Tormenta: história militar de Arton, Guerra Anã-Guillanin

Guerra Anã-Guillanin 809 c.e. ─ 819 c.e. Em 809, o ancestral reino anão de Doherimm foi atacado por trolls subterrâneos conhecidos pelos anões como Guillanin. Apesar da incapacidade de determinar o […]

Guerra Anã-Guillanin

809 c.e. ─ 819 c.e.

Em 809, o ancestral reino anão de Doherimm foi atacado por trolls subterrâneos conhecidos pelos anões como Guillanin. Apesar da incapacidade de determinar o ponto de origem da ameaça, Doherimm permaneceu em vantagem durante boa parte do conflito, até que os Guillanin encontraram uma brecha nas defesas e invadiram o interior do reino, destroçando cidades e causando a morte de milhares de civis. Nesta situação desesperadora, num evento sem paralelos, Doherimm convocou todos os anões espalhados por Arton a retornarem ao reino subterrâneo e lutarem por sua terra natal. Este evento ficou conhecido como o Chamado às Armas. A estratégia desesperada foi bem sucedida em repelir a ameaça, ainda que a custos irreparáveis para a raça.

Os anões nunca descobriram, mas os Guillanin eram soldados de Trollkyrka, o império dos finntroll, que fica em uma camada subterrânea imediatamente abaixo de Doherimm. Escravagistas, os finntroll abandonaram a invasão ao perceberem que os anões eram teimosos demais para se tornarem bons escravos.

Após a guerra, os anões desenvolveram uma extrema preocupação com a segurança do reino, e responsabilizaram membros de outras raças pelo vazamento de detalhes das defesas anãs para os Guillanin. Para evitar que uma tragédia como aquela ocorresse novamente foi instituído o segredo do caminho para Doherimm, proibindo a entrada de outras raças, e criada a Guarda de Elite, uma força especial dentro do exército dos anões encarregada de defender pontos críticos do reino.

Beligentes: Doherimm vs Trollkyrka.

Alianças de Destaque: nenhuma.

Rolando uma campanha durante o conflito

Durante esta época, os anões eram mais abertos as outras raças, e seria possível grupos multiraciais em uma campanha focada na Guerra Anã-Guillanin. Uma campanha seguindo a linha do tempo tradicional se focaria em missões de natureza defensiva, o objetivo é proteger as comunidades anãs das investidas dos trolls subterrâneos, seja através da busca de um artefato ou magia especial, resgate de civis capturados ou o puro combate campal.

Um detalhe importante deste conflito é que ele resultou em enorme xenofobia dos anões para com membros de outras raças. Nada é oficialmente descrito sobre isto, mas há a impressão que os anões acreditam que as demais raças podem ter sido responsáveis por vazarem os detalhes das defesas que causaram a invasão do interior do reino, e por isto instituíram um banimento de todas as raças do reino, instituindo o segredo do caminho para Doherimm. Em uma campanha com grupos multiraciais, o desenvolvimento da xenofobia anã pode ser um ponto muito importante a se trabalhar durante as aventuras.

Outra opção é assumir uma postura mais ofensiva, tentando encontrar a razão por trás dos ataques dos guillanin, encontrando os finntroll e atuando ativamente contra Trollkyrka. Isto escalaria o conflito, no entanto, pois o orgulho finntroll seria ferido. Uma guerra total entre Doherimm e Trollkyrka destruiria ambas as nações, não importando qual saísse vitoriosa.

Navegue pela série<< Tormenta: história militar de Arton, a Infinita Guerra       Tormenta: história militar de Arton, Revolta dos Minotauros >>

Sobre Nume Finório

João Paulo Francisconi, entre outras enormes perdas de tempo, é blogueiro há dez anos, escreveu para a finada Dragon Slayer, publicou alguns livros de RPG e assistiu quatro episódios de Punho de Ferro.