Concurso Alphaversos 2018 #Vencedor! – Lua de Ferrugem

Avaliação Completa – Lua de Ferrugem Presença dos Temas: 10,0 Lancaster: Os temas são Construtos, Sobrevivência, Distopia. É impressionante como cada um deles, a sua maneira, é o coração do […]

Avaliação Completa – Lua de Ferrugem

Presença dos Temas: 10,0

Lancaster: Os temas são Construtos, Sobrevivência, Distopia. É impressionante como cada um deles, a sua maneira, é o coração do conceito e todos estão muito bem entrelaçados.

BURP: Todos estão presentes, e são centrais pro cenário. Acho que não fica melhor que isso. Daria nota 11 se fosse permitido.

Oriebir: O autor une os temas com muita propriedade.

Armageddon: Gostei particularmente como o cenário foi construído em torno dos três temas e os utilizou com igual importância. Os três estão igualmente presentes e tudo gira em torno disso. Nenhum deles é secundário.

Uso das Regras: 9,75

Lancaster: Este conhece bem as regras que lida, sabe o que deseja (e o que não deseja) para o cenário e define bem o que quer. Interessante notar como ele maneja bem os recursos oferecidos pelos suplementos do sistema e os dobra em função do conceito (como notar que construtos deveriam ser pensados em função dos defeitos) — e como é possível estabelecer uma grande amplitude aos personagens a partir deles. Sem falar de sua amplitude de tom e personagens coadjuvantes que sempre parecem uma adição interessante à campanha.  

BURP: O autor domina bem as regras e sabe usá-las para criar o cenário que quer.

Oriebir: O autor é generoso com o mestre, oferecendo sugestões claras de utilização e restrição de regras e citando materiais que não o Manual Básico quando necessário. Percebe-se bastante afinidade com as regras. Nas fichas, senti falta de mais desvantagens, refletindo o clima do cenário de que ali ficam apenas os refugos. Me fica apenas a dúvida sobre como ele recomendaria o uso de psiônicos no cenário, uma vez que corta a magia. Seria emulado com as demais vantagens e implementos? Magia valeria apenas para esses casos? Mas esta é uma dúvida menor, que de forma alguma interfere na qualidade de tratamento das regras.

Armageddon: Tudo bem definido, explorando várias regras de suplementos diferentes para formar um conjunto coeso que ajuda o mestre a montar uma aventura dentro do tema.

Aspectos Gerais: 8.75

Lancaster: A Confederação Galáctica uma grande sacada — só a lua de Uccid-1 nos interessa. É um mundo completo de campanha em si, com toda a sua amplitude, mas ao mesmo tempo a existência do contexto oferecido permite que virtualmente qualquer tipo de personagem seja jogado nesse enorme satélite-lixão (“eu vim de um mundo repleto de psiônicos mas andei com a mulher de um juiz, armaram para mim e fui jogado aqui”). É como se fosse uma grande série da 2000 AD britânica (a revista de quadrinhos que publica as histórias do Juiz Dredd entre tantas outras), com seu contexto ao mesmo tempo niilista e empolgante. O potencial deste é enorme.

BURP: O cenário tem uma premissa muito boa, e deixa aberta várias possibilidades de desenvolvimento. Porém, achei que faltou uma “linha narrativa principal”, algo que desse o mote para uma campanha inteira, e não só ser um cenário com sugestões de histórias avulsas.

Oriebir: De forma geral, achei bem interessante o cenário. Consegui visualizar os lugares descritos porque o autor foi direto ao ponto. Mais um exemplo bacana de mini-cenário que não tenta ir além da proposta do concurso.

Armageddon: Gostei muito do cenário como um todo, é interessante como ele pode ser inserido em qualquer cenário do gênero já existente e ainda funcionar tranquilamente.  A única coisa que pesou um pouco pra mim foi como as referências se tornaram parte de tudo o que é central do cenário, impedindo que algumas ideias originais do autor ficassem mais em evidência.

Nota Final: 9,5

Pages: 1 2

About Edu Guimarães

Mestra RPG desde os 10 anos e nunca mais parou. É nerd, biólogo, Leal e Bom.