Arton 1312

E aí, pessoal! De volta com mais material para Tormenta RPG! Dessa vez é um pequeno texto que cortei da aventura O Disco dos Três que foi publicada no Só […]

E aí, pessoal! De volta com mais material para Tormenta RPG! Dessa vez é um pequeno texto que cortei da aventura O Disco dos Três que foi publicada no Só Aventuras Volume 3. É uma descrição geral sobre como é Arton em 1312, ano em que ocorre a grande aventura para deter o retorno de Sartan. Como é algo não relacionado diretamente com a aventura, achei melhor cortar e deixar apenas o box “Mais velho que a Deusa das Avós!” com uma explicação mais concisa. O texto a seguir, portanto, é uma extensão do texto daquela box.

Arton 1312

O Reinado

Em 1312 o Reinado está completamente unificado sob a regência de Deheon e com quase a mesma configuração política que vista até as Guerras Táuricas em 1406~1407, com exceção de Portsmouth, ainda um condado de Bielefeld. Essa unidade não necessariamente significa paz: as seculares Guerras de Lomatubar estão no auge; a Ordem de Khalmyr e a Ordem da Luz ainda lutam por legitimidade e por um Reinado mais justo; intriga palaciana infesta Bielefeld com a família Asloth preparando o terreno para a secessão décadas mais tarde.

O Império de Jade

Com mais de cinco séculos, Tamu-ra é o estado mais antigo do continente, exótico, distante e inatingível para o homem comum ? mas não para aventureiros! O Império de Jade sofre com uma disputa sucessória entre os três herdeiros da dinastia Han, bandidos dominam regiões inteiras em meio ao caos estatal enquanto diques rompem e destroem colheitas, causando fome entre a população.

Uma antiga profecia, no entanto, diz que Lin Wu enviará um imperador-dragão para salvar Tamu-ra em sua hora mais negra. A mesma profecia diz que esse dragão só poderá ser acordado pela ação de heróis honrados. Voluntários?

Lamnor

Reinos humanos antigos e resplandecentes, totalmente reconstruídos depois de séculos da Grande Batalha, assim como Lenórienn, repousam no continente sul de Arton. Mas nada disso está disponível para o habitante típico do Reinado, mesmo após séculos de exílio essa ainda é uma terra proibida. A cidade-fortaleza de Khalifor permanece sempre vigilante para impedir que os exilados retornem, mas vez ou outra um aventureiro acaba passando despercebido, não é mesmo?

Ainda um Mundo de Problemas

Sszzaas está exilado do Panteão e seus seguidores estão presumidamente extintos, a Tormenta e Aliança Negra não ameaçarão Arton por gerações ainda, será o passado menos perigoso e excitante para aventureiros artonianos? De maneira nenhuma! O passado ainda é um mundo cheio de aventuras e perigos extremos que transformação os heróis em lendas e as lendas em mitos. Você poderia recusar essa oportunidade?

As Guerras de Lomatubar

Fundado em 1085, o reino de Lomatubar é o local do conflito mais duradouro do Reinado. Humanos e orcs vem  se enfrentando há séculos sem nunca obterem uma vitória decisiva. Com mais de duzentos anos, as guerras de Lomatubar só perdem em longevidade para a Infinita Guerra de elfos e hobglobins em Lamnor.

Recentemente o mago Thursten Covariel anunciou ao Conselho Regente ter encontrado uma solução. Ele propõe disseminar uma praga em todo o reino que seria inofensiva para humanos e outras espécies, mas mortal para orcs, vencendo a guerra sem perder nenhuma vida em batalha. Muitos ainda se perguntam se isto será seguro…

A Infinita Guerra

Estendendo-se há mais de oitocentos anos, o conflito entre elfos e hobgoblins é a mais longa guerra da história conhecida de Arton, elfos de todo o mundo convergem para Lamnor com o objetivo de proteger Lenórienn da ameaça hobgoblim. Orgulhosos, os elfos recusam-se a cooperar com os reinos humanos no continente sul até mesmo para exterminar a praga goblinóide. Cansados de tal comportamento os reinos lamnorianos assinaram há muito tempo um tratado de não interferência nos assuntos élficos que poderá ter resultados nefastos no futuro.

Os Trolls Nobres

Desde tempos remotos, os anões vivem em guerra contra os trolls subterrâenos. Mas durante longos séculos jamais suspeitaram que, no comando dos gigantes, havia mestres astutos e depravados.

Assim como os ogros seriam uma versão primitiva e brutal dos humanos, os finntroll acreditam ser uma “forma evoluída” dos trolls comuns — daí seu título como Trolls Nobres. Eles controlam os trolls comuns, usando-os como guardas e soldados para capturar escravos entre os povos humanóides. Suas cidades cavernosas são gigantescas, abrigando populações de milhares, e um número ainda maior de escravos e soldados trolls. Cruéis além de quaisquer medidas, eles tramam demonstrar sua superioridade sobre todas as outras raças.

A Família Asloth

O conde Brondar Asloth é um dos aristocratas mais perigosos do Reinado, especialmente para seus inimigos ancestrais, a família real de Bielefeld. Responsável por incitar uma recente e sangrenta guerra de seu país contra a recém-formada União Púrpura, o conde ainda trama novas maneiras de prejudicar a família real e tomar o trono.

Sobre Nume Finório

João Paulo Francisconi, entre outras enormes perdas de tempo, é blogueiro há dez anos, escreveu para a finada Dragon Slayer, publicou alguns livros de RPG e assistiu quatro episódios de Punho de Ferro.