Grifos!

Esse é um post da INICIATIVA GURPS! Esses posts são sempre conjuntos, temáticos e periódicos. Assim, de 15 em 15 dias, você pode conferir a visão de vários autores sobre um mesmo assunto.

O tema desta edição da INICIATIVA GURPS é Criaturas Míticas!

O grifo é uma criatura com o corpo de um leão e a cabeça e asas de uma águia. Como o leão era tradicionalmente considerado o rei dos animais e a águia, o rei dos pássaros, o grifo foi pensado para ser uma criatura especialmente poderosa e majestosa.
Na antiguidade era um guardião da divindade e também símbolo de seu poder.

Descrição

O grifo tem as pernas dianteiras de uma águia, com patas de águia e garras e tem quartos traseiros de um leão. O grifo tem sempre patas dianteiras aquilinas! Não confundir com a Opinicus que tem membros dianteiros leoninos, uma vez mais, estes são uma espécie distinta.

Sua cabeça de águia é convencionalmente vista com orelhas proeminentes, que são muitas vezes descritas como orelhas de leão, mas muitas vezes são alongadas (mais como as de um cavalo), e normalmente são cobertas por penas.
Grifos são considerados inimigos naturais de cavalos e unicórnios, isso se dá porque, quando não encontram comida, os grifos usam esses animais como uma fonte suplementar de alimento. A prole, extremamente rara, de um grifo com uma égua é chamada de Hipogrifo.

Hipogrifo

A idéia de que grifos e cavalos não se relacionam tem sido sugerida desde os tempos medievais, e é tão forte que produziu um ditado, to mate griffins with horses (“acasalar grifos com cavalos”), o que significa mais ou menos o mesmo que o dito contemporâneo “quando as galinhas tiverem dentes”. Por consequência disso, o hipogrifo é considerado um símbolo da impossibilidade e do amor.
(Nas minhas aventuras, não uso hipogrifos, mas uma versão marombada de grifo cuja descrição você pode ler no final do post.)

Ovos

No século 9, o escritor irlandês chamado Stephen Scotus afirmou que a relação dos grifos era estritamente monogâmica. Eles não só mantêm apenas um companheiro para toda a vida, mas se o parceiro morrer, o outro continua durante todo o resto da sua vida sozinho, e nunca volta a procurar um novo parceiro.
Os hábitos da grifo fêmea foram descritos claramente, pela primeira vez, por Santa Hildegard de Bingen, uma freira alemã do século 12. Ela ressaltou como a fêmea prenha procura uma caverna com uma entrada muito estreita, mas com bastante espaço dentro, protegido das intempéries. Lá ela coloca seus três ovos (aproximadamente do tamanho de ovos de avestruz), e fica de guarda sobre eles.
Rumores medievais mencionam que o grifo constrói um ninho semelhante ao de uma águia e que, em vez de ovos, bota safiras. No entanto, estas gemas são, de fato, uma forma rara de ovo, não safiras reais e apenas algumas raças de grifos botam ovos com esse aspecto de gema.

Outra hipótese é que, muitas vezes, animais são chamados para vigiar as minas de ouro e tesouros escondidos, e grifos são frequentemente usados nessas tarefas porque eles possuem o hábito de contar e recontar o número de gemas que vêem dentro das minas. Com isso, a poeira cintilante das gemas e do ouro se agarram às suas penas para, em seguida, cair em cima do ninho, o que pode ter sido a origem do mito das safiras em lugar de ovos.

História

Ao longo da história, os grifos e seus primos foram consideradas como animais ligados a realeza, e muitas vezes os hábitos da nobreza confirmam essa relação.
No Egito Antigo, uma criatura semelhante foi retratada com um corpo esbelto felino e a cabeça de um falcão, que é identificada como um axex, mas tais criaturas podem ter sido um dos antepassados dos grifos.
Dos dois “pássaros” sagrados de origem persa, o Homa e o Simurgh, o Homa é frequentemente descrito como parecido com um grifo. Antigos elamitas também usavam uma criatura semelhante extensivamente na sua arquitetura. Durante o Império Pérsia, homas foram amplamente utilizados como estátuas e símbolos em palácios. Os homas também tiveram um lugar especial na literatura persa como guardiões da luz.

Cítia

Era dito que os grifos habitavam as estepes da Cítia, da Ucrânia moderna até a Ásia central. Lá, ouro e pedras preciosas eram abundantes e quando desconhecidos se aproximavam para recolherem as pedras, as criaturas pulava em cima delas e rasgava-os em pedaços. Os citas utilizavam ossos gigantes petrificados encontrados nesta área como prova da existência destes grifos e, consequentemente, mantinham estranhos longe do ouro e das pedras preciosas.

Grécia Antiga

Na arte grega arcaica, caldeirões de bronze eram equipados com cabeças de bronze de grifos decom bico escancarado, orelhas proeminentes e muitas vezes um topete no crânio. Eles apareciam com tal regularidade que eles são considerados um gênero, o Griefenkessel, por especialistas. O caldeirão grifo foi uma invenção grega de 700 AC, quando são vistos os primeiros exemplos martelado sobre moldes em vez de elenco.
Na literatura grega, as lendas citas são refletidas por contos de escritores helénicos de grifos e autores dizem que o grifo de Aristeas “, tinha uma envergadura de cerca de três metros, e fazia ninhos nos penhascos inacessíveis nas montanhas asiáticas. … O ouro da região é bastante real e ainda é extraído hoje. ”

Em todo caso, contos de Aristeas eram ansiosamente relatados por Heródoto (484 aC-c.425 aC) e Plínio. Ésquilo (525-456 aC), em Prometeu Acorrentado, tem Prometeu a advertir Io: “Cuidado com os cães-de-bico afiado de Zeus que não latem, os grifos”.
Em sua descrição da Grécia, Pausânias (século 2), diz: “grifos são animais como leões, mas com o bico e asas de uma águia.”

Lendas medievais

Uma garra do grifo tem propriedades medicinais e uma de suas penas poderia restaurar a vista aos cegos. Taças esculpidas das garras de grifo (na verdade, chifres de antílope) e ovos de grifos (na verdade, ovos de avestruz) eram altamente valiosos nas cortes medievais européias.

Na heráldica

O grifo é normalmente visto em carga na heráldica. De acordo com o Tractatus de armis de João de Bado Aureo (século XIV), “o grifo em carga de armas significa que o primeiro homem a mostrá-la era forte e combativo, em quem se encontrou duas naturezas e qualidades distintas, as da águia e o leão. “Como o leão e a águia foram ambos figuras importantes na heráldica, é surpreendente que a sua combinação, o grifo, também tenha sido uma escolha frequente.

Bedingfeld e Gwynn-Jones sugerem uma razão muito mais belicosa para a sua escolha como um estandarte: Isso por causa da antipatia amarga entre grifos e cavalos, um grifo carregado em um escudo devia incutir medo nos cavalos de seus oponentes. Eles também observam a primeira aparição da heráldica grifo em Inglês, em um selo de 1167 de Richard de Redvers, conde de Essex. (Contudo, outros escritores citam outras datas para sua primeira aparição.)
Na heráldica, os grifos são geralmente mostrados voltados para o lado direito do portador do escudo, de pé sobre uma perna com a outra perna e as duas patas traseiras levantadas. Esta postura é descrita na heráldica franco-normanda como “segreant”, um termo normalmente aplicado apenas aos grifos (mas às vezes também aos dragões). O termo genérico para esta postura, usado para descrever os leões e outros animais, é “galopante”.

Item mágico sugerido

Capa alada do grifo:
Dá ao usuário a capacidade de vôo, independente do seu próprio peso. No entanto, o encantamento é prejudicado pela quantidade de peso que o usuário carrega consigo.
A velocidade de deslocamento e a força da capa para propósitos de cálculo de carga é igual ao nível da magia do conjurador (normalmente 15).
Dobre o redutor no deslocamento normalmente aplicável para o cálculo da velocidade final.
Se o nível de carga chegar a “pesado”, a capa não funcionará.
As penas da capa ainda são capazes de prover 20 pontos de mana ao usuário, como uma gema de energia normal.
Custo: $62500

Dados do grifo (Essa é uma versão minha, não a oficial!)

ST25
DX14
IQ5
HT15/25-35
Velocidade 6 no chão, 25 no ar
Esquiva 10
RD2
Vontade 11
Percepção 14
Peso entre 550-640kg
Tamaho 3 hexágonos
Ataca agarrando, rasgando e bicando causando 2D+1 (perfurante, com o bico) e 5d-1 (corte, com as garras)

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: