O Bestiário dos Filhos da Calculadora

Na era dourada dos blogueiros de RPG, quando ficávamos disputando views no Ranking Cinza e tentando cada um fazer matérias mais atuais e instigantes que os outros, haviam dois blogs […]

Na era dourada dos blogueiros de RPG, quando ficávamos disputando views no Ranking Cinza e tentando cada um fazer matérias mais atuais e instigantes que os outros, haviam dois blogs especializados em Gurps, que arrisco dizer, eram referência para material produzido para o sistema. Um deles era o Gurps Nation, onde tive a honra de escrever e de onde trouxe todo meu material para postar novamente no Rpgista. O outro era o Filhos da Calculadora.

O Filhos da Calculadora era tocado inteiramente por um grupo de jogo de Aracaju, que publicava principalmente material da adaptação deles de Forgotten Realms para Gurps, e era um trabalho feito com muito detalhismo. Vários kits, monstros, personagens e pedaços do cenário foram adaptados e publicados pelos autores Allan Alves Franco (Foxlau), José Tarcísio de Oliveira Filho e Márcio Machado Ribeiro (JamesFoxBR).

Tudo tem um fim, e eventualmente o grupo de jogo acabou e o blog saiu do ar. Contatei os autores eventualmente para saber se algum backup havia restado desse material, como foi o caso do Gurps Nation, mas infelizmente todos os artigos se perderam no limbo da internet. Um único artefato foi resgatado daquela era, e eu apresento o resultado dessa expedição arqueológica aqui:

O Bestiário dos Filhos da Calculadora.

Esse é um dos mais impressionantes artefatos remanescentes de uma era dourada da civilização gurpeira. Quando ideias eram trocadas livremente em comentários em blogs, antes do advento das redes sociais tóxicas. Esse tomo contém a adaptação completa de todos tipos de dragões de D&D, de todas categorias de idade, para Gurps. Além disso ele contem um sortimento de monstros do Manual dos Monstros não encontrado em nenhum outro bestiário de Gurps, seja oficial ou feito por fãs, com destaque para alguns mortos vivos poderosíssimos que nos fazem imaginar como seriam as campanhas daquela época.

Com a apresentação desse artefato para sua apreciação, encerro essa reunião da sociedade arqueológica rpgística.

Sobre Hackbarth

Tiago Hackbarth é um gaúcho de Porto Alegre, computólogo, rato de biblioteca, rpgista, brony, ateu, furry, linux-user e nerd. Não necessáriamente nessa ordem.
Nas horas vagas escreve para o Roleplayer e monta miniaturas de papel. Quando surge uma oportunidade, mestra Gurps.