Anões Marinhos (ou Anões dos Corais)

Chamados de “Riuttam”, a antiga raça de Anões que habita o leito dos oceanos é, provavelmente, a espécie de criaturas mais reservada que existe.

Embora não cultivem o hábito da forja, como seus primos do “mundo de cima” (como os Riuttam os chamam, pelo menos), eles também são artesãos, e escavam e modificam continuamente o mundo ao seu redor.

Esse hábito, inclusive, é o motivo pelo qual os Anões Marinhos possuem atritos com os Elfos subaquáticos. Enquanto os Elfos defendem a vida junto ao seu habitat, os Riuttan são vorazes no molde do ambiente.

Felizmente, para ambas as espécies, os Riuttan preferem águas bem mais profundas que as normalmente habitadas pelos Elfos.

História:

Segundo a história dos próprios Riuttam, a criação da vida pelos deuses começou “de baixo para cima”. Dos infernos incrustados no interior da terra, passando pelos oceanos, seguindo pela crosta e por final os céus.

Assim, habitando o fundo dos oceanos, os Riuttam foram a primeira raça sensiente a ser criada pelos deuses, e tiveram a responsabilidade de escavar os oceanos, com suas fendas e praias, para que o restante da vida pudesse surgir.

Lendas de outros povos afirmam que os Riuttam, na verdade, são Anões amaldiçoados por seu deus criador.
Ao invés de habitarem as montanhas e adorarem a forja, os Riuttam teriam cavado até os oceanos, e lá resolveram se estabelecer.

Insistindo em seu erro, os Anões dos Corais foram impedidos de retornarem a superfície para sempre.

Aparência:

Atarracados como seus primos distantes, os Riuttan também usam barbas. No entanto, o motivo pelo qual isso acontece é bastante físico.

Morando sob as águas mais escuras dos oceanos, os Riuttan praticamente não usam luzes nas suas cidades. Por isso, os pelos que recobrem seus corpos – barbas inclusive – tem o papel de “linha lateral” (o órgão responsável pelo tato dos peixes), que dá a esses Anões uma espécie de radar em 3D de todo ambiente ao seu redor.

Embora as fêmeas da espécie não possuam barba, a mesma sensibilidade é presente em seus cabelos esvoaçantes.

Seus dedos possuem membranas que os auxiliam em seu movimento submerso mas, apesar disso, eles não são bons nadadores, preferindo o movimento pelo leito dos mares.

Artesanato:

Não é a forja que atrai os Anões Marinhos, mas a escultura em cristais e a arquitetura.

Os Anões Marinhos são os únicos a dominarem a técnica do “vidro sólido”, um material a base de areia altamente resistente a quebra e cortante como o diamante (embora não tão duro e leve quanto o Mithral).

Além disso, conseguem também “forjar o sal”, criando estruturas – em diversas formas – resistentes a compressão e a flexão, com as quais podem fazer, não apenas armas, mas também estruturas para construções resistentes ao tempo.

Sentidos:

A visão desses Anões e muito fraca. Seus olhos são praticamente inúteis, sendo praticamente resquícios de órgãos que, um dia, já foram usados. Um Anão Marinho na luz é considerado cego, para todos os efeitos.

O tato de um Riuttan é seu principal sentido, praticamente ocupando o lugar da visão. Seus pelos conseguem captar vibrações no ambiente ao seu redor, e também auxilia o sentido de audição submersa dos Anões.

Armas e combate:

Os Anões dos Corais também utilizam machados, como os outros anões. No entanto, são machados especialmente cunhados para serem utilizados embaixo d’água, para o corte de algas e corais.

A forma de combate desses Anões é incrivelmente peculiar. Eles se utilizam de movimentos circulares, e usam a inércia da própria arma para jamais perderem seu movimento inicial. Por causa de sua arte com o uso de machados, ironicamente, apesar de seu movimento normalmente lento, em combate os Riuttan tornam-se incrivelmente velozes.

Muitos oponentes, inclusive, narram encontros com os Anões como se eles fossem capazes de realizar ataques ininterruptos e circulares com seus machados.

Como armas de longo alcance, ele se utilizam de uma espécie de besta aquática inventada pelos próprios.

Riuttan não são ágeis como os elfos marinhos. Por isso, como não são bons nadadores, uma tática de ataque muito utilizada pelos Riuttan é a camuflagem sob a areia.

Um anão é capaz de ficar o tempo que quiser sob a areia, esperando um oponente passar sobre ele, até detectar as vibrações causadas pelo movimento do inimigo.

Anões Marinhos não usam escudos, já que seu manuseio é incrivelmente difícil sob a água.

Vida na superfície:

Um Anão Marinho não pode cruzar a linha d’água para visitar a superfície ou morrerá asfixiado, como um peixe. A verdade é que isso não faz a menor diferença para a espécie. A superfície não trás nada de valor para um Riuttan.

Sobre Alexandre

Estagiário do vice presidente júnior do RPGista, Alexandre começou a jogar RPG em 1991, só para poder usar miniaturas e jogar dados esquisitos. Ele é o jogador que faz os ninjas e rangers do grupo. Nunca magos (porque com eles não se brinca).