Classe de Prestígio: Investigador de Thyatis [TRPG]

Thyatis é o deus-fênix do fogo, da ressurreição e da profecia. Ele acredita que todo erro pode ser previsto, e assim evitado, e que da mesma maneira não existe erro […]

Thyatis é o deus-fênix do fogo, da ressurreição e da profecia. Ele acredita que todo erro pode ser previsto, e assim evitado, e que da mesma maneira não existe erro já cometido que não possa ser corrigido. Sua visão do universo é a de um lugar onde tudo está sujeito a cálculos e nada é por acaso.

Sendo assim, não é de surpreender que entre seus seguidores mais exaltados existam os Investigadores de Thyatis. Eles são detetives sagrados que utilizam sua intuição sobrenatural ( e seu poder de trazer testemunhas ou vítimas de crimes de volta dos mortos) para resolver os  mistérios mais intrincados que assolam Arton.

Os sacerdotes da ressurreição consideram o assassinato um crime hediondo, pois ele priva as pessoas de seu destino e as impede de alcançar todo o seu potencial. É uma banalização da morte e um desperdício do dom dos deuses, algo que deve ser evitado e desencorajado a qualquer custo.

Por isso o Investigador de Thyatis, embora se ocupe dos mais diversos crimes, dedica a maior parte do seu tempo a perseguição de assassinos e a sua condenação. Muitos clérigos de Thyatis que atuam na cidade de Valkária acabam seguindo essa profissão, podendo tanto atuar a serviço da milícia ou como investigadores particulares.

Existe uma rivalidade amigável entre os Investigadores de Thyatis e os Detetives de Tanna-Toh – servos da deusa do conhecimento – para ver quem é mais eficiente na luta contra o crime. Mas enquanto os últimos preferem contar com com lógica pura e fria, os investigadores de Thyatis costumam ser mais enérgicos e agressivos (o que lhe valeu o apelido de “inquisidores”)

Eles se baseiam na sua própria fé e em badulaques e bugigangas com poderes místicos, que chamam de “relíquias”. Usam seus poderes para conseguirem confissões de pessoas, vivas ou mortas, e para encontrar as pistas que levam a resolução de um caso. Por sua maior ligação com o divino os investigadores continuam evoluindo sua habilidade de conjurar magias.

Investigador de Thyatis
Nível BBA Habilidade de Classe Magia
+0 Interrogar os mortos, Marcar suspeito +1 +1 nível
+1 Instrumentos místicos (vela da verdade) +1 nível
+2 Marcar suspeito +2 +1 nível
+3 Instrumentos místicos (orbe do vislumbre) +1 nível
+3 Marcar suspeito +3 +1 nível
+4 Instrumentos místicos (incensário da revelação) +1 nível
+5 Marcar suspeito +4 +1 nível
+6 Instrumentos místicos (sudário da reencarnação) +1 nível
+6 Marcar suspeito +5 +1 nível
10º +7 Maldição fantasma da fênix +1 nível  

 

Pré-requisitos:

Para se tornar um investigador de Thyatis, o personagem deve preencher todos os seguintes critérios.

  • Perícias: treinado em Intimidação, Intuição e Percepção.
  • Bônus Base de Ataque: +5.
  • Magias: deve conhecer a magia Falar com os Mortos (Tormenta RPG, pg.173).
  • Especial: deve possuir a habilidade de classe “Canalizar energia positiva” e ser devoto de Thyatis.

Características de Classe:

Pontos de Vida: um investigador de Thyatis recebe 4 PV (+ mod. Con) por nível.

Habilidades de Classe:

Magias: níveis de investigador de Thyatis acumulam-se com níveis numa classe conjuradora divina que o personagem já possua para propósitos de magias conhecidas e PM.

Interrogar os Mortos: o investigador de Thyatis pode conjurar a magia Falar com os Mortos (Tormenta RPG, pág.173) gastando apenas 1 PM. Além disso, a magia passa a ter duração, em minutos, igual ao seu nível nesta classe de prestígio.

Marcar Suspeito: assim como seus “rivais de profissão” – os detetives de Tanna-Toh – o investigador de Thyatis pode concentrar-se em alguém que considere suspeito, focando suas energias em prendê-lo ou inocentá-lo. Uma vez que tenha declarado alguém suspeito, o investigador recebe um bônus de +1 em jogadas de ataque e testes de Enganação, Furtividade, Intimidação, Intuição e Percepção contra ele. Além disso, o suspeito sofre uma penalidade de -1 em testes de resistência contra o investigador de Thyatis. Esses bônus e penalidades aumentam para +2 e – 2 no 3º nível, +3 e – 3 no 5º nível, +4 e -4 no 7º nível e +5 e -5 no 9º nível. O investigador pode ter apenas um suspeito marcado de cada vez.

Instrumentos místicos: a partir do 2º nível o investigador de Thyatis passa a desenvolver pequenos itens mágicos para auxiliá-lo em seus casos. Estes itens só funcionam quando usado pelo investigador. Nenhum teste da perícia Ofício é necessário para criar um instrumento místico e o investigador recebe um desses itens automaticamente, assim que atinge o nível suficiente para possuí-lo.

Vela da Verdade: no 2º nível, o investigador cria uma vela mágica detectora de mentiras. Após acendê-la, o investigador poderá fazer até cinco perguntas a qualquer pessoa que esteja até 6m da vela, se a resposta for uma mentira, a chama da vela irá tremeluzir. A vela não irá reagir a respostas vagas ou enigmáticas. O investigador não perde uma pergunta se o questionado se recusar a responder. A vela não se apaga até que o investigador termine todas as perguntas, quando será consumida completamente.

Após usar a vela, perdê-la ou tê-la destruída, o investigador pode criar outra no dia seguinte utilizando uma vela comum ou qualquer outro objeto parecido (Ex: tocha, lampião, graveto em chamas etc…)

Orbe do Vislumbre: no 4º nível, o investigador cria um orbe mágico que utiliza para se comunicar com Thyatis. Uma vez por dia ele pode orar para seu deus em busca de orientação, recebendo uma “visão” no orbe relacionada ao caso que estiver investigando, sua missão ou aventura atual. No entanto muitas vezes  essas visões costumam ser enigmáticas e ele ainda deve interpretar seu contéudo, se necessário. (O conteúdo da visão é sempre determinado pelo mestre).

Caso perca o orbe ou este seja destruído, o investigador pode criar outro em 1d4 dias, a partir de uma bola de cristal ou outro objeto similar. (Ex: espelho, cristal, balde de água, etc…)

Incensário da Revelação: no 6º nível o investigador cria um incensário mágico que abriga um pequeno espírito flamejante em forma de fênix. Uma vez por dia, ele pode libertar o espírito, que voará até alguma pista escondida, caso exista alguma, no cômodo em que ele se encontra ou nos arredores, indicando-a com seu bico. A natureza da pista é determinada pelo mestre. O espírito também pode indicar outros objetos de interesse que estejam ocultos, como uma armadilha, uma passagem secreta, uma chave, a testemunha de um crime, etc.

Caso perca o incensário ou este seja destruído, o investigador pode criar outro em 1d6 dias, a partir de um incensário comum ou outro objeto parecido. (Ex:  braseiro, chaleira, etc…)

Sudário da Reencarnação: no 8º nível o investigador cria um poderoso manto, capaz de ressuscitar uma pessoa morta  coberta com ele. Ele funciona como a magia Reencarnação mas sem custo de PMs ou POs e sem causar perda de níveis(Tormenta RPG, pág.196-197). O poder do manto só pode ser utilizado uma vez por semana e não funciona no mesmo indivíduo duas vezes.

Caso perca o sudário ou este seja destruído, o investigador pode criar outro em 1d8 dias, usando um manto ou qualquer outro tipo de tecido comum. (Ex: um cobertor, uma camisa, um lenço… etc…)

Maldição Fantasma da Fênix: Thyatis é o deus das segundas chances, mas isso não quer dizer que o caminho da redenção seja fácil. Uma vez por dia, o investigador pode declarar um alvo culpado ou responsável pelo assassinato de uma pessoa. Se realmente culpado, o alvo tem direito a um teste de Vontade (CD 30), se falhar, terá uma alucinação terrível que o fará confessar seu crime e ficará apavorado contra o investigador e seus aliados. Se bem sucedido no teste, o alvo não é compelido a confessar e ficará apenas abalado.  (Tormenta RPG, pág.229)

Alvos inocentes não sofrem os efeitos da maldição, ao invés disso, o investigador perde todas as suas habilidades de classe e capacidade de conjurar magias divinas até que tenha se redimido diante dos olhos de Thyatis por ter acusado um inocente (o que geralmente envolve uma missão sagrada, segundo a decisão do mestre).

A imagem usada para ilustrar esse post é da job “Oracle” do jogo Final Fantasy Tatics. Todos os seus direitos autorais pertencem a SquareEnix.

Agradecimentos especiais ao mestre Edu Guimarães pela “consultoria criativa”! 

Sobre Di Benedetto

Professor de história e atual habitante de escritório. Contista, tormentista e atormentado. Sofre de dependência química de café e podcasts – é agora também o “analista oficial” de @LeddHQ – www.leddhq.com.br – Siga-o por sua conta e risco! – @di_benedetto