverem personagens de classes divinas no grupo. Basta contratar os PCs ou convidá-los a unirem-se à ordem, e pronto! Inclusive, ela é uma boa pedida para servir de gancho para um jogador que deseje selecionar um talento de multiclasse divina.
Ele pode ser tanto uma organização patrona para seu grupo (ou ao menos para os personagens com poderes divinos de seu grupo) quanto pode ser uma fonte de aliados numa campanha maior cujos objetivos incluam confrontar dragões malignos e demais servos de Tiamat.
Caso deseje usar a Espada Prateada como a organização responsável pelo treino e aprimoramento de personagens de seu grupo, dê uma olhada nos talentos abaixo.

Talentos

A Espada Prateada busca ensinar orações de destruição do mal mais voltadas para a destruição de dragões malignos, bem como incentiva uma aproximação maior com a natureza divina e draconiana de Bahamut.
Todos estes talentos são para o patamar heróico.

Flagelo Dracônico

Pré-requisito: Qualquer classe divina, seguidor de Bahamut
Benefício: Quando você usa um poder divino que normalmente afete mortos-vivos, ele também afetará alvos com a palavra-chave dragão.

Retribuição Argêntea

Pré-requisito: Qualquer classe divina, seguidor de Bahamut
Benefício: Quando você dá um acerto decisivo contra um alvo com a palavra-chave dragão ou alguém que receba poderes de Tiamat, todos os seus aliados adjacentes ao alvo recebem um bônus de +2 em seus ataques contra ele até o final de seu próximo turno.

Sanção de Bahamut

Pré-requisito: Paladino, seguidor de Bahamut
Benefício: Sempre que um alvo com a palavra-chave dragão receber dano de seu desafio divino, ele também perderá parte de sua capacidade de recuperar poderes. Poderes que recarregam com um 4, 5 ou 6 recarregarão apenas com 5 ou 6; e poderes que recarregam com 5 ou 6 recarregarão apenas no 6. Poderes que só carregam com 6 não são afetados.

Sopro Divino

Pré-requisito: Draconato, qualquer classe divina
Benefício: Seu sopro-de-dragão passa a fazer dano radiante no lugar do tipo de dano que causava originalmente. Em adição, ele passa a receber bônus por quaisquer implementos que você venha a utilizar. Substitua a palavra-chave do tipo de dano dele por radiante.

Outros Artigos da Iniciativa 4e #9:

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: