Tormenta RPG: Sobre Golpes de Misericórdia

Mais um da série “Jamil estava fazendo outra coisa, mas sua mente borboleteou em direções imprevistas e eis uma solução que ninguém pediu para um problema que talvez não seja tão problemático assim”… na edição de hoje, golpes de misericórdia.
Muito mestre já sofreu com essa mecânica. Alguns jogadores com mestres particularmente assassinos também. Vamos recordar o que as regras dizem a respeito:
Golpe de misericórdia. Você desfere um golpe letal em um oponente adjacente e indefeso. Um golpe de misericórdia é um acerto crítico automático. Além de sofrer dano, a vítima deve ser bem-sucedida num teste de Fortitude (CD 10 + dano sofrido) ou morrerá.
Essa mecânica não é novidade do Tormenta RPG, claro. Ela está presente no jogo que forneceu o esqueleto para o sistema (D&D 3.5), e ainda pode ser encontrada em muitos outros derivados de Dungeons & Dragons. Uma coisa que eu acho interessante (leia-se ruim) nos golpes de misericórdia é que essa foi uma mecânica que a 3ª edição trouxe pra simular coisas como “alguém conseguir matar o rei Fodalhão (bárbaro 20) com um plebeu de 1º nível que pegou ele dormindo”. Pra mim, pelo menos algumas pessoas da equipe de design desse jogo eram extremamente simulacionistas.
O problema é: ela é uma mecânica legal e boa pra simular o personagem de nível baixo aproveitando um momento de sorte pra matar um personagem de nível impossivelmente alto. Mas também é uma mecânica que permite aos personagens jogadores matar com uma facilidade tremenda, já que eles em geral são otimizados, sendo capazes de causar muito dano, ou até guardam uma picareta na mochila só pra fazer Trostsky de piñata (piadinha tasteless né) quando a oportunidade de aplicar golpes de misericórdia se apresenta.
Por conta disso, me parece que pra representar essa provável letalidade dos golpes de misericórdia, a mecânica pudesse ser menos dependente de nível, e ser uma simples chance de X% de sobreviver ao ataque. Não importa quem faça, nem usando qual arma, nem sua Força, nem nada. Se o alvo sobreviver, ainda sofre o dano (que inclusive também pode te matar), mas a chance é fixa, ou talvez até ajustável pelo mestre.

Golpe de Misericórdia Revisado

Golpe de misericórdia. Como uma ação completa, faça um ataque capaz de causar dano letal em um oponente adjacente e indefeso. Um golpe de misericórdia é um acerto crítico automático. Além de sofrer dano, a vítima tem chance de morte instantânea. Personagens jogadores tem 10% de chance (1 em 1d10); personagens do mestre tem 75% de chance (1 a 3 em 1d4). Se o mestre quiser, pode rolar a chance de morte instantânea para um PdM como se ele fosse um PJ: ao fazer isso, deve conceder um ponto de ação para o jogador que aplicou o golpe de misericórdia.
Comentários, dúvidas, sugestões e xingamentos pela piada de mau gosto podem ir direto ali pra caixa de comentários 😉
A imagem de capa é de autoria de Gjergji Zhuka (FFanatic), do deviantArt.

Você pode gostar...

5 Resultados

  1. Edu Guimarães disse:

    Legal a regra. Revisou foi pouco.
    Eu não curto muito a ideia de que PdMs e PJs são regidos por regras diferentes em combate. Acho que a letalidade do atacante tem que ser levada em conta aqui também. Ficou estranho em termos de regra, mas pensei em algo como: Role 1d20 sem quaisquer bônus, CD 10, +1 para cada dado de Ataque de Oportunidade do atacante. A CD máxima é 19.

    • Mas eles __são__ regidos por regras diferentes. Só ler o texto que trata de PdMs no Tormentão, ou o fato deles não terem direito a pontos de ação. A questão é que o suporte das regras conforme escritas busca uma “igualdade” ilusória que na real não tem como existir se você tá construindo uma narrativa compartilhada.
      E eu não acho que a letalidade do atacante seja relevante na parte da morte instantânea. Se você tem um personagem arrombido, mega-buildado no aumento de multiplicador de crítico, saca sua picareta e vai lá dar seu golpe de misericórdia, quando o inimigo leva 400 de dano a rolagem da morte instantânea é praticamente pro-forma rs
      Por outro lado, o personagem normal, ou até o ajudante humilde, tem aquela chance cinematográfica de fazer bonito ficando a adaguinha na têmpora do big bad, e tendo uma chance real de matá-lo, mesmo causando fofos (1d4-1)x2 de dano 😛

  2. Cavaleiro Morto disse:

    Para de discriminar os NPCs, direitos iguais já, até na chance de morrer 🙂

  3. Vitor Matias Chaves disse:

    Jamil, sei que isso foge um pouco do tema do assunto, mas como tu recomendaria alguém a ‘estudar’ o sistema? de que forma fazer isso afim de otimizar o tempo, ótima postagem e vou aderir nas minhas mesas.

  4. CARLOS FELIPE FERREIRA MENEZES disse:

    Bom, não tenho muita fé de que vai ser respondido, mas vamos lá!
    Sobre o golpe de misericórdia do TORMENTA RPG, por exemplo, Eu posso aplicar ele sempre que eu quiser?
    Digamos, no caso de um oponente indefeso, se houverem 4 guardas dormindo e minha equipe quiser executar eles podemos, os 4, fazer golpes de misericórdia?
    Em casos de adjacescia, eu sendo um feiticeiro, tem um grupo de aranhas ao meu lado, independente de estarem indefesas, posso jogar uma bola de fogo com o crítico garantido ?

    A situação de inimigos adjacentes é o que me deixa mais confuso. Se puderem ajudar, ficaria muito agradecido ♡

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: