Tormenta RPG — Organização — Movimento 26 de Luvitas

Quem são? Liderados por Freden Castle, o Movimento 26 de Luvitas é uma organização política que utiliza a tática de guerrilha para lutar contra os tapistanos espalhados pelo Império de […]

Quem são?

Liderados por Freden Castle, o Movimento 26 de Luvitas é uma organização política que utiliza a tática de guerrilha para lutar contra os tapistanos espalhados pelo Império de Tauron. Eles também atuam na conversão de novos simpatizantes para a causa, discursando para plebeus em praças públicas de Malpetrim e nos campos para os camponeses.

O bando é conhecido por sua ideologia radical, onde os minotauros são o primeiro inimigo a ser derrotado, mas não pregam o retorno da antiga estrutura política dos nobres e dos reis. O preceito básico do grupo é colocar os plebeus e camponeses no poder político.

Para isso, eles agem de forma violenta e sem piedade contra os minotauros e qualquer um ligados ao Império de Tauron, à antiga nobreza ou aos ricos mercadores. Para eles, todos lucram com o Império, todos são aliados da escravidão e dos grilhões que aprisionam as pessoas mais pobres.

 

Histórico

As Guerras Táuricas consolidaram o início de uma nova era para os reinos no oeste do continente. A criação do Império de Tauron e o domínio político dos minotauros de Tapista acabaram com liberdade dos povos artonianos, mesmo daqueles não invadidos geograficamente, pois passaram a viver sob a ameaça de uma nova onda expansionista tapistana.

Entretanto, existem aqueles que consideraram essa expansão uma benção. Cansados de viver à própria sorte, largados e explorados por uma nobreza negligente de seus reinos, à mercê de monstros, vilões e dependentes da boa vontade de aventureiros e mercenários, muitos camponeses e citadinos olharam de maneira positiva a ocupação tapistana. Agora, com estradas melhor patrulhadas, investimentos na infraestrutura pública das cidades e a segurança garantida nos vilarejos, muitos consideram o preço a pagar pequeno.

Mas não os membros deste grupo.

O Movimento 26 de Luvitas surgiu quando um líder chamado Freden Castle e seus colegas, filhos de prósperos fazendeiros de Hershey, atual Protetorado de Roddenphord, decidiu dar um basta ao domínio dos minotauros. Influenciados pelas ideias de liberdade, estes jovens gozavam de uma vida confortável financeiramente. Mas entendiam que a dominação tapistana trazia mais medo e insegurança para os mais pobres, obrigados a trabalhar mais e mais, fruto da esdrúxula filosofia da “lei do mais forte” e pela proteção que nada mais era uma forma de cercear a liberdade. E também havia o constante temor da escravidão.

Reunidos em um templo abandonado do Panteão, na capital, os homens de Freden fundaram o grupo com o intuito de lutar contra os minotauros de Tapista e sua opressão. Como bandeira, escolheram a simplicidade, um retângulo dividido entre o vermelho (a cor da revolução) e azul (a cor principal do reino de Hershey) com as letras M-26-L no centro. O começo dessa luta foi investir pesadamente contra a atual herdeira da antiga família real de Hershey e colaboradora dos minotauros, Almond.

No dia 26 de Luvitas, o bando atacou a fazenda de Almond, a mais rica do reino, e roubou diversas armas do quartel dos minotauros. O ataque foi bem sucedido, pois fora durante um levante de escravos, liderados por Razthus Quebra-Muros onde as forças militares estavam focadas em tentar contê-los. O bando matou sargentos minotauros que ficaram no quartel e alguns outros colaboradores humanos. Ouro também fora roubado para financiar as atividades do grupo.

Entretanto, o grupo tinha severas limitações, pois eles viviam em uma ilha. Tudo mudou quando Izzy Tarante, a pirata do Mar Negro e conhecida opositora dos minotauros, aportou para levar os ex-escravos rebelados de Razthus. Em um encontro secreto, Freden Castle e seus companheiros acordaram em pagar sua passagem para o continente para continuar sua luta. Razthus Quebra-Muros foi convidado a integrar o grupo, mas ele recusou, por ter algumas divergências sobre o que deveria ser feito.

Afinal, o Movimento 26 de Luvitas tinha ideias muito radicais e Razthus não possuía sintonia no momento. Freden e seus companheiros queriam o fim do domínio tapistano imperialista sobre os reinos do oeste. Mas não queriam que as coisas voltassem como era antes, com os camponeses sob o jugo arbitrário de nobres, ricos comerciantes decidindo quem passaria fome ou não, muito menos viver sob a ameaça de monstros e a dependência de aventureiros. Eles queriam desenvolver comunidades controladas pelos próprios camponeses, por aqueles que trabalhavam. Sem nobres, nem senhores.

O grupo não possuía muitos recursos e era pouco numeroso. Até que em meados de 1409 tudo mudou. Halder Guevan, um bardo, encontrou o grupo em seu esconderijo em Malpetrim. Carismático e inspirador, Halder era também um médico de Sallistick com uma inquietação no coração: queria evitar que as pessoas sofressem. No começo, sendo médico, ele achava que faria alguma diferença no mundo curando as feridas dos mais necessitados. Mas percebeu que tinha lutar para evitar o surgimento das feridas. Ele deveria abalar a estrutura política, social e econômica que produzia a pobreza, a fome, miséria e a tirania dos mais fortes.

Estudioso, Halder Guevan descobriu em Malpetrim, a cidade livre no meio do Império, uma forma de começar a seguir seus ideais. E, na Estalagem do Macaco Caolho Empalhado, ele conheceu Freden. Uma forte aliança e amizade começaram naquele dia.

Com seus discursos inflamados nos campos de planteio, Halder conseguiu angariar muitos simpatizantes. As autoridades tapistanas passaram a prestar mais atenção no Movimento 26 de Luvitas graças a Halder. Entretanto, mesmo o governo de Malpetrim os considera radicais demais. Portanto, perseguições de ambos os lados se tornaram frequentes.

Mesmo assim, hoje o bando Movimento 26 de Luvitas conta com muitos simpatizantes que atuam ativamente no treinamento militar (e também com magia arcana, mas nunca divina) em acampamentos escondidos por Petrynia. Outros membros ativos, mas ocultos, atuam em Malpetrim negociando com outros grupos anti-imperialistas, com discursos pontuais em praças, distribuindo panfletos para os trabalhadores nas guildas e no campo.

 

Objetivos

O Movimento 26 de Luvitas deseja acabar com o domínio dos minotauros de Tapista sobre os reinos do oeste. Este é o primeiro objetivo, mas que não se descola do desejo principal que é o fim da opressão sobre o camponês e o plebeu das cidades.

Enquanto discursam contra os tapistanos, Halder e Freden também debatem sobre a necessidade de ir além. Nem tapistanos, nem os antigos nobres no poder. Para eles, todo poder tem que ser do povo.

 

Membros

Freden Castle (humano, nobre 8, CB) é o fundador do grupo, o idealizador que converteu seus amigos filhos de fazendeiros da antiga Hershey. Um líder nato que sabe usar as palavras nas horas certas e nos momentos certos. Tem cabelos negros e cultiva uma enorme barba.

Rayl Castle (humano, mago 8, CB) é irmão de Freden, uma pessoa menos carismática, responsável por toda a estratégia de ataques aos órgãos públicos tapistanos. Ele tem um ódio especial por minotauros. É mais alto que o irmão, apesar de ser mais novo, tem cabelos compridos e um cavanhaque enorme.

Kamil Fortress (humano, swashbuckler 6/ladino 2, CB) é um dos comandantes de Freden, responsável pela panfletagem geral, pela logística e mobilidade dos acampamentos militares. É um homem mulherengo, mas muito devotado à causa. Kamil é loiro com barba por fazer, porte atlético.

Dianne (humana, lutadora 8, NB) é a única mulher dirigente do grupo, especializada em combate desarmado. Era uma escrava em Hershey que fugiu com Razthus e decidiu aderir ao Movimento por encontrar uma oportunidade de ir além das lutas contra os minotauros, lembrando que assim como plebeus e camponeses são oprimidos, as mulheres são oprimidas pelos homens. É a responsável por atrair a simpatia das mulheres para a causa, demonstrando o novo mundo que o Movimento 26 de Luvitas.

Halder pode ser considerado o membro mais importante do grupo, a melhor aquisição. Aquele que ampliou a luta para todos os reinos dominados. Bom combatente, estrategista e muito carismático, o nativo de Sallistick carrega consigo a objetividade de seus sonhos: um mundo justo com igualdade entre as classes sociais. Foi dele também a ideia de não envolver a crença em deuses no primeiro momento, para tentar focar nas atividades do mundo material. Durante suas andanças, encontrou seus equipamentos mágicos que o caracterizam, a espada longa chamada Liberdade e o camisão de cota de malha mágico. Halder veste sempre uma jaqueta e calças largas esverdeadas e usa constantemente uma faixa vermelha na cabeça cobrindo sua testa. Tem cabelos negros, descuidados, barba completa, exceto pela ausência de bigode.

 

Halder Guevan: humano bardo 4/guerreiro 4/guerrilheiro 3, CB; ND 11; Médio, desl. 12m; PV 75; CA 27 (+5 nível, +3 Des, +8 armadura, +1 Esquiva); corpo-a-corpo: Liberdade +17 (1d8+13, 19-20) ou +19 (1d8+15+2d6 19-20 contra humanoides); hab. conhecimento de bardo, música de bardo, técnicas de luta, ataque ligeiro (+3m), contra todas as chances +1, desgastar; Fort +10, Refl +11, Vont +10; For 16, Des 16, Cons 14, Int 16, Sab 14, Car 20.

Perícias & Talentos: Atletismo +17, Atuação (oratória) +23, Conhecimento (história) +17, Conhecimento (geografia) +17, Diplomacia +19, Cura +20, Intimidação +19, Furtividade +17, Intuição +16, Sobrevivência +16, Percepção +16; Usar Armas (simples e marciais), Usar Armaduras (leves), Usar Escudos, Reflexos Rápidos, Vontade de Ferro, Fortitude Maior, Médico Nato (regional), Autônomo, Magia em Combate, Esquiva, Mobilidade, Ataque em Movimento, Foco em Arma (espada longa), Especialização em Arma (espada longa), Heroísmo Rotineiro, Foco em Perícia (Atuação), Foco em Perícia (Cura).

Magias de Bardo Conhecidas: 0 – detectar magia, luz, mensagem, purificar alimentos; 1º – comandar, criar água, desespero, armadura arcana, mísseis mágicos, alarme, detectar o mal, retirada estratégica; 2 – detectar pensamentos. PM: 12. CD 15 + nível da magia.

Músicas de Bardo: fascinar, sugestão, inspirar coragem, melodia revigorante (na forma de discursos).

Equipamento: Liberdade (espada longa +3 anti-humanoide), camisa de cota de malha +4, vozes da rebelião.

 

Os membros principais se reúnem de tempos em tempos para traçar estratégias e os rumos do Movimento, mas sempre tentando levar as demandas do campesinato e dos plebeus da cidade para debater. Quando não estão juntos, cada um carrega uma voz da rebelião (Guerras Táuricas, pág. 67), item mágico importante para a comunicação entre as células revolucionárias.

Curiosamente, membros de outras raças não-humanas são raros (mas não há qualquer limitação ou proibição dos dirigentes sobre o assunto). Em sua maioria são elfos fugidos, mas mesmo eles são bem poucos. Alguns goblins e lefou, por já viverem em sua maioria à margem da sociedade, também encontraram no Movimento 26 de Luvitas uma forma de buscar justiça.

 

Atuações Recentes

Os grandes feitos do Movimento 26 de Luvitas no começo, antes de Halder aparecer, eram atacar órgãos públicos tapistanos para angariar recursos e atacar pequenas patrulhas pelas estradas mais ermas, para juntar armamentos. Depois de Halder, com a criação de células revolucionárias, o grupo centraliza suas atividades na conversão das pessoas comuns, sejam plebeus ou campesinos, e no treinamento de novos recrutas.

O grupo está focado no momento em crescer, mas não abdicou de ataques diretos, como também forma de treinamento.

Halder tentava contato com Razthus para recrutá-lo, mas seu recente envolvimento com o paladino Mark Silver, membro do Conselho Regente da Cidade de Malpetrim, afastou um pouco essa possibilidade. Afinal, o próprio Mark Silver autorizou a prisão de alguns membros do Movimento 26 de Luvitas e parece desaprovar as atitudes e ideologias do grupo.

Sobre Aldenor

RPGista desde 2000, historiador por graduação, esquerdista por caráter, flamenguista de coração e jogador inveterado de Play By Fórum. Atualmente contribuindo para um mundo de Arton melhor.