Herói com rosto africano

 
O mito é um sonho coletivo; o sonho, um mito pessoal”.
E então você se alimenta de fábulas… todas essas estórias brilhantes de heróis, reis e rainhas, dragões e feiticeiros fizeram sua cabecinha de moleque solitário e sonhador, não é mesmo?
Mas qual a origem de todos esses mitos?
Quer ouçamos com divertimento a mistificação onírica de algum feiticeiro de olhos injetados do Congo, quer leiamos com arrebatamento apurado traduções esparsas dos sonetos do místico Lao-Tsé…”
Joseph Campbell, Herói de Mil Faces
Sério, seu Campbell? Os mitos de África são “mistificações” que devem ser ouvidas com “divertimento”? Não merecem a mesma reverência e fascinação as lendas e estórias provenientes do continente que originou todas as outras lendas e estórias?
Sejamos francos: a África não representa nada para o imaginário da humanidade. Quando se fala em África, vem logo em mente guerra, fome, pobreza, animais selvagens e tribos. E em que essas tribos acreditam? Ah, é tudo um monte de uga-bugas supersticiosos, dialetos rudes. Não têm cultura.
Certo. Só que eu vou provar que não.
As Origens das Mitologias Africanas
Os pequenos sonhos não têm grande importância; contudo, se o cara tiver um sonho realmente grande, desses que abalarão as estruturas dessa lama de mesmice, então toda a comunidade deve ser reunida para ouvi-lo. Ao menos é o que dizem os habitantes da floresta de Elgon, na África Central.
Assim como os primeiros humanos iniciaram suas jornadas heroicas no continente africano, as grandes mitologias consagradas pelo mundo ocidental originaram-se todas nos primeiros sonhos de África; acredite se quiser, fábulas da criação miraculosa do mundo, menções ao parto virginal, lições do pecado original, narrativas da morte e ressurreição de um líder espiritual, relatos de um dilúvio, registros da viagem da arca e os símbolos do cálice, espada e cruz, floresceram primeiro nos contos e estórias ao redor da fogueira desses muitos de pele escura, milênios antes do advento do cristianismo e outras mitologias europeias.
No entanto, quantos podem hoje dizer que conhecem os grandes deuses e heróis das lendas achantis, lundas, zulus e quicongos tão bem quanto conhecem os deuses nórdicos, celtas e gregos? Por que somente os poderosos entre os europeus aparecem nos livros, filmes e jogos? Por que não crescemos nos alimentando com as estórias dos grandes caçadores, sacerdotes, feiticeiros e guerreiros do continente africano?
Aliás, por que diabos nem conhecemos essas estórias?
Na escolinha, me ensinaram que eu descendo de ex-escravos. E só. Nunca me esclareceram acerca das organizações políticas, das filosofias, religiões, trajetórias e glórias dos ancestrais meus. Só que eu nunca aceitei que os sonhos de força e coragem existem apenas na Europa e que eu descendo de tribalistas primitivos, não, não. Daí que fui ler, estudar, buscar essas origens por conta própria… e, a partir de agora, vou dividir um pouco com vocês. E provar que as lendas de África não são “mistificações divertidas de feiticeiros com olhos injetados.
As mitologias africanas pintam com cores próprias – muitas cores, por sinal – a carreira do herói.
Vamos aqui preencher essa lacuna de África no imaginário do mundo; no que diz respeito ao RPG, é o seguinte:
Herói Fundador
Um traço bastante comum entre os vários povos da África Subsaariana é a figura do Herói Fundador – seja ele o poderoso caçador que nunca erra uma flecha, fundador de uma pequena tribo, ou o magnânimo feiticeiro das dimensões destruidor de mundos, fundador de uma dinastia imperial.
Por exemplo, entre os quiocos muito se conta a respeito de Chibinda Ilunga, o grande herói que caça animais selvagens e inimigos por meio de poderes sobrenaturais, aquele que desposou a rainha Lueji, dos lundas, e com ela fundou o império Lunda-Quioco, no interior do que hoje é Angola e Congo. O império foi criado em algum lugar do século 11, e perdurou mesmo às investidas portuguesas, tendo seu fim por volta do século 17 ou 18. A Chibinda Ilunga é dado um status de super-herói ancestral, o maior flecheiro a caminhar sobre a Terra, inspiração para toda a população que o venera – pois, afinal, descendem dele. Com efeito, os quiocos, povo cuja origem pertence ao tronco linguístico banto, são caçadores por excelência, concentrados na região oriental de Angola, naquela fauna de extrema abundância entre o planalto de Muzamba e a nascente do rio Kwango. Todo caçador quioco presta homenagem ao seu ancestral famoso antes de qualquer atividade, e há até mesmo sociedades secretas de chibindas – título de Ilunga que, na verdade, significa: “aquele que caça com magias”.
Em toda aldeia quioco há, no mínimo, uma mulemba, árvore considerada sagrada, em homenagem a Ilunga – em muitas partes de África, acredita-se que os ancestrais, após libertarem-se das limitações da carne, vão lentamente subindo aos céus, e por isso muitos deles residem em árvores, especialmente nas mulembas, para observar e guiar seus descendentes. Há sempre muitas mahambas (paus de oferendas) ao redor de uma mulemba.
Por sinal, é a estatueta de Chibinda Ilunga que ilustra este artigo.
Outro exemplo: os ambundos de Angola tem o prodígio Sudika-mbambi por Herói Fundador. Filho do agricultor Kimanaueze, o velho, nasceu já falando, todo armado de espada e bastão, e recitando poemas de poder…
Mãe, aí vem minha espada.
Mãe, aí vem minha faca.
Mãe, aí vem minha kilembe.
Mãe, aí vem meu bastão.
Mãe, aguente firme, aí vou eu.
…no momento em que sua aldeia era devorada por terríveis monstros makishis – espécie de ogros de muitas cabeças, comedores de gente. Sudika-mbambi recitou esses palavras ainda na barriga da mãe, quando ela estava prestes a ser devorada, e então nasceu e estraçalhou o algoz de sua família apenas com o pensamento. E ele disse: “Eu sou Sudika-mbambi. No chão, ponho meu bastão; no céu, ponho um antílope”. Todos seus parentes se boquiabriram e foram incapazes de falar, enquanto um segundo filho saía da mulher, também já todo armado e falante, declarando que seu nome era Kabundungulu, o gêmeo mais novo. Usando apenas a força da mente, os dois gêmeos transformaram as ruínas da aldeia em cubatas novinhas, como se nunca houvessem sido destruídas pelos makishis. Sudika-mbambi ordenou que seu irmão ficasse para proteger os aldeãos, enquanto ia ele em pessoa caçar os malditos comedores de gente.
No caminho, encontrou quatro kipalendes – espécie de duendes sobrenaturais – com os quais formou uma aliança, uma vez que esses pequenos espíritos travessos muito se admiraram com os incríveis poderes mágicos daquele moleque humano, além de eles próprios odiarem os makishis. Mas, antes de confrontarem os comedores de gente, tiveram problemas: toda vez que saíam para caçar, sempre deixavam um dos quatro kipalendes para guardar o acampamento; aí, aparecia uma velha feiticeira, acompanhada de sua bela neta; a velha desafiava o kipalende e dava-lhe uma surra, prendendo-o debaixo de uma rocha; aí, Sudika-mbambi, por meio de seu dom de clarividência, percebia o aliado preso debaixo da rocha, e todos tinham de suspender a caçada para retornar e salvar o amigo preso. E assim aconteceu com os quatro espíritos, até que Sudika-mbambi ficou ele mesmo para enfrentar a velha.
Vamos lutar”, disse ela; “se me vencer, casará com a minha neta”. E eles lutaram.
Poderes impressionantes foram invocados para aquela batalha; usando apenas o poder da mente, os rivais levantaram rochas, removeram o curso de rios, dispararam ventanias e invocaram espíritos furiosos; contudo, Sudika-mbambi venceu no fim, matou a velha e tomou sua neta para si. “Hoje, ganhei uma vida”, comentou a jovem; “é que minha avó costumava me trancar numa casa de pedra, e eu não podia sair. Mas hoje fui libertada com Sudika-mbambi, com quem quero me casar”. E então os kipalendes retornaram da caçada, acompanhados de uma multidão agradecida. É que eles encontraram os makishis, retalharam os monstros e tiraram de seus estômagos as pessoas da aldeia de Sudika-mbambi, ainda vivas!
E assim, a aldeia foi repovoada, Sudika-mbambi se casou e foi coroado rei. Tudo isso ainda antes de completar algumas horas de vida.
Para os africanos, assim como para todos os povos da Terra, os detalhes fantásticos da nascimentos do herói, assim como todas as suas façanhas miraculosas de poder e coragem, não são concebidas para os olhos da razão, e sim para os olhos da introspecção. Podemos dizer que as ideias essenciais dos mitos, apresentadas na forma de conquistas e vitórias espetaculares desses heróis, além de servirem como exemplo, simbolizam a realização de nosso potencial humano. E as lendas de África já faziam isso há muito, muito tempo – muito antes do primeiro europeu desembarcar no continente e enxergar, com seus olhos carregados de preconceito, apenas um bando de idólatras primitivos.
Este é apenas o primeiro artigo sobre como introduzir um toque africano em suas estórias; mais relatos ainda estão por vir.
 

Você pode gostar...

23 Resultados

  1. bob nerd disse:

    Kra, adorei a iniciativa. Adoro ler a respeito de mitologias. E sempre me perguntei porque nunca usaram as crenças africanas como base para criação de romances, hqs, rpgs, etc. De hqs temos um ou outro gato pingado. Romances eu só lembro do Anansi Boys do Gaiman. E RPG não conheço nada que tenha base nessa rica mitologia. Parabéns pela iniciativa, que venham mais informações sobre as crenças africanas. Do continente-mãe!

    • Ka Bral disse:

      Agradeço. O próximo artigo será sobre Rituais de Iniciação, daqui umas duas semanas. E há um monte de literaturas africanas de língua portuguesa, provenientes de Angola, Moçambique e outros países africanos lusófonos, literaturas que infelizmente são pouco conhecidas aqui – eu mesmo só fui conhecer na faculdade.
      Mas, se está se referindo à literaturas fantásticas de expressão africana, não se preocupe – eu já estou preenchendo essa lacuna… 😉

  2. Gosto muito de mitologia e dos livros do Campbell. O único RPG que conheço que se passa na África (no caso, uma versão dela) é Nyambe, cenário D20 da Atlas Games.

    • Ka Bral disse:

      Conheço o Nyambe, desde que foi lançado, e, infelizmente, devo dizer que não gostei muito. Mas vale a iniciativa. Campbell infelizmente não contemplou nem um pouquinho os imaginários africanos em seus livros.

  3. Deviemn disse:

    Essa figura do herói que já nasce completamente consciente me faz pensar na mitologia indígena brasileira, também tão esparsamente explorada. Boa iniciativa, por favor, continue trazendo à nós esses posts.

    • Ka Bral disse:

      Agradeço. Conforme eu disse acima, o próximo artigo será sobre Rituais de Iniciação. As mitologias ameríndias também mereciam uma iniciativa dessas, mas, no meu caso, o foco será sonhos e culturas de África mesmo.

  4. Gostei muito, e vou ficar esperando as continuações.
    Por acaso, ou não, o tema da Iniciativa 3D&T para este mês é “África e sua cultura”. Tô estudando um pouquinho, e vai servir de ajuda.

  5. Rodrigo "Leninn" disse:

    Sensacional! Ansioso por mais

  6. Rhenan Santos disse:

    Baita artigo.
    É muito triste observar que acabamos nos limitando à esta visão eurocêntrica da história e, consequentemente, da sua mitologia, em especial quando falamos do RPG. As abordagens que eu encontro são sempre muito estereotipadas. Grande iniciativa!
    Eu sou estudante de História e acho uma pena, por exemplo, a pouca atenção que damos para as tradições pré-colombianas, tema que detenho muito interesse. O próprio conceito de Herói Fundador é absolutamente presente nos mitos de criação e cosmogonia desses povos, de maneira muito semelhante à africana.
    Fico no aguardo dos próximos artigos.

    • Rodrigo "Leninn" disse:

      Escreve algo sobre isso, Rhenan, que tenho certeza que seria muito legal também e o pessoal da dot20 se interessaria! Imagina que show seria termos essas duas colunas, sobre africa, e sobre america original

  7. Fabio Druida disse:

    Muito bom o texto. Ne época em que eu fazia capoeira (rpgista e capoeirista) eu ficava intrigado de como a cultura e a historia dos povos africanos fora tão podada, de tal forma, que nunca ouvimos falar dela por aqui. Buscava fontes históricas em livros e em músicas para ter mais ou menos uma idéia sobre os bantos, Massais e afins. Seus deuses e mitos que no Brasil mesmo se desdobram nas figuras de exus e oríxás, entre candonblés, quibandas e umbandas, missas afros e toda uma sorte de sincretismo religioso. Com o advento da internet esse mundo se desdobrou, mas ainda sim é muito pouco incentivo e procura por nossas raízes. De fato não conhecia as duas histórias sobre os povos acima e com certeza se elas estivessem ha muito mais tempo inseridas dentro do nosso contexto cultural e acadêmico, O legolas nunca seria pário para Chibinda Ilunga e com certeza cagaríamos pro Capitão América (ou qualquer herói Marve/DC/Image) se conhecessemos a fundo as histórias de Sudika-mbambi. Infelizmente para muitos, a formação da escola-vida é baseada nos primeiros relatos e fatos que permeiam a imaginação de outros, que se solidificam através de uma forte massificação, muitas vezes abalroada de sentimentos, idéias, conjecturas duvidas e certezas que impulsionam o ser humano para dentro para um labirinto de informações conflitantes.
    Cara, viajei a bessa. Não sei se vocês entenderam o misto de frustração, beleza e revolta, mas me deu até vontade de pertubar um amigo meu pra continuar uma campanha de Desafio dos Bandeirantes que paramos hà mais de 10 anos!
    😀

    • Ka Bral disse:

      Você não “viajou”, está certíssimo. Nossas imaginações foram permeados primeiro pelas imaginações de outrem, que não incluíam os sonhos de África – dessa forma, não vemos um pingo de mito africano em todas essas mitologias e herói que fazem a cabeça de todos hoje. Seria duca, por exemplo, um super-herói inspirado em Chibinda Ilunga e em outros cujas fábulas eu contarei em artigos próximos.
      Mas ainda não é tarde demais; os sonhos de África começam aqui e agora – esses meus artigos aqui são apenas um aperitivo.

      • Tek disse:

        Lembro que uma vez em uma campanha nacional de Lobisomem tinha um cara que fez um Roedor de Ossos africano, e não sei se o jogador tinha conhecimento prévio da cultura “geral” africana ou se ele pesquisou para o personagem, mas ficou muito bom.

  8. Dri disse:

    Belo texto. =)

  9. beatriz disse:

    Ka Bral,
    Adorei a história!
    Da África, são mais divulgados os Orixás e histórias do Candomblé, maravilhosos, mas que com certeza não esgotam a mitologia africana.
    Referente à frase do Campbell , pelo respeito que ele tem com a mitologia em geral, acredito que ele estava fazendo uma ironia, não com a figura do feiticeiro africano e seus sonhos, mas com a maneira com que essa figura é tratada no estupido lugar-comum imaginativo que existe na mídia, na má literatura, e (ainda!) em alguns meios acadêmicos.
    Além disso, o pensamento de Campbell é bastante baseado em Jung, que desenvolveu muitas de suas idéias após as percepções e conhecimentos adquiridos nas longas viagens que fez pela África. Se não me engano, uma delas justamente na Floresta de Elgon que você cita…
    Eu sou co-autora de um livro chamado O feminino e o sagrado – mulheres na Jornada do Herói (www.ofemininoeosagrado.blogspot.com) , no qual procuramos mostrar a mulher como heroína, em vez do homem como também é o lugar-comum, trazendo a Jornada para a vida cotidiana.
    Então, sinto certa afinidade e acho super bem vinda essa sua iniciativa de questionar a exclusividade na cultura de padrões mitológicos europeus, e de colocar aqui belas lendas como essa, fazendo um link com a vida concreta.
    Abraço, Bia

    • Ka Bral disse:

      Agradeço seu comentário – para mim, é um honra. Nos tempos em que trabalhei em livraria, recomendei bastante seu livro – achei a premissa muitíssimo interessante – mesmo que eu não tenha lido-o (ainda).
      Temos, sim, de não apenas questionar essa exclusividade da cultura europeia como também apresentar novas perspectivas e caminhos a partir de nossos próprios estudos e esforços. Apenas falar não basta.
      Para ser sincero, eu entendi aquela passagem que citei do Campbell como certo desprezo do autor… mas não há problema. O importante é que eu faça (bem) a minha parte.

  10. Heitor disse:

    Kabral, tu era o autor de uns contos que foram publicados no Paragons, sim? Tem algum endereço em que estejam disponíveis em sequência?

    • Ka Bral disse:

      Aqueles “contos” eram… “proto-capítulos” de um… livro. Meu primeiro. Está pronto. Sairá em breve. “Ficção fantástica de inspiração africana”. Isso mesmo. Aguarde. E é só o primeiro.

  11. Youkai X disse:

    Sudika-Mbambi é foda bagarai, é um Cu Chulain afr… Cu Chulain que seria um Sudika Mbambi celta. Realmente é impressionante esse tipo de mitologia e esse tipo de herói de dons exagerados. Nenhum RPG que simule isso bem fora supostamente Nobilis?

  12. Ricardo disse:

    Fantástico. Parabéns.

  13. Júlio disse:

    Gostei de sua historia e pensei a mesma coisa como você, e tanto filme, hq, rpg só em cenario europeu (alguns da asia, oceania,america do norte e sul) nunca colocam algo mais em cultura africana, pode ser preconceito ou outra coisa que todos pensam e terra de pessoas primitivas mas e mentira pouco a pouco o continene da africa ganha reconhecimento .Mas ainda tem preconceito isso tambem são paises que lucram com guerra civils, e corrupção, espero que tenha gente como você que posta mais historias e vém de uma outra visão. Desculpe por falar isso é um jeito que penso, pode comentar.

  14. Samuel disse:

    Ótima matéria – tenho que ler esse livro. Nunca tive muito interesse por fantasia medieval e o eurocentrismo de boa parte das obras fantásticas sempre me incomodou.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: