As Couraças de Tillian

Há muito tempo atrás, antes da Tormenta e da Aliança Negra e mesmo do próprio Reinado, havia um deus chamado Tillian. Seu portfólio era a curiosidade: estava sempre procurando novas […]

Há muito tempo atrás, antes da Tormenta e da Aliança Negra e mesmo do próprio Reinado, havia um deus chamado Tillian. Seu portfólio era a curiosidade: estava sempre procurando novas descobertas, novas coisas a fazer, novas formas de se entreter. Sua paixão pela novidade era tanta que bastava algo ser feito para, já no momento seguinte, ser deixado de lado, esquecido em prol de uma nova descoberta a ser realizada. Sequer se deu ao trabalho de enviar os gnomos, a raça senciente criada por ele, ao plano material; bastou que os visse na sua frente para que se desinteressasse, e buscasse outra coisa para fazer.

O fato de ser um deus tão relapso, no entanto, não impediu que outras raças o adorassem. Como no seu próprio plano de existência, em Arton ele também era cultuado por cientistas e inventores; se Tanna-Toh era a deusa do conhecimento acadêmico, fechado em livros e bibliotecas, Tillian era o deus do conhecimento prático: a ciência aplicada e eternamente em evolução, através de novas descobertas e tecnologias que encantavam, e muitas vezes assustavam, de reis a camponeses.

main-introAs couraças foram uma destas tecnologias. Tratavam-se de grandes armaduras de rocha e metal, muito maiores do que os guerreiros que as vestiam; através de um complexo sistema de alavancas e engrenagens, tão preciso e funcional quanto um relógio, elas se moviam com desenvoltura e tornavam o seu usuário capaz de grandes feitos de força e resistência. No auge do culto a Tillian, estes itens se espalharam por todo o continente, usados pela mão-de- obra em grandes construções, e também por soldados em batalhas devastadoras.

Mas então veio a Revolta dos Três, e Tillian perdeu seu posto como um deus do Panteão. Seus seguidores, perdidos, sem saber mais a que deus cultuavam e por que o faziam, diminuíram até não mais existirem em poucas gerações. E as máquinas fantásticas que outrora construíram, sem manutenção e reparos, foram aos poucos abandonadas e esquecidas.

Até agora…

General Tertius e as Couraças de Lannestull
Tertius Ambrosius não nasceu em uma família influente nem especialmente rica de Tapista. Sem grandes posses ou propriedades que pudesse herdar, entrou para o exército em busca de glória e soldos. Um misto de sorte e talento natural o destacaram, e, durante as Guerras Táuricas, permitiram que ele avançasse rapidamente de posto. Alguns episódios de insubordinação, no entanto, fizeram com que ele acabasse transferido para um posto distante e pouco importante na fronteira leste do reino, junto às Montanhas Lannestull.

Mesmo longe do centro do Império a sua sorte não o abandonou. Bastaram poucos anos para que ruínas estranhas fossem descobertas na cordilheira, atraindo o interesse de aventureiros e pesquisadores. No seu interior, ao invés de tesouros mágicos, estavam máquinas desconhecidas desativadas, desmontadas e abandonadas.

Assumindo para si a responsabilidade de explorar a descoberta em nome do Império de Tauron, Tertius montou no local um sítio de escavações permanente. Com a ajuda de engenhoqueiros goblins, foi capaz de reativar algumas delas, ou mesmo construir novas máquinas com a mesma função reunindo pedaços e peças sobressalentes. Entre estas estavam diversas das antigas couraças de Tillian, que o general usou para equipar uma pequena tropa de elite pessoal.

Tal tropa foi a ferramenta que faltava para recuperar o seu prestígio junto ao Imperador. Atuando como um destacamento especial para enfrentar monstros e outras ameaças de grande porte, ela permitiu que ele retornasse triunfante à capital, de onde hoje coordena as escavações e explorações das ruínas através de enviados e subordinados de confiança.

Claro, um retorno desta forma nunca ocorre sem despertar inimizades. Conspiradores já buscam pontos fracos que possam derrubá-lo, e boatos já correm os palácios de Tiberus dizendo que o general tem se encontrado confortável demais na sua atual posição, a ponto de ameaçar alguns senadores poderosos. Em especial, falam a respeito da sua obsessão sobre certas lendas antigas, que ele acredita possa haver indícios em Lannestull de que sejam algo mais do que histórias de bardos…

Tertius possui como couraça pessoal o Chifre de Tauron, uma grande armadura com o formato de centauro cor de ferrugem com um grande chifre adornando a cabeça e uma lança gigantesca como arma. O chifre pode ser usado para um ataque em carga bastante poderoso, mas tende a deixar o mecha desprotegido após ser usado, o que pode ser aproveitado por um inimigo inteligente.

General Tertius
F3 H2 R3 A3 PdF0 15 PVs 15 PMs
Kit: Oficial (como o Oficial de Yuden; comandar, conhecimento militar, ordens de combate).
Vantagens/desvantagens: Minotauro; Aliado Gigante (o Chifre de Tauron), perícias Esportes e Manipulação, Patrono (o Império de Tauron).

Chifre de Tauron
F3 (perfuração) H0 R4 A4 PdF0 30 PVs 20 PMs
Kit: Lutador (aparar).*
Vantagens/desvantagens: escala Sugoi; Mecha, Centauro**; Aceleração, Ataque Especial (F+2, Poderoso, 3 PMs), PVs Extras, Ponto Fraco.

5ss_jkd_knights

As Couraças
As couraças são equivalentes a mechas, sendo adquiridas através da vantagem Aliado, ou Aliado Gigante se você optar por usar as regras específicas do livro Brigada Ligeira Estelar, e comandadas através da manobra Comando de Aliado. Outras regras avançadas para o uso das couraças você pode encontrar no netbook Mechas para 3D&T Alpha. Todas as couraças pertencem à escala Sugoi, tendo suas características multiplicadas por 10 quando enfrentam personagens Ningen; e não podem possuir Habilidade maior do que 0, dependendo dos seus pilotos para se moverem e agirem.

A maioria das couraças hoje conhecidas vêm das ruínas de Lannestull, tendo sido remodeladas e reconstruídas por engenhoqueiros goblins e outros especialistas através das peças e modelos encontrados. O desenho interno original delas é incrivelmente eficiente, e, na maioria das vezes, tende a compensar pelas falhas mecânicas das engenhocas goblins tradicionais. Nos arredores das escavações um verdadeiro mercado negro chegou a se formar pelas melhores peças e pedaços de couraça encontrados nas ruínas; e há uma corrida em outros reinos e localidades de Arton atrás de couraças semelhantes que possam estar escondidas em ruínas antigas.

No comando do esforço de reconstrução das couraças em Lannestull está o engenhoqueiro-chefe Tripo Bagg, goblin nascido em Deheon mas que se mudou para Tapista assim que o sítio permanente foi estabelecido. Ele comanda o Trator, um legítimo mechafrankenstein formado pelos pedaço de diversas couraças diferentes, que aproveita sua grande força para ajudar diretamente nas escavações e manutenção das maiores couraças.

Trippo Bagg
F0 H5 R1 A0 PdF0 5 PVs 25 PMs
Kit: Engenhoqueiro (todos os poderes).
Vantagens/Desvantagens: Goblin; Genialidade, perícia Máquinas, PMs Extras x2.

Trator
F3 H0 R2 A1 PdF0 10 PVs 10 PMs
Kit: Trabalhador (carregar peso).*
Vantagens/Desvantagens: escala Sugoi; Mecha.

*os kits para mechas podem ser encornados no netbook Mechas para 3D&T Alpha.
**como exceção à regra normal, o Chifre de Tauron possui simultaneamente as vantagens únicas Mecha e Centauro, para representar a sua construção com um formato não-humanoide.

Imagens são do jogo de PlayStation One Vanguard Bandits e do anime/mangá Five Star Stories.

About BURP

Buenas, sou Bruno Schlatter, conhecido por alguns como BURP. Sou gremista, gaúcho, professor de História, RPGista, HQéfilo, gamemaníaco, anarquista desencantado, guitarrista frustrado, blueseiro apaixonado, leitor obsessivo, pseudo-escritor amador e outras coisas menos interessantes.