Resenha – Fúria de Titãs

É um pouco engraçado, para quem já esteve em uma mesa de RPG ao menos uma vez, ver como essa onda recente de filmes épicos é tão descaradamente feita por nerds que passaram a adolescência rolando dados em masmorras imaginárias. Não digo nem a respeito dos temas – até porque em séries como UnderworldO Senhor dos Anéis a influência já é por demais óbvia -, mas na própria forma como eles são escritos e realizados. Pode parar pra reparar: os personagens principais sempre seguem os mesmos arquétipos – sempre há orogue, o warrior, o sage… -, e o roteiro segue tão à risca a jornada do herói campbelliana que poderia ter saído de algum videogame japonês. O ponto extremo possivelmente seja, acredito, Rei Arthur, aquele com o Clive Owen e a Keira Knightley, em que até os combates parecem acontecer por turnos, com cada personagem tendo direito a exatamente um golpe em um inimigo antes de a câmera passar para o próximo. Isto é, pelo menos até o lançamento desta nova versão do Fúria de Titãs.

O filme, que resgata um daqueles velhos clássicos do Cinema em Casa do SBT, realmente eleva a idéia do “cinema de RPG” a um novo nível: você consegue imaginar até os jogadores por trás de cada personagem. Há lá o cara tímido que não fala muito e só quer rolar dados; o ex-jogador de Vampiro: A Máscaraque escreveu um histórico de dez páginas mas não teve tempo de revelar nem metade; a única menina do grupo; até o par de malas que fizeram personagens totalmente fora do contexto e só querem fazer piadinhas em offsobre cavalgar escorpiões gigantes, além de faltarem nas últimas sessões pra jogar videogame, forçando o mestre a tirá-los da história com alguma desculpa esfarrapada qualquer. Mesmo os vilões e personagens secundários (vulgo NPCs) você consegue imaginar sendo interpretados por um mestre empolgado – pelo menos a voz rouca do Hades me lembrou muito bem as peripécias dramáticas de alguns com quem já joguei, eu mesmo entre eles.

Eu também estaria gritando...

Com tudo isso, é natural esperar que o roteiro não vá muito além do que se teria em uma aventura pronta genérica. Não espere aprender muito sobre mitologia grega – a versão contada da história de Perseu é bem livre e sincrética, com direito a krakens e djinns, como, aliás, já era no filme anterior. A motivação dos personagens passa por todos os clichês clássicos, da vingança ao salvamento da princesa, e na verdade só servem de desculpa para reuni-los e colocá-los em marcha pelo mundo (já que todo filme épicoprecisa de uma cena de viagem por um deserto, montanha ou geleira com trilha sonora incidental), enfrentando monstros e reunindo itens mágicos para a batalha final. Mas os monstros são legais – de escorpiões gigantes ao kraken, passando pela medusa e um Caronte que parece saído de um filme do Guillermo del Toro -, e rendem boas cenas de ação, apesar do excesso de câmera lenta obrigatório desde 300 incomodar. Os deuses também ficaram muito bacanas visualmente, com direito a homenagem aos Cavaleiros do Zodíaco.

Outro ponto importante de destacar é que o filme está disponível para ser visto em 3D. Pessoalmente, no entanto, não vi nada de muito impressionante neste aspecto que justifique a diferença de preço – não sei se sou eu que não consigo me enganar pela ilusão (também não vi muita diferença nos poucos outros filmes que assisti nesse formato, incluindo Avatar), ou se os filmes atuais ainda não conseguem aproveitar o recurso de forma adequada. A única cena que valeu o incômodo dos óculos foi a abertura, que conta a história dos deuses e da criação dos homens a partir das constelações, e ficou bastante bonita em três dimensões.

Em todo caso, para resumir a ópera toda, consigo imaginar muita gente ficando decepcionada com esta nova versão de Fúria de Titãs, então pense bem no que você quer ver antes de ir atrás; mas também pode ser um filme bem divertido para quem já rolou um d20 uma vez na vida e souber entrar no clima. Tudo bem, ele avacalha com toda mitologia grega pra contar uma historinha tosca de aventura de RPG, mas pelo menos tem uns monstros legais…

Resenha por Bruno BURP

Você pode gostar...

18 Resultados

  1. Tiamat disse:

    achei que tu ia comentar também da homenagem à primeira versão logo no começo do filme…. Quem viu o filme antigo ha de se lembrar…quem não viu vai achar completamente deslocado nessa versão. Enfim..fica a dica. 🙂 “Aristóteles” – pra não estragar a surpresa.

  2. Armageddon disse:

    BURP tem que criar uma conta no Gravatar XD
    Quero ver o filme, parece bacana.

  3. BURP disse:

    @Tiamat – É a coruja, né? Confesso que vi muito o filme original na TV quando era menor, mas faz um tempão que não via, então demorei pra sacar o que era… =P
    @H – olha, eu tenho essa da minha conta original do wordpress… Não é meio que a mesma coisa? =P
    .-= BURP´s last blog ..Des-encontros =-.

  4. Armageddon disse:

    Provavelmente é a mesma coisa, eu devo ter cadastrado o e-mail errado na conta. Qual é o e-mail que você usa pra assinar comentários na net? ^ ^

  5. BURP disse:

    Geralmente eu uso o do hotmail, apesar do meu oficial mesmo (que acho que é o que tu colocou) ser o do GMail…
    .-= BURP´s last blog ..Des-encontros =-.

  6. Tiamat disse:

    a corujinha sim!! 🙂 hehehehe eu curti.. muito

  7. Dan Ramos disse:

    BURP, muito foda, sintetizou o que eu penso do filme! Muito boa resenha. =D

  8. Jagunço disse:

    Hmmm…
    Muito “bonzinho”, sr. BURP. 🙂
    A comparação com RPG é, com certeza, a única coisa que salva o filme em termos de crítica. Boa sacada, meu caro… 😛
    No mais, eu me decepcionei demais com a película. Ok, eu sei que é só entretenimento, que é só um filme pipoca e tudo isso. Ainda assim, acho que poderiam ter feito coisa muito melhor com a grana em mãos. Não acha não? Acho importante falar de crítica porque ela permite discutir o tratamento que se dá a quem assiste essas coisas. Mas como eu não estou a fim de loongos debates com os fãs aguerridos, vou ficar por aqui (acho).
    .-= Jagunço´s last blog ..Homem de Ferro 2 – e tome crítica! =-.

  9. BURP disse:

    O problema é que vocês esperam demais… Dava pra fazer bem mais, sim, mas no fundo isso vale pra qualquer filme =P Se tu chega no cinema já sem esperar muita coisa, é mais fácil sentar e aproveitar os monstros…
    .-= BURP´s last blog ..Des-encontros =-.

  10. Jagunço disse:

    Não, não vale pra qualquer filme. Relativismo demais é veneno. 🙂
    Assim fica parecendo que toda crítica é inútil. Que é uma questão de aceitar a bomba, sempre.
    “Disconcordo”. E de que com força.
    .-= Jagunço´s last blog ..Homem de Ferro 2 – e tome crítica! =-.

  11. Dan Ramos disse:

    O Burp sintetizou de novo o que eu penso. E liga não, esse tal de Jagunço aí é um chato! =P

  12. BURP disse:

    Acho que a questão não é invalidar qualquer crítica, mas ter noção também do que tu espera encontrar no filme, e do que ele mesmo se propõe. Acho que eu tentei deixar claro no texto que ele tem alguns problemas sérios, e que não dá pra recomendar pra qualquer um… Mas, dentro do que eu esperava, eu até que me diverti =P No fundo o que eu tentei passar foi mais isso.
    Mas, claro, nada contra tu não ter gostado, até pq eu vejo bem o que tem pra desgostar dele… Só é difícil pra mim não me divertir em um filme que tem uns monstros tão legais, heheh.
    .-= BURP´s last blog ..Des-encontros =-.

  13. DM Rafael disse:

    Hahaha! Adorei a visão dos dois jogadores que aparecem do nada e somem do nada 🙂
    Mas acho que é isso a BURP, tem que ir pela aventura. Já vi muita gente reclamando que esculacha com a história grega mas isso é besteira. Cada adaptada como melhor lhe convém.
    E realmente, só a abertura do filme que vale o 3D. Muito boa! Mas depois, é completamente descartável.

  14. Fábio "Demo" Moraes disse:

    Olá, me chamo Fábio e sou do omegacast. Poxa, eu entedo o que vc diz como “O problema é que vocês esperam demais”, mas eu sou mega fã de Fúria de Titãs (O ORIGINAL) pois, por conta desse filme, que começei a me interessar por mitologias (isso foi há 17 anos). Nossa, vc nota a excelente interpretação dos atores (a Maggie Smith é uma das minhas favoritas) e os efeitos são mais do que justos pra época.
    Cara, não precisava ter INT+40 para sacar que só precisava eles pegarem o “gist” do enredo do original e melhorarem os efeitos especiais… basicamente o que é legal no filme (e só isso, na minha modesta opinião de psiquiatra) são os monstros (A MEDUSA FICOU [email protected]). As interpretações do atores dessa nova versão são sofríveis e pq cargas d’água os deuses tem que ser retratados como criaturas boas ou más clivadamente?? Eles são os dois!!
    Nada disso de Hades mega vilão e Zeus bonzinho! Zeus já fez muita coisa malígna também.
    Bem era isso que eu tinha pra falar! Abração do Demo. ^^

  15. Masamune disse:

    Eu achei o filme tosco, o roteiro é fraco, a ação não empolga (e eu não gostei da medusa) e nenhum personagem é explorado direito. De legal mesmo só a armadura de Cavaleiros Do Zodiaco de Zeus e a Gemma Arterton que… ah, eu não preciso explicar.

  16. bia disse:

    presizamos de uma coisa que seja muito interesante !!!!!!!!!

  17. carolaine disse:

    muito legal esse comentario sobre o filme

  18. olivia disse:

    quero sinopse

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: