A 5e de Dungeons and Dragons em português

Atualização: após o anúncio de suspensão da localização por parte da GF9, a Fire on Board fez um novo post no Facebook reafirmando convicção de que continuarão a trabalhar com D&D. […]

Atualização: após o anúncio de suspensão da localização por parte da GF9, a Fire on Board fez um novo post no Facebook reafirmando convicção de que continuarão a trabalhar com D&D.

Continuamos seguros com a parceria e compromisso mantidos com a Gale Force Nine, visto que sempre tivemos transparência em nossas negociações. Estamos confiantes que conseguiremos evoluir em nossos processos e que o cronograma de lançamento do D&D será implementado com sucesso no Brasil.

João Barcelos
CEO Fire on Board Jogos

Atualização: a Gale Force Nine anunciou que a localização de D&D no Brasil está oficialmente em hiato até que a situação seja investigada por completo e resolvida.

24 March 2017
Gale Force Nine Comments on D&D Localizations
Gale Force Nine has been working for over a year on our plan to publish localized language versions of DUNGEONS & DRAGONS fifth edition products. Throughout the process, we met and considered many partners around the world based on the same criteria: a passion for the material and a commitment to deliver the complete plan. We wanted to offer every country the entire D&D fifth edition experience and the partners we have chosen to work with will be doing just that.

Currently, we are speaking with all parties involved in Brazil to sort out the situation. Our goal is to ensure fans can enjoy the products in their local language of choice and we are committed to supporting those fans and their community. As such our product release plans for this market are on hold until we ​fully investigate and ​hopefully resolve th​is issue. We apologize to D&D fans in Brazil for any delay this may cause but we’ll do our best to have a solution in place soon.
John-Paul Brisigotti
CEO Battlefront Group
GF9 is a wholly owned subsidiary of the Battlefront Group

Atualização: a Redbox lançou uma carta aberta ao mercado com ainda mais provas sobre a sua posição.

Atualização impor… tudo nessa merda é importante, né?: o Fabiano Neme, da Redbox, fez um longo post em seu blog sobre a situação, contando com uma série de screenshoots com provas da versão da história defendida pela Redbox e Meeple BR.

Atualização importante: em resposta a questionamentos do UOL Jogos, a Redbox anunciou que após observar a reação da comunidade, decidiu tomar ações jurídicas cabíveis. A vinda de D&D ao Brasil, portanto, deve primeiro passar por uma disputa jurídica.

Atualização: a Meeple BR Jogos se pronunciou sobre o assunto.

*** POSICIONAMENTO OFICIAL ***

Hoje, foi veiculado mediante um desabafo do Antonio Pop, diretor da Redbox Editora, um problema envolvendo D&D 5 edição e a FoB, Redbox e Meeple BR. Tal situação teve uma grande repercussão, e reflete bastante o momento político-cultural que vivemos no país atualmente.

Em virtude do pedido de muitos amigos e parceiros na explicação do caso, é justo nosso posicionamento: Sim, as afirmações feitas na postagem da RedBox procede a cada linha.

Durante mais de um ano, as 3 editoras (FoB, Redbox e MeepleBR) trabalharam em conjunto na missão de obter o licenciamento do D&D. Foram meses seguidos de negociações, conversas intensas, expectativas e investimentos (estes, afirmados pela própria pessoa do responsável da FoB).

A intenção enquanto conglomerado era a constituição de uma nova empresa que daria rumo ao licenciamento, que teve seus contratos redigidos, e-mails produzidos, aceites emitidos e muitos pagamentos efetuados. Cada empresa assumiu uma responsabilidade, e coube e FoB as conversas externas e marketing. Infelizmente, a FoB agiu de MÁ-FÉ, assinando o contrato do licenciamento diretamente, contrariando todas as convenções assinadas anteriormente, e ignorando todos os conceitos legais.

É nosso entendimento que uma licença de tal porte é deveras importante, gerando uma responsabilidade absurda para com seus fãs, e, por sabermos de nossa pequenez, e reconhecemos limitações, acreditávamos, na ocasião, que esta parceria fosse uma forma de juntar forças e oferecer algo novo e de qualidade.

Entendemos que transparência e confiança é algo vital para o mercado atual, tão dinâmico e em constante mudança. PORTANTO, nossa intenção aqui é deixar uma manifestação de TOTAL REPÚDIO A ATITUDES DESLEAIS promovidas pela Fire on Board, movidos pura e simplesmente pela ganância de seus sócios, da mesma forma que temos nos comportado frente a esta crise política-cultural. Não precisamos de ações que fazer apenas apequenar o mercado, pois quem paga o preço é sempre o consumidor! O mercado não precisa ser predatório e sem limites. Felizmente, também é de nosso entendimento que o mercado se auto-regula, e situações como esta não são mais aceitas pelos consumidores, ansiosos por apoiar e consumir de empresas responsáveis, éticas e preocupadas com o ambiente que está inserido.

Por fim, nos reservamos a tomar as decisões jurídicas que forem cabíveis. E seguimos confiantes em nosso simples, mas honesto, trabalho.

Meeple BR Jogos

Atualização importante: novo pronunciamento da Fire on Board.

Como CEO da Fire on Board Jogos, venho comunicar sobre as acusações mentirosas e falsas que estão sendo propagadas à respeito da Fire on Board Jogos nas redes sociais.

Agora vou contar como realmente aconteceu.
Toda negociação, desde o princípio, foi realizada entre a Fire on Board Jogos e a Gale Force Nine, nossa parceira no projeto. Não houve nenhum intermediário, além de mim responsável pelos contratos internacionais. A parceria logo se formou e trabalhamos arduamente para tal. Ambos os lados.

Com o passar das reuniões, consideramos algumas empresas brasileiras para nos ajudar neste grande projeto. Não negamos que conversarmos com tais empresas. Conversamos sim. Pensamos em ideias, porém, como vou falar mais adiante neste texto, não foram para frente por diversos motivos, o maior: falta de confiança.

Portanto, vamos deixar claro: não houve troca de interlocutor, não houve negociações diretamente com a Wizards/Hasbro. Não houve entre a Fire on Board e as demais editoras nenhum acordo.

Foi informado em tal post que a negociação estava para se concretizar. Agora, me pergunto eu: como algo pode se concretizar antes mesmo de começar?

Tivemos uma reunião presencial em que nada se concretizou. Conversamos e cogitamos hipóteses. E, nesta oportunidade, a RedBox Editora resolveu adiantar a tradução. Depois esta tradução nos foi cobrada e pagamos através de uma transferência ao Diego Bianchini. Mas sequer recebemos, vimos, participamos etc.

Inclusive sentimos muito aos tradutores que se esforçaram para entregar um bom trabalho, que apesar de não termos visto, temos certeza que deve ter ficado muito bom devido às pessoas envolvidas.

Com o passar do tempo, houve vários empecilhos que nos provaram que não seria viável começar uma possível parceria com as demais empresas. Poderia citar e provar vários fatos que acontecerem prejudiciais a Fire on Board Jogos e a vinda do D&D. A maioria relacionada à falta de confiança e desentendimentos. Como estávamos desde o início trabalhando com a Gale por conta própria, decidimos não começar nada com tais empresas e focar no trabalho que já estávamos fazendo.

Avisamos a tais empresas a tempo que não queríamos iniciar nenhum tipo de acordo com elas.

Trabalhamos muito, mas muito mesmo, para trazer o D&D para o Brasil. Foram vários testes de Resistência de Fortitude para evitar níveis de exaustão.

Fico muito triste por saber que isto está vindo à tona agora em um dia tão feliz para toda a comunidade de RPG e para nós. Porém, estamos felizes de saber com 100% de certeza que tomamos a decisão correta.

Não devemos nada a ninguém. Essa explicação é para nossos clientes, consumidores, fãs, seguidores e amantes de RPG e board games. Não é um ataque a nenhuma empresa, mesmo por que não precisamos disto para crescer ou aparecer.

Nunca prejudicamos ninguém e temos plena consciência de nossas atitudes e responsabilidades.

Peço que não acreditem em algo tão vazio e antiprofissional. Tenho certeza que um projeto tão maravilhoso quanto o D&D não iria para uma empresa pequena que fica falando de problemas pessoais pelo Facebook.

Não postamos nada relacionado a hashtag invejoso, nem nado tipo. Não somos assim e não fazemos este tipo de coisa. Novamente, estamos aqui para receber sua dúvida, opinião e demais solicitações.

Esses são os fatos.

O lançamento do D&D é uma notícia incrível. Não queríamos ter que passar por isto e nem fazer vocês passarem. Nos desculpe. Foi mesmo um erro nosso: tentar qualquer coisa com eles.

Estamos aqui para fazer um ótimo trabalho. Que o novo dragão chegue belo e glorioso ao Brasil.

Muito obrigado a todos que nos desejam sucesso.
Trabalhamos por vocês!

João Barcelos e toda equipe Fire on Board.

Atualização importante: a Fire on Board, na figura de Rafael Almeida, se pronunciou sobre a polêmica.

Atualização importante: acabei de ver essa publicação do Antônio da Redbox Editora no Facebook. Acho ela de extrema importância para o leitor, então compartilho ela diretamente aqui.

FOI UM DIA ESPECIAL… aquele 28 de novembro 2015. Fábio Ribeiro, nosso despachante, havia conseguido uma brecha com a Hasbro e haveria a possibilidade de começarmos a tratar da publicação do D&D no Brasil. Para uma tarefa tão árdua, tão grande, tão pesada o Fábio cometeu o primeiro dos erros que cometeria nesta história toda, mas com certeza o mais complicado dos erros.

Formou um grupo de editoras que trabalhariam no projeto D&D, ou seja uma forma de unir editoras para conseguir a publicação do D&D no Brasil em português.

Foram convidadas para o projeto a Redbox, a Meeple BR e a Fire On Board que formariam uma nova editora, uma Joint Venture chamada FMR (com as iniciais das empresas, Fire Meeple Red) com objetivo único de publicar o D&D.

Após meses de reuniões, idas e vindas, emails respondidos, outros esquecidos, projetos formulados, formulários preenchidos, estávamos muito próximos de conseguir finalmente a licença do D&D para o Brasil quando descobrimos uma informação quente. A Gale Force Nine da Inglaterra estava sublicenciando o D&D para outros idiomas com o Aval da Wizards. Havíamos descoberto o por que do processo estar parado em Seattle.

Aqui cometemos o erro 2. Vejam só:

Trocamos o Fábio, interlocutor com a Hasbro/Wizards, pelo João Barcelos da Fire On Board. Deste ponto em diante o João seria o responsável por negociar o licenciamento do D&D pela FMR. e assim foi por todo o ano de 2016 quando tivemos uma reunião em ESSEN com a Gale Force Nine.

Na reunião conhecemos toda a equipe, ficamos sabendo que iríamos ser a editora do D&D no Brasil que tudo estava certo e que teríamos que correr com a produção, tradução e etc. Estava tudo certo. Só falta o que? O contrato da Wizards conosco que estava sendo “aprovado” pela matriz e seria assinado em breve.

Com essa resposta positiva de sucesso nas mãos, partimos para a parte prática da coisa. Marcamos uma reunião com todas as empresas aqui em Niterói em novembro de 2016. Eram os últimos passos para termos o D&D em português. E eles foram dados durante um sábado de grande trabalho numa reunião que levou praticamente o dia inteiro.

Veio pela Redbox, eu e o Fabiano pela Redbox, o Diego Bianchini pela Meeple Br, o Fábio Ribeiro pela Rigo Logística e pela Fire on Board uma comitiva. João Barcelos, sua namorada Aline e o irmão da namorada do João (?!?!?) Yuri.

Várias coisas ficaram decididas. Preço, forma de trabalho, divisão das tarefas (a Redbox ficaria a cargo da parte editorial, tradução, diagramação e parte gráfica bem como a comercial), um selo para ser trabalhado e não confundir com as empresas antigas, que teríamos um blog para material não oficial, quem faria essa ou aquela coisa. Enfim, decidimos TODA a parte contratual da FMR. Sabíamos quem faria o que e quanto cada empresa teria de pagar para entrar no projeto.

Como já era novembro e o prazo era curto, começamos as traduções já na semana seguinte. Formamos um equipe de tradutores e revisores profissionais (Gabriel de Oliveira Brum, Nino Xavier Simas e Elisa Guimarães) que também eram jogadores para traduzir o Players e deixamos a coordenação da tradução na mão do Igor Moreno. Conheço poucas pessoas que manjam mais de traduções, inglês e D&D 5 ed. no Brasil (Valeu cara! Fomos sacaneados mas valeu pelo trabalho classe A)!

No entanto após a formação da empresa estar combinada algumas coisas começaram a acontecer, isso acendeu a luz amarela, mas infelizmente nunca tivemos uma visão clara do que estava acontecendo…

O contrato da Wizards nunca chegava. as reuniões que o João Barcelos fazia nunca eram reportadas direito. só frases curtas e sem muito direcionamento, tipo “eles estão cansados do evento. Ficou pra semana seguinte”. E coisas desse porte. A Luz amarela começava a ficar laranja.

Veio o ano novo e a promessa era de contrato assinado em janeiro!

Esperamos janeiro e a assinatura do contrato foi prorrogada mais uma vez para fevereiro.

Chegamos em fevereiro e descobrimos que a FoB já estava usando a alcunha “editora que publicará o D&D no Brasil” como forma de melhorar o seu desempenho junto aos lojistas. Interpelado por isso, João Barcelos pediu desculpas e disse que isso não se repetiria…

E não se repetiu.

No dia que receberíamos o contrato para assinar, recebemos um email vago e exageradamente pseudojurídico informando que a FoB não tinha mais interesse no projeto e se retirava do projeto D&D/FMR.

Como assim? Mas em que pé as negociações pararam? Por que vcs saíram do projeto? Nada foi esclarecido e quando procuramos a Gf9 para retomar a negociação, a bomba!

“A Fire on Board já assinou o contrato do D&D para o português. Desculpe mas não sabíamos dessa história. Passar bem.”

E foi assim que soubemos que fomos sacaneados. Muito sacaneados.

Fizemos várias reuniões sobre como lidar com isso? Jogar no ventilador? Processar? Embargar o negócio? Mandar comunicação por escrito através de advogados? Temos pilhas e pilhas de provas, emails, fotos, mensagens, e até vídeos e áudios, vale a penas processar? Vamos Comunicar a Wizards e a Gale das complicações jurídicas que viram pela frente? Foram várias as sugestões do que fazer.

No fim, definimos que não iríamos atrapalhar o D&D no Brasil. Não seria justo com esse monte de jogador que anseia pelo livro e que não tem oportunidade de jogar em inglês. Não atrapalharemos nosso mercado. Não sacanearemos com ninguém.

Essas coisas pertencem a vida. À entidade que vc acredita. Seja carma, inferno, danação eterna, consciência, lado negro da força. Seja no que você acreditar.
Estas coisas voltam e elas costumam voltar em dobro! Aproveite enquanto você consegue! Seja feliz! E continue baixando a cabeça quando passar perto da gente. Pessoas que agem dessa maneira, que acreditam que “vale tudo no mundo corporativo” não costumam ir muito longe. Ou melhor elas chegam até muito longe, mas quando caem… #eikefeelings

Deve ser um orgulho danado anunciar a publicação no seu país e no seu idioma! Mais do que caminhões de dinheiro (que nós sabemos pelas contas e orçamentos que fizemos enquanto estávamos no projeto, não virá) deve dar um orgulho danado ser o portador da licença do D&D no Brasil. Mesmo que para isso você tenha de enganar outras 3 empresas, dezenas de pessoas, esmagar sonhos pessoais, realizações de infância de um monte de gente.

Enfim, pra concluir. Parabéns pro nosso mercado que voltará a ter o D&D e português. Parabéns pela Fire On Board pelo golpe de mestre. Talvez vcs entendam mais de D&D do que a gente por que rolaram um 20 no ataque pelas costas.

Pra nós, resta apagar os PVs perdidos e seguir em frente. Nos vemos no Vigésimo Nível.

Se você é um fã ferrenho de D&D, provavelmente já sabe a história: com o lançamento da 5e em 2014, a Wizards of the Coast decidiu não realizar qualquer contrato de concessão de direitos de tradução de D&D com empresas terceirizadas. À época, a decisão parecia ter sido tomada para que a própria Wizards tomasse o controle dos mercados estrangeiros, no que parecia ser um plano de expansão ambicioso para a empresa. Quase três anos depois e sem localização para nenhuma outra língua, a Wizards parece ter desistido da ideia e voltado a terceirizar a localização. Só que desta vez, com uma nova “grande ideia“: um único parceiro, a Gale Force Nine, será responsável pela localização para todas as línguas do mundo. Essa empresa, então, terceiriza a produção para empresas locais. Ou seja, depois de achar que terceirização é muito problema, a Wizards encontrou a solução perfeita e terceirizou a terceirização.

No Brasil, a empresa responsável acabou sendo a Fire on Board Jogos, uma desconhecida do mercado de RPG, que começou a atuar no mercado de boardgames em 2015. A Fire on Board fez um pronunciamento oficial em seu site sobre o assunto, prometendo novidades sobre os livros ao longo do ano. E por enquanto isto é tudo o que sabemos da edição brasileira.

O que vocês acham da ideia da Wizards de terceirizar a terceirização? Sou só eu que fiquei com a impressão que alguém na Wizards está tão cagando e andando pra mercados de língua não-inglesa que ela decidiu nem mesmo se incomodar com a gente? E também, alguém conhece a Fire on Board? Galera do boardgame, deem uma luz para nós RPGistas, o que vocês acham da empresa? Como ela lidou com vocês no passado? Como é a tradução dos produtos que vocês consumiram deles?

Sobre Nume Finório

João Paulo Francisconi, entre outras enormes perdas de tempo, é blogueiro há dez anos, escreveu para a finada Dragon Slayer, publicou alguns livros de RPG e assistiu quatro episódios de Punho de Ferro.