D&D, D20 e OGL – Nariz de porco não é tomada

Ainda há muita gente com dúvidas à respeito das diferenças entre D&D, d20 e OGL. Apesar do Dungeons & Dragons 3ª Edição ter sido lançado lá fora há mais de […]

Ainda há muita gente com dúvidas à respeito das diferenças entre D&D, d20 e OGL. Apesar do Dungeons & Dragons 3ª Edição ter sido lançado lá fora há mais de seis anos (Agosto de 2000), aqui no Brasil não é muito comum ver grandes debates sobre o funcionamento destas licensas. Seja por desinteresse ou simples desinformação, ainda há muita superstição e achismos por parte dos jogadores brasileiros. E provavelmente seja por conta disso que um assunto tão simples tornou-se um verdadeiro bicho de sete cabeças.

Eu vou tentar dar uma explicação sucinta sobre o que é cada um. E por favor, sintam-se livres para fazerem quaisquer perguntas e também para me corrigirem ou ratificarem de qualquer forma o que está escrito aqui. A minha intenção é realmente oferecer uma explicação bem completa.

Comecemos pelas definições:

D&D

Selo do D&DEstes são os livros lançados pela Wizards of the Coast e editoras que pagaram por uma licensa especial (como é o caso da Kenzer & Company, e até algum tempo da Sword and Sorcery). Seus livros carregam o selo do D&D e seu material não precisa apresentar Open Gaming Content.

Exemplos: O próprio Dungeons & Dragons, os cenários Eberron, Forgotten Realms, Kingdoms of Kalamar, Ravenloft.

D20

Selo d20Estes são os livros lançados por outras várias editoras. Eles carregam o selo d20 e uma cópia da Open Gaming License e outra da d20 System License – sim, livros do Sistema d20 devem seguir ambas licensas. Devem apresentar um mínimo de 5% de Open Gaming Content. E não podem apresentar sistema de geração de habilidades, evolução de personagens ou modificações no processo de criação de personagens

Exemplos: O BESM d20, os cenários Crônicas de Avalon, Neokosmos, Reinos de Ferro, Tormenta, Vikings.

Open Gaming License

Mais conhecida como OGL. São os livros que respondem à Open Gaming License, mas não à d20 System License. Eles podem aproveitar o texto do System Reference Document (SRD), do d20 Modern SRD ou de quaisquer outras fontes de Open Gaming Content como preferirem, inclusive com a criação de novas etapas no processo de criação de personagens ou sistemas novos de geração de habilidades e/ou evolução dos personagens. Entretanto, eles não podem carregar nenhuma referência de compatibilidade com o Dungeons & Dragons ou Sistema d20.

Exemplos: Aqui no Brasil temos o 4D&T, o Ação!!! e o Primeira Aventura. Lá fora existem muitos mais. Arcana Evolved (que em breve terá uma versão traduzida, sob o nome de Arcana Evoluída), Iron Heroes, Mutants and Masterminds (que também terá em breve uma versão traduzida, Mutantes e Malfeitores), Spycraft, True20.

Outros termos importantes:

OGC

Esta é a sigla para Open Gaming Content. Material Aberto de Jogo. Isto é, material que pode ser aproveitado em outras publicações que façam uso da OGL. São pedaços de materiais publicados sob a Open Gaming License (quase sempre regras) que podem ser reaproveitados diretamente em outros livros ou servir de base para a criação de regras novas.

Exemplos: O exemplo mais conhecido de todos é o SRD. Mas existe muito mais material OGC do que ele. Pode abrir qualquer livro com o selo d20 na capa e procurar pela cópia da licensa OGL (qualquer material publicado pela OGL precisa ter uma cópia da licensa). Perto do texto da licensa, ou na folha de rosto do livro, haverá um pequeno texto explicando quais porções do livro em questão são OGC e quais são “product identity”: a parte que é realmente propriedade do livro e não pode ser copiada.

SRD

Esta é a sigla para System Reference Document. Documento de Referência do Sistema. Isto é, o documento que apresenta as regras básicas do jogo, que servirão de referência para aqueles que pretendem fazer material compatível ou usar aquelas regras para desenvolver seu próprio jogo OGL. As regras do SRD estão lá para serem usadas e alteradas à vontade, o que pode tanto ser bom quanto pode ser ruim. Com regras liberadas desta forma fica simples diferenciar material OGC de material não-aberto e você desobriga àqueles que querem lidar com o seu material aberto de comprarem o livro para ter acesso a ele. Entretanto, isso facilita algumas explorações, tais como alguém compilar suas regras em outro livro.

Exemplos: O SRD mais conhecido de todos, e freqüentemente chamado apenas de “o SRD” é o SRD do D&D. Além deste existem vários outros, como o SRD do d20 Modern e o SRD do Anime d20 (que é como chamam o SRD do BESM d20).

Como tudo isso funciona junto?

O OGC que forma a base da idéia geral de tornar o Sistema d20 um sistema aberto. Por haver um pedaço grande das regras disponível para ser usado por qualquer um você abre a possibilidade de diversos autores diferentes criarem livros que possam ser usados todos em conjunto (mas que ainda assim todos necessitem dos três livros básicos do D&D – ou ao menos do Livro do Jogador, para serem usados).

Além disso, com as regras disponíveis desta forma e ainda por cima uma licensa que permita a qualquer um usar aquele material aberto como base para criar seu próprio sistema OGL também cria-se uma situação bastante interessante: você pode ter vários jogos diferentes, com temáticas e sistemas distintos, mas que seguem mecânicas sempre familiares a quem já aprendeu a jogar com um destes sistemas. Isso aumenta a velocidade de aprendizado de novos sistemas, o que é pode ser um incentivo adicional aos jogadores.

É daí que vinham muitas das acusações do d20 querer tornar-se o “Windows do RPG” ou o “Um Sistema para a Todos Dominar”.

Sacou?

Sobre CF

Carlos Frederico "CF" é formado em Publicidade e atualmente estuda Direito sob a alegação de que cansou de ser advogado de regras e agora quer virar juiz. Ele já escreveu umas coisas por aí para revistas, livros e sites de RPG.