Seminário da GenCon

Um usuário do EnWorld.org (como não poderia deixar de ser) chamado ashockney foi ao seminário de perguntas e respostas sobre a 4E na GenCon e compilou bastante informação. Vocês podem conferir as notas originais dele na página inicial do EnWorld.org. E como virou tradição (há-há, claro, uma tradição de dois dias), aqui tem uma versão traduzida delas.

Observação: parte destas informações já foi revelada. Entretanto, essas partes foram mantidas para manter as notas mais fiéis ao original enviado pelo usuário.

Nós queremos saber as classes e raças básicas da 4E. “Não, nós queremos que vocês assinem o D&D Insider”. – Chris Thomassan
(Star Wars) Saga é uma prévia de muito da 4ª Edição.
Os monstros ainda terão tipo e subtipos iguais aos que possuem hoje? Muito diferente. Monstros cumprirão com seus “papéis” nos encontros. Tudo aquilo que o Mike disse no site da Wizards, é tudo 4E. Mike está no time de design.
Os 30 níveis serão 30 fatias menores do mesmo bolo ou serão os 20 níveis originais mais outra metade de outro bolo? 1-10 Heróico, 11-20 Paragon, 21-30 Épico. Aqui está uma enorme citação do Chris, “Muitas coisas mudarão, e vamos colocar a maior parte delas como prévias no D&D Insider, mas eu asseguro vocês que o Beholder ainda terá apenas 9 olhos”.
O time que tem trabalhado na 4ª Edição há dois anos. Bill Slavicsek. Líderes (de design de regras): Rob Heinsoo, Andy Collins e James Wyatt. Bill, Andy, Mike Mearls e Rich Baker eram os que estavam à frente do projeto. Fazendo playtest em campanhas na WotC (i.e: no jogo do David Noona) pelos últimos meses.
Administração de Recursos: Todas as classes possuem papéis definidos – um guerreiro não será penalizado por ser um “tanque”, um “curandeiro” nunca será penalizado por curar, um mago nunca será penalizado por lançar mísseis mágicos.
Todos os personagens possuem (habilidades) à vontade, por encontro e por dia. que eles terão de administrar.
Nada de magos puxando bestas. Você nunca será penalizado por fazer aquilo que você faz melhor – seu papel claramente definido.
Os encontros serão construídos de forma diferente na 4ª Edição. Haverá um peso muito maior da situação e complexidade do ambiente: pontes balançando, lava, etc. Um encontro será como uma cena de uma peça – pode ser conversar com o guarda da cidade, pode ser defender uma ponte da cidade, pode ser atravessar a face de uma montanha para entrar num templo de Asmodeus.
Haverá mais monstros para os PCs lutarem. É mais divertido desta maneira. Haverá pouquíssimos encontros criados para serem todos os PCs contra um cara grande, forte e mau. Haverá mais mecânicas criadas para dar uma ajuda aos monstros e estas são mecânicas fundamentais para os papéis. Um ettin ficaria falando consigo durante o encontro. Este é o “papel do monstro no campo de batalha”, é assim que ele reage.
A cortina de fumaça está muito mais interessante. Quando você encontra um orc, ele não é um conjunto de estatísticas específicas. Ele tem um papel bem definido, e você não saberá qual é até a hora em que ele usar o que tem no campo de batalha.
Aumento da magia em todos os aspectos do jogo.
O Monster Manual é um livro de 288 páginas, com mais de 300 monstros. Novo formato para os blocos de estatísticas e maior facilidade de uso.
Narração cooperativa. O mundo do D&D será pontos de luz num grande mundo escuro, com espada e magia (fantasia medieval). Muitos espaços em branco no mapa.
Greyhawk não será o cenário padrão dos livro básicos. Nós queremos salientar os aspectos das partes conhecidas de um mundo de D&D – Mordenkainen, Bigby, Vecna, Llolth, Tiamat, Asmodeus, etc. Entretanto, nós também queremos fazer referência à grandes mitologias, que são mais conhecidas, como Thor, etc.
Mais opções, não restrições. Todos serão membros úteis do grupo, sem personagens chatos em função do azar.
Sistema de magia vanciano – há um elemento que nós mantivemos, mas é uma fração bem menor do poder geral. Um mago nunca ficará completamente sem magias. Eles poderão gastar todas as suas “espadas de mordenkainen”, entretanto.
Sistema D20 – este ainda é um jogo do sistema d20. Nós nos livramos das partes que não ajudavam, mas a maior parte das coisas continuará existindo.
Sistema de perícias – familiar, mas truncado. Nos livramos de alfaiataria, usar cordas, etc. Foco nas perícias que são realmente úteis num encontro. O (Star Wars) Saga Edition é um avanço significativo e deve ser considerado uma prévia. O mesmo vale para profissão, etc. Nós queremos os personagens rolando acrobacia, blefar, saltar, etc. Nenhum personagem ficará travado no 10º nível dizendo “é, eu nunca investi naquilo”. Esconder-se e Futividade foram unidas. Agora as perícias são uma parte importante do seu personagem, e aí vai como aplicá-las num encontro. Ela raramente será um teste e acabou, agora é: eu faço um teste e eles reagem a ele. O que acontece agora?
O foco primário será os produtos físicos (Player’s Handbook, Monster Manual e Dungeon Master’s Guide).
Living Greyhawk – chegará a um desfecho triunfante no próximo ano. E então eles recomeçarão com um novo lote de personagens e jogadores. Isto será discutido nesta noite ou amanhã.
4 partes da 4E: Produtos físicos, Comunidade, Organized Play – convenções, torneios, etc. Trabalhando mais de perto com o R&D (equipe de design e desenvolvimento) para integrá-los. Chris Tulac (?), parte do playtest, participou desde o início. Ofertas digitais. Pense nisso tudo como o segundo DVD de extras.
Criação de Personagens:Menos árvores de talentos, maior facilidade para os personagens trocarem de habilidades e tentarem coisas diferentes. A cada nível, do 1 ao 30, o personagem terá opções interessantes de desenvolvimento.
Personalizar e especializar seu personagem está mais importante, é uma das coisas mais poderodas da 4ª Edição. Se você é um bárbaro, você não é um frenzied berserker (bárbaro frenético, em português). Se você é um bárbaro, você o será por sua carreira inteira. O frenzied berserker e o guerreiro urso estarão lá no final.
Multiclasse – muitas escolhas interessantes. Um guerreiro que brinque de mago ou brinque de clérigo é algo atraente. O irmão de Andy está jogando com um ladino mago e disse na conversão que este era o personagem que ele queria jogar desde o início. As escolhas e os poderes são bons de ambos os lados. Ataque pelas costas, lança orbes cromáticos ao longo da sala, então teleporta para o outro lado. Não tem mais o “guerreiro de merda” num pacote com o “mago de merda”.
O XP continua, e para aqueles desconfortáveis em avaliar a quantidade só com um olhar, ele terá um momento certo para subir de nível. Muito mais fácil para o mestre. Eu vou construir um encontro de nível 8, totalizando 8000 de xp; este mais este = 8000, pronto! Sem tabelas. Monstros têm um nível, da mesma forma que os personagens. “Um grupo x grupo” de 5º nível é o mesmo que um encontro de nível 5 no sistema atual.
Grupos de 4 jogadores como a base? Eles estão planejando algo em torno de 5. Encontros são mais modulares, e agora que tem tantos está muito mais fácil de escalonar. A maior parte das informações aponta que80% dos grupos por aí são composto por 4 a 6 jogadores.
Iron Heroes vs 4ª Edição – Mike: Sim, há algumas semelhanças, ie: colocaram maior ênfase na classe do que nos itens mágicos dos personagens.
D&D Insider – DRM, Download vs visualização on-line. Ainda estamos investigando, edições digitais serão usáveis sem estar conectado. Livros – Você precisará estar conectado para usá-los. Ainda tentando descobrir como fazer isso funcionar para vocês e para nós.
O Mago e o Feiticeiro vão se mesclar? Não. Quantas classes? Mais de 3 e menos de 15, vejam os “pré-lançamentos” no Wizards.com.
“Nós criamos uma expressão em discussões passadas, o ranger mata o scout e pilha o cadáver… Desculpe Scout, você não vai aparecer. Mas agora o Ranger está bem mais legal porque ele tem as suas coisas”.
Sabe porque o feiticeiro está no jogo (3.5)? 1/3 do Livro do Jogador estava dando apoio a apenas uma classe, por isso o feiticeiro apareceu.
Raças monstruosas? Você ainda poderá fazer bárbaros kobolds? Nós não limitaremos a forma como nós construímos monstros para fazê-los funcionarem direito. Sabemos que há monstros que se tornarão raças de personagens. Por exemplo, será óbvio como jogar com um PC goblin com as informações do monster manual e do player’s handbook.
Serão os autores do D&D Insider considerados oficiais? Sim, é nossa intenção tratar este material como parte integral do jogo e dos cenários de campanha.
Será a tendência um fator importante na nova edição? Não será o que é agora. Tendência é parte da história, parte do personagem. É uma simplificação, mas muitos livros e jogadores confundem ela com uma limitação. Nós queremos tratar as tendências como algo maior que isso. Não nos livraremos dela, mas não queremos que seja uma substituição para a personalidade e caráter.
Compatibilidade de plataformas? Começaremos com o PC, porque é o computador mais comum.
Quando poderemos começar a jogar? Aventuras sairão em Abril, com regras para começar a jogar. Você pode começar cedo. Todo o ótimo conteúdo das revistas Dragon e Dungeon será para a 4E. Nós podemos começar a jogar um mês antes.
Criação de itens mágicos – eles não cobrarão XP. XP não é um recurso a ser gasto.
Forgotten Realms será o primeiro cenário suportado pela 4E. Eles eventualmente aparecerão todos, muito do material deles estará disponível mais cedo no D&D Insider.
Toda aventura que pusermos na revista Dungeon será portável para a Mesa de Jogo Digital.
Criação de Itens Mágicos. Nós tentanos nos enganar com o fato de que seria caro, mas começamos a reconhecer que com a Criação de Itens Mágicos nós precisaríamos olhar melhor o planorama geral. Não haverá regras para a criação de itens mágicos pelos mestres porque percebemos que mesmo nós, designers profissionais de jogos, não acertamos sempre ao usar aquele sistema. Nós vamos dar vários e vários exemplos e sugerir que você os crie, teste e etc. Será mais fácil para um mago criar itens mágicos?
Sim, personagens poderão criar itens mágicos, será uma forma deles conseguirem coisas. Mas será mais fácil e flexível. Em duas semanas haverá um artigo com uma prévia no D&D Insider. Três lançamentos por semana (este sairá na quarta).
Filosofia de design das raças. Tem um tiefling no Player’s Handbook. Poderá haver também um changeling (de Eberron). Apenas o Mike falou, haverá uma diferença SIGNIFICATIVA entre as raças que fará o guerreiro anão e o guerreiro elfos bem distintos entre si.
Continuaremos com Níveis Efetivos de Personagens? Este é um bom exemplo de algo aplicado ao jogo para ajudar algumas coisas a funcionarem melhor. Nós não queremos recriá-los. Não te daremos regras para jogar com um guerreiro cão teleportador… Haverá mais opções, entretanto, e nós queremos ter certeza de que todas elas serão possíveis desde o primeiro nível. Se, por acaso, nós colocamos um tiefling no PH, nós queremos ter certeza de que ele será jogável desde o início. Então, por exemplo, nós poderemos fazer muitas das outras raças um pouco mais legais para poder manter o equilíbrio entre as raças.
Grazzt estará no Demonomicon no D&D Insider em Outubro.
AdO – Não serão a mesma coisa, mas os conceitos estão todos lá. Perceba que algumas coisas ainda estão em desenvolvimento. Nada foi terminado ainda.

—————-
Ouvindo: Lodger – Radio
via FoxyTunes

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Me parece promissor…

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: