Meus pais odeiam o meu hobby!

Recentemente recebi um comentário de uma mãe, preocupada com sua filha RPGista.

Visivelmente abalada, descarregava sua raiva no texto, altamente agressivo e preconceituoso.

Fiquei a semana inteira pensando no que fazer, até resolver fazer esse post.

Com tudo o que se fala sobre o RPG por aí, o que eu faria (e algumas coisas fiz) para abrir a cabeça dos meus pais quanto ao jogo?

Se coloque no lugar deles

Então você está saindo com um monte de gente que se veste de preto, falam sobre magia, vampiros e monstros…
Para quem está vivendo a situação isso pode parecer normal, mas seus pais não leram os livros que você leu!
Não adianta reclamar. Eles NÃO SABEM do que você está falando.
Aos olhos dos seus pais, você está escondido em um lugar, berrando coisas estranhas durante todo esse tempo.

Convide-os

Mostre os livros, incentive que os folheiem e façam a leitura dos primeiros capítulos (sabe aqueles que explicam o que é RPG?).

O melhor é começar por jogos “light”, como aqueles que mostram a luta contra dragões e o resgate da princesa. Depois mostre o Vampiro.

Mostre as miniaturas, dados, fichas e demais acessórios que você usa na sua campanha.
Essas coisas vão ajudá-los a entender que o RPG é só um jogo.

Abra a janela

RPG é legal. Muito legal. Tão legal que chega ao ponto de alguns loucos gastarem dinheiro só para divulgar o hobby e escrever a respeito na internet.
Só que a vida é mais do que isso.
Chame seu grupo para fazerem outras coisas (irem à praia, cinema, balada, etc) isso é bom para a amizade (que não ficará restrita apenas ao jogo) e é bom para você.

O RPG deve ser MAIS UMA coisa que você faz, e não A ÚNICA coisa.

Tenha equilíbrio

Um jogo de RPG leva, tranquilamente, 4 horas ou mais.
Se você joga regularmente, isso pode significar deixar de passar tempo com sua família, e criar na cabeça deles que você tem um “compromisso chato” toda semana.

RPG é legal e amigos são importantes. Só que a família também precisa de tempo (depois você fica reclamando que seus pais não te entendem… também, se você não fica com eles… aliás, nem VOCÊ vai entendê-los).

Da mesma forma, você precisa deixar claro que RPG não é “compromisso”, é um “hobby”. Que leva tanto tempo quanto (às vezes MENOS tempo) ir à praia, shopping ou balada.

Alooowww! Talvez eu seja nerd!

Seus pais tem preconceitos contra nerds.
“São uns idiotas.” – Eles dizem.

Considerando que o cara mais rico do mundo é nerd, e que vivemos na era da informação… Acho que tem um erro bastante óbvio nesse pensamento.

O que eu acho é que se você anda com nerds e tem passatempos nerds, talvez você seja um de nós, certo?

Só que se eles forem preconceituosos, talvez lhes seja difícil aceitarem isso, e é provável que leve tempo (e eu acho que a mãe da RPGista ainda não se tocou disso).

Infelizmente, essa é a única coisa para a qual não tenho dicas.

Não dá pra dar dicas contra preconceitos.

Só dá pra torcer para que a mãe não ame menos a RPGista, só por ela ser nerd.

E você?
Que dicas construtivas daria para a RPGista e sua mãe, para que cheguem à um acordo?

Sobre Alexandre

Estagiário do vice presidente júnior do RPGista, Alexandre começou a jogar RPG em 1991, só para poder usar miniaturas e jogar dados esquisitos. Ele é o jogador que faz os ninjas e rangers do grupo. Nunca magos (porque com eles não se brinca).