Rompantes de Cura

Ocorreu no EnWorld.org uma discussão a respeito dos efeitos de rompantes de cura {healing surges} na 4E. Eis a resposta do Chris Simms, da Wizards of the Coast, sobre o assunto:

O segundo fôlego e mesmo os poderes de cura possuem em jogo o resultado óbvio de aumentar o valor dos pontos de vida. O cerne da questão é: O que os pv representam? Se eles não representam apenas o dano físico, e eles não representam só isso, então um chamado poder “de cura” pode ser apenas um reforço na determinação de um dado personagem de continuar batalhando – ou pode ser o que quer que o mestre e jogadores decidam que significa dentro da narrativa naquele momento. A prova disso é que o warlord possui fonte de poder marcial, que não é completamente desprovida de magia mas é definitivamente menos mágica que as outras fontes. Ainda assim, o warlord possui poderes de cura, o que meus jogadores adaptam na narrativa como palavras inspiradoras, encorajamento, ou uma ordem como “passe sujeira em cima e volte para a luta, soldado!”. Com o clérigo é realmente algo do tipo “Pelor curará seus males”.Rompantes de cura, no geral, precisam de gatilhos. O segundo fôlego é um gatilho, normalmente usado uma vez por luta. Outros gatilhos incluem poderes de cura e itens, ou o uso apropriado da perícia Cura. Eu não acho os rompantes de cura bregas neste contexto, mesmo que às vezes o brega seja chique. Neste contexto cinematográfico, eles faem sentido.
Sobre o segundo fôlego, todos nós assistimos filmes e lemos histórias onde o herói simplesmente não caia no chão de vez. O segundo fôlego dá esse tipo de controle ao jogador. O que isso significa na narrativa, de novo, é aquilo que o mestre e jogadores decidirem que significa. É uma oportunidade de expandir a narrativa, e não é mais brega que um herói de filmes de ação de luta se erguer do chão e dar mais algumas muquetas nos caras malvados. O D&D foca neste tipo de ação, e é com você imaginar a ação.
O mesmo vale para o bloodied {ferido?}, que é um estado no qual um personagem mostra sinais de fraqueza ou de estar machucado. Eu consigo imaginar todo tipo de habilidades tendo você ou seu inimigo estar bloodied como gatilho. Algumas das pessoas que postaram apontaram esse tipo de oportunidade de narrativa, como o yuan-ti ver que te pegou com as cordas e dando um ataque seguro por causa disso. E é isso o que estas mecânicas são — oportunidades de narrativa, ou se preferir, interpretação.
Nenhuma destas abstrações do D&D 4e estão fora da capacidade imaginativa para explicá-las de uma maneira divertida dentro da narrativa do jogo. Eu não consigo concordar com os argumentos em contrário.

Fonte: EnWorld.org

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Ricardo Loke disse:

    Só espero que a luta não dure mais ainda. Percebi que algumas coisas da jogabilidade ficaram mais rapidas, mas nao entendi ainda esse Bloodied!!! É um nível de PV? Acabou o perimeiro tem o segundo? É um limite? Taba olhando a ficha do Pit Fiend e fiquei imaginando oq era aquilo.

  2. Glauber disse:

    Bom dia, Ricardo, tb to achando essa jogabilidade meio estranho, sem sombra de duvidas a turma ta “confundindo” com algo mais eletronico.
    Agora, em relação a cura, eu fiz uma regra que, talvez, seja parecida com a q vao usar nesse 4 edição.
    Eu faço assim, quando um personagem atinge a metade de seu PV total, ele começa a sangrar, e assim perde 1 pv por rodada ate chegar ao 0 ou alguem ir ajuda-lo. Porem, no caso da tolerancia, eu conto com 75% de perda do pv total do inimigo para começar o sangramento.
    Nao sei se eles fazem assim, mas se for seria bem logico.
    Espero ter ajudado com minha sugestao, fui…

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: