Ícone do site RPGista

Dual I

Fundações do Cenário
Wow, essa demorou… Deve fazer quase um mês que eu anunciei Dual como um cenário com o qual nossos amigos e visitantes poderiam colaborar. Malditas férias, não? =D

Pois bem, como prometido, esta é a primeira matéria que vai ajudar o cenário, e como prometido será em torno de seu conceito. Como eu discuti em outro artigo, podemos dividir os cenários de RPG em dois grandes grupos: preto-e-branco e tons de cinza. É fato que muitos dos cenários atuais corre dentro do segundo tipo: Reinos de Ferro, a nossa querida e amada Gandara, e Leonel Caldela tem jogado baldes de cinza (e sadismo e escatologia) em Tormenta nos romances do cenário.
Não tiro o fator “legal” deles, nem de longe… Joguem pedras em mim, mas eu sou do tipo Bem contra o Mal, Era de Prata dos quadrinhos, eu quero saber que eu estou enfrentando o necromante porque ele é mau que nem o Tinhoso. E é por aí que Dual começa (meio que literalmente quando vocês lerem o mito da criação): no cenário os mocinhos vão enfrentar os bandidos, e diabos, os jogadores podem até querer serem os bandidos, mas eles vão o ser porque são ruins até os ossos.
A pedra fundamental é que em todos os níveis de jogo possíveis, existem vilões… ou melhor, adversários para os jogadores. Existem grandes deuses malignos, existe um grande rei tirano e conquistador, há uma legião de monstros que ameaça destruir tudo que é civilizado da forma que a sociedade conhece.
De novo as pedras, Tolkien fez isso, metade dos cenários, medievais ou não, devem ter feito isso, porque eu jogaria em Dual e não uma aventura na Terra-Média? Bem, primeiro pelo nível da magia, eu quero algo mais ativo nesse lado, mas chegaremos lá um dia. Outra é que aqui não há uma “arma definitiva” que pode tirar o equilíbrio… A diferença é feita pelo esforço, e acreditem que os dois lados estão lutando para saírem vencedores.
Então… Acho que por essa semana é isso. Não sei se isso foi muito aberto à sugestões, parece que foi mais uma apresentação geral… Talvez sim, talvez não. Mas ainda quero saber de vocês: o que acharam da idéia central girar em torno do conflito, a própria essência do universo foi gerada através disso (de novo, mais detalhes no texto de Gênese), e se alguma das (poucas) ameaças que eu listei acima, alguma deveria receber um destaque maior, ou até mesmo algum outro tipo de ameaça nesse gênero “Dual”.

Sair da versão mobile