Dual III

_genesis__by_slipknottyE No Princípio, Não Havia Nada…
Bem, com as votações encerradas foi definido que o sistema inicial de Dual será uma versão de 3D&T Alpha adaptada às nossas necessidades. Mas aos votantes de outros sistemas, não se preocupem, eventualmente adaptações para eles também aparecerão, se quiserem, podem até adaptar vocês mesmos e colaborar com o cenário. De qualquer jeito, obrigado pela colaboração de todos que votaram =)
Agora, dando seguimento à criação do cenário: a Gênese do Mundo.

Vejamos, minha idéia original é simples: um evento o qual não havia como ser registrado dado que… bem… Não tinha vivalma por perto, deu origem a duas entidades que nasceram já sabendo de seu grande papel no universo recém-criado. Esses dois deuses, um feminino (antigo nome Areala) e um masculino (Ynos), em condições ideais, dariam origem até toda uma realidade de planetas, estrelas e povos… Mas bem, isso não teria nenhuma graça.
Enquanto Areala (em um bom comportamento de Leal e Boa) tentou criar ordem e método, Ynos se revoltou contra isso e ansiou destruição e corrupção e então uma guerra eclodiu. De um lado celestiais luminosos, e do outro abissais regurgitados das entranhas do deus maligno. O ponto definitivo do conflito foi quando apenas os dois deuses restavam em um campo de batalha devastado. A lança de Areala voou e se chocou contra o escudo de Ynos, e uma explosão como nenhuma outra ocorreu.
Do evento, uma nova entidade surgiu, Feal-i-Thera, a Divisora. O próprio nascimento dela não foi o que trouxe uma paz inqueta entre os Antigos Deuses, mas sim o fato de que dentro dela havia a vida como nenhuma outra conhecida. Dentro de Feal-i-Thera haviam mundos e estrelas, e tudo estava pronto para haver vida.
O planeta escolhido dentro da vastidão do cosmos foi chamado de Cerias, formado por Fogo, Terra, Água, e Ar, ele era mesclado com a própria essência da sua Deusa-Universo, o que fazia que de certa forma ele fosse o avatar dela. Em sua superfície a flora e a fauna surgiram e prosperaram, e a porta estava aberta para o nascimento dos primeiros povos civilizados de Dual.
***
Bem, essa é a idéia da gênese. Fiquem livres para sugerir nomes, detalhes, e personagens revelantes como generais, máquinas de guerra, e criaturas criadas por alguns dos lados para o conflito. Só deixo avisado que em relação aos deuses, por hora Dual só possuirá deuses maiores (falta só mais um, na verdade que deve aparecer daqui umas três matérias), mas existe a possibilidade de haverem Santos ou algo do gênero.
A próxima matéria (com sorte daqui uma semana) será sobre a descrição física do mundo, e a seguinte sobre suas raças que por hora são apenas Humanos, Elfos, e Anões (para evitar uma superpopulação inicial de raças que podem eventualmente ser “inúteis”). E como eu disse, a matéria seguinte apresenta o Quarto Deus de Dual e as raças monstruosas do cenário.
E… Valendo! Podem comentar.
C’ya, Del.

Você pode gostar...

7 Resultados

  1. cavaleiromorto disse:

    Eu gostei do básico, principalmente as questões de poucos deuses maiores e um número menor de raças.

  2. cavaleiros disse:

    Olá!Você falou que o mundo Cerias é formado por água, fogo, terra e ar. Este são os famosos 4 elementos básicos da alquimia. Como Dual tem essa coisa de bem e mal, 4 elementos (multiplos de 2) é um bom número. Então, acho que deveria haver 4 raças inteligentes no mundo, cada uma carregando consigo um aspecto de algum dos 4 elementos. Então, como você mesmo disse, escolher apenas 4 raças inteligentes e jogáveis seria uma boa forma de evitar uma superpopulação. Estas 4 raças seriam os classificados como “mortais”.
    Cara, comecei a ter idéias malucas aqui. Vou me centrar nesta quantidade que vc apresentou, ou seja, o número 4. Digamos 4 raças mortais. Digamos agora 4 postos raciais: Deuses (que só serão maiores), Santos ou o sinônimo que seja usado, Mortais, e Banidos ou o sinônimo que seja usado. Os “Santos” seriam seres imortais e descendentes dos dois grandes deuses inicias que vc citou. Eles seriam coisas um pouco alienigenas, por assim dizer, já que um mortal não é capaz de compreender os planos divinos. Já os “Banidos” seriam criaturas sem razão, monstros, aberrações, seres que não deveriam existir ou que um dia “cairam”. Eles não seriam maus ou bons, sendo apenas eles próprios, incapazes de pensar de uma forma coerente ou sei lá o quê.
    Acho que vou parar por aqui pra não voar demais na maionese. Dei minhas dicas, utilize-as da melhor maneira que achar. Acho que se focar nos números 2, 4 e 8 seria uma boa idéia para Dual (e largaria um pouco o clichê dos números ímpares 3, 5, 7, 9 e 13 que adoram aparecer em vários RPG’s).
    Até and Bye…

  3. Dellhintis disse:

    Brigadão pela contribuição Lipe, e vamos comentar por partes.
    1°: Criar mais uma raça? Pode ser, ainda fica num número pequeno e controlável… Talvez alguma raça “única” do cenário, nada de gnomos ou halflings (e eu não pretendo que existam meio-elfos tãããão cedo).
    2°: Sobre os “Santos”, talvez algo não tão “alienígena”, afinal é um cenário no todo bem medieval-padrão. Esses “Banidos” podem ser uma vertente boa também, mas de novo, talvez não tanto,eles poderiam às vezes representar conceitos abstratos ou algo do gênero… Ex: Os elfos são extintos, então poderia surgir um Banido que representava o mero conceito “Elfo”.
    3°: Pode continuar viajando um pouco mais se quiser, mas só mantenha posts pequenos porque se não desanimo XD

  4. Cavaleiros disse:

    Olá!
    Opa, que bom que gostou das maluquisses. Eu pensei mais uma pouco e resolvi mudar algumas idéias.
    1º: Os “santos” realmente não precisam ser alienígenas na aparência, mas falo nas idéias e pensamentos. Imagine ele como anjos: podemos até acreditar que eles existem, mas não temos certeza de como se comportam, se possuem distinção sexual ou se possuem uma cultura. Deu pra entender agora a idéia “alienígena” que falei?
    2º: Os “banidos” poderiam ser justamente o que o nome sugere. Eu falei dos Deuses, supremos em sua essência. Falei dos Santos, os eleitos dos deuses. Falei dos Mortais, que surgiram dentro da Deusa Universo-e-além, conseqüências do processo de criação da vida. Se os Mortais não possuem sua devida relevância para os Deuses, os “Banidos” podem ser menos ainda. No caso eles seriam aqueles que “caíram”, que foram banidos pelos deuses por algum motivo e receberam alguma maldição no processo. As maldições podem ser diversas, como perder a razão e virar uma besta movida pelo instinto, ou se tornar um monstro pela eterninada preso numa aparência horrenda, ou ainda causar a morte a todos que você tem como caro e que estejam a sua volta. Opções não faltam, e eles não necessariamente devem ser seres ruins, apenas amaldiçoados pelos deuses por algum motivo.
    Idéias melhoradas. Uses a vontade. E não ligue pro meus comentários gigantes, é que eu escrevo/falo demais mesmo =P
    Até and Bye…

  5. FellipeArcano disse:

    Ficou realmente bom, original ao extremo, e acima de tudo, bem criativo!
    O fato do 3D&T Alpha ter ganho só mostra o fato de que esse sistema voltou não só com a aprovação de quem já jogava, eu creio que pelo simples fato de adaptar um sistema de 3D&T para qualquer outro ser bem mais fácil, o que faz do 3D&T um sistemas altamente conversível.

  6. Rodolfo disse:

    4 raças, 2 lados, 2 raças estariam do lado da Luz, 2 das Trevas, não é?

  7. Dellhintis disse:

    Nops, o “Lado” das Trevas é representado pelas raças inimigas mesmo.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: