Criando Monstros em GURPS

Em Gurps, não temos nível dos encontros para nos guiar (Ainda bem! Eu acho que isso deixa o jogo pasteurizado: “Não se preocupem, esse monstro é DC3, vamos passar por […]

Em Gurps, não temos nível dos encontros para nos guiar (Ainda bem! Eu acho que isso deixa o jogo pasteurizado: “Não se preocupem, esse monstro é DC3, vamos passar por ele perdendo apenas 12,5% dos nossos recursos”), logo pode ser difícil fazer uma criatura apropriada para enfrentar os personagens. Algumas dicas então:

O monstro deve ter alguma forma de ameaçar o mais protegido dos personagens. Se você fizer uma sala com trezentos goblins que fazem no máximo 1d+2 de dano, o grupo de personagens pode mandar o anão de RD 8 impunemente para acabar com todos eles! (ok, isso é GURPS, então não existe possibilidade disso acontecer, mas a ideia é essa). Logo, se algum personagem tem RD 8 o monstro deve ser capaz de imobilizá-lo para retirar parte da armadura, ou atacar as fendas da armadura no torso (-8 para acertar, metade da RD), cuspir veneno nos olhos (-10 para acertar) ou ter pelo menos 1d+3 de dano máximo!

Ao mesmo tempo, pense que uma morte instantânea nas mão de um monstro errante é anticlimático para o jogador de um mago ou ladrão. Mas lembre-se que proteger os especialistas é tarefa dos guerreiros do grupo! Se deixaram o mago ser comido pelo tiranossauro morto-vivo que faz 4d+1 perfurante numa mordida, a culpa é deles. Mas se você rechear a aventura com um tiranossauro para cada PC, dois para os especialistas em combate, os jogadores vão procurar outro mestre. Nenhum ataque deve ser capaz de eliminar completamente do jogo um PC.

Força não é tudo em combate. As mais perigosas criaturas do mundo real se valem de camuflagem (primeiro ataque de graça), trabalho de equipe (distraia o grupo para o parceiro atacar alguem pelas costas, sem direito a defesa), sentidos aguçados (numa masmorra escura você tem até -10 nas jogadas e os morcegos gigantes não). Num ambiente de fantasia outras táticas extremas, como ataques mágicos, controle de mente e outros mais existem.

Não se esqueça de que deve ser possível para os personagens derrotar o monstro! Se eles não tiverem nenhum meio de passar pela RD do monstro, deixar eles fechados em uma sala com um gárgula de RD 18 é um massacre total! Anote as fraquezas do monstro e dê alguma chance para que os personagens as descubram. Deixe algum meio para personagens que geram menos dano derrotarem um monstro forte, ou pelo menos passarem por ele. Caso o bárbaro e o guerreiro tenham morrido numa armadilha numa sala anterior, deve haver algum meio de o grupo derrotar a matilha de velociraptors que não envolva força bruta. Mesmo que custe mais caro! “Vão sem mim, eu distraio eles! AAARGH!”

A melhor maneira de descrever uma criatura de GURPS é procurar criaturas semelhante ou equivalentes e modificá-las alterando suas características até a criatura se tornar igual a desejada. Caso for converter um morto-vivo, comece usando as templates para esqueleto ou zumbi, depois vá alterando: O morto-vivo é difícil de expulsar ou controlar usando mágica? Aumente a força de vontade. É particularmente vulnerável ao fogo e luz do sol? Acrescente Vulnerability: Fire x2 e Weakness Sunlight 1d/second.

Quantos pontos de vida a criatura deve ter? PVs tem mais a ver com o tamanho da criatura do que com qualquer outra coisa. Se você tem ideia do peso aproximado da criatura, uma boa regra é:

Tire a raiz cúbica do peso em quilos;
Multiplique por 2,5 para criaturas vivas
ou
multiplique por 5 para criaturas mortas-vivas (com desvantagem Unliving)
ou
multiplique por 10 para criaturas homogêneas (como um cubo gelatinoso gigante!).

ST é função dos PVs: pense numa primeira aproximação nos PVs da criatura caso fosse viva. Depois pense na ST em função do dano: mordidas fazem thrust-1, strikers (chifres, caudas) fazem thrust+1, membros e patas fazem thrust-1. Pode ser modificado por vantagens, desvantagens e armas (Weak Bite, Striking ST, Impaling Horns, Venom…)

ST é um caso particular se você estiver usando monstros da terceira edição! Eric B. Smith fez uma tabela de conversão, que ainda tem a vantagem de ter calculado os níveis de carga em quilos no lugar das libras americanas. Use a tabela para descobrir na quarta edição qual é a ST do monstro a partir da ST da terceira edição.

O resto das características são fáceis de encontrar equivalentes na lista de Vantagens, Desvantagens e outras estatísticas. Como inspiração aqui vai uma pequena lista dos melhores bestiários que eu conheço. Mais sugestões são bem vindas!

Obviamente eu coloquei alguns monstros online, para uma adaptação de Dungeoneer para Gurps.

Kevin A. Muñoz é autor/compilador de dois bestiários: o Natural Encyclopedia, com monstros dos seu High Fantasy Project, e o It Came From the Forums, uma compilação de vários monstros criados pelos usuários do fórum da SJ Games
.

Eduardo Andrade é autor do cenário nacional Gurps Melendor e para ele fica a primeira dica, monstro não precisa contar pontos de personagem*, afinal ninguém vai jogar com um caramujo gigante! Excelente bestiário. Visite a comunidade no Orkut para mais discussões sobre o cenário também. Desde que o artigo foi publicado o Orkut foi encerrado.

Luke Campbell, conhecido como Pizard entre RPGistas, fez um excelente bestiário interativo, em que se pode gerar animais de acordo com suas especificações, como por exemplo um Lobo Ártico Gigante Domesticado Macho, tudo isso selecionando opções num formulário fácil de usar. Gera templates também se você quiser jogar como lobo.

Collective Restraint é outro frequentador do fórum da SJ Games. Sobre monstros ele fez uma conversão rápida de monstros da SRD D20 para Gurps. Collective Restraint abandonou o site que acabou sendo hackeado, sua conversão de monstros da SRD D20 foi colocada online no Gurpswiki.

Já que mencionei a conversão D20 para Gurps, a próxima coluna do Professor Alabarda é somente sobre isso! Até lá espero que esses monstros os mantenham ocupados! Esse artigo acabou não sendo escrito.

*A exceção que confirma a regra: é necessário contar os pontos de uma criatura que não seja um PC quando ela vai ser comprada como um aliado. Nesse caso deixe o trabalho duro para o jogador!

Publicado Originalmente no GurpsNation em 12/06/2009

Sobre Hackbarth

Tiago Hackbarth é um gaúcho de Porto Alegre, computólogo, rato de biblioteca, rpgista, pai, linux-user e nerd. Não necessáriamente nessa ordem. Nas horas vagas escreve para o Roleplayer e monta miniaturas de papel. Quando surge uma oportunidade, mestra Gurps.