Tormenta: principais fortificações de Deheon

Este artigo faz referência a regras para sítios e assaltos a fortificações apresentadas neste artigo. Valkaria (para assaltos, fortificação suprema, para sítios, fortificação pesada) A maior cidade do mundo é […]

Este artigo faz referência a regras para sítios e assaltos a fortificações apresentadas neste artigo.

Valkaria (para assaltos, fortificação suprema, para sítios, fortificação pesada)

A maior cidade do mundo é também uma das mais fortificadas, exigindo o emprego de centenas de milhares de soldados e milhares de armas de cerco, como os minotauros descobriram durante as Guerras Táuricas, para sequer pensar em um assalto. E desde então a cidade ficou ainda mais fortificada, adotando uma nova ideia em engenharia militar, desenvolvida pela Universidade Imperial, na reconstrução das muralhas.

Chamada de fortificação abaluartada pelos professores da universidade, e também de traço valkariano por estrangeiros, as seções reconstruídas agora carregam um traçado irregular, de forma que atacantes tenham que se deixar flanquear pelo defensores nas muralhas para tentar um assalto, ao mesmo tempo que torna a muralha mais resistente a armas de cerco.

Como as novas seções são muito mais fortes que as antigas, muitos generais tem defendido a reconstrução total da muralha nos novos moldes, mas os custos e o risco de deixar a capital sem fortificação por meses ou anos enquanto a nova muralha é construída tornam essa uma possibilidade muito remota.

Além da milícia de Valkaria, a capital é protegida pelo exército, que tem um centro de treinamento na cidade, pelo Protetorado do Reino e pelos Mosqueteiros Imperiais, além de milhares de aventureiros que podem ser encontrados na cidade a qualquer momento.

Apesar de ser tão fortificada, Valkaria é extremamente vulnerável a um sítio. A cidade não possui uma fonte de água local, dependendo de três aquedutos que, se destruídos por uma força hostil, forçam a cidade de um milhão de habitantes a depender de reservas que podem se esgotar rapidamente.

Villent (Fortificação pesada)

Há até cinco anos atrás Villent se preparava para a praticamente inevitável guerra contra Yuden, então comandada pelo rei Mitkov, mas agora essa parece uma possibilidade distante. Como herança destes tempos ficou o enorme incremento da fortificação da cidade, que reformou as muralhas, construiu novas armas de cerco, cavou um fosso e o encheu de água e, dizem, monstros aquáticos!

Além das muralhas, Villent também conta com milhares e milhares de soldados tanto na milícia da cidade quanto servindo aos inúmeros ricaços que fazem da cidade seu lar, sendo que estas tropas são melhor equipadas e treinadas do que o normal graças aos recursos vultosos de que a cidade dispõe.

Linha Teldiskan (fortificações simples)

Não exatamente uma fortificação em si, mas uma seqüência de dezenas de pequenas fortificações ao longo das Uivantes e das Montanhas Teldiskan, que formam uma linha defensiva cujo principal objetivo é avisar Valkaria de movimentações de tropas táuricas que tentem usar o caminho das Uivantes.

Por causa do clima glacial, estes pequenos fortes podem causar perdas de milhares em qualquer legião, pois um sítio em tais condições climáticas é inviável e deixar os fortes incólumes custaria a linha de suprimentos, tornando assaltos a única maneira possível de fazê-los cair. Segundo os generais e estrategistas imperiais a Linha Teldiskan torna uma invasão pelas Uivantes tão custosa que seria tolice até mesmo tentar tal manobra.

Navegue pela série<< Tormenta: Como Deheon faz a guerra?       Tormenta: escolas militares de Deheon >>

Sobre Nume Finório

João Paulo Francisconi, entre outras enormes perdas de tempo, é blogueiro há dez anos, escreveu para a finada Dragon Slayer, publicou alguns livros de RPG e assistiu quatro episódios de Punho de Ferro.